Home - Convergência Digital

Jornada intermitente gera ruído forte na Reforma Trabalhista

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo* - 12/07/2017

A aprovação da Reforma Trabalhista pelo Senado Federal nesta terça-feira, 11/07, muda o processo de contratação no Brasil. Foram regulamentados o home office, a terceirização e instituída a jornada intermitente - ponto que provoca celeuma e deverá ganhar nova redação na Medida Provisória, que será publicada pelo governo Temer para a sanção da nova legislação. O grande ponto de tensão, de acordo com os especialistas, é a jornada intermitente, em que o empregado recebe por hora.

A justificativa para a inclusão dessa modalidade é de que ela já ocorre no mercado informal e é prática em outras economias, inclusive mais desenvolvidas que o Brasil. O objetivo da reforma é regulamentar a contratação de funcionários sem horários fixos de trabalhos – o que já ocorre em alguns setores, como o de bares e restaurantes. A proposta prevê a prestação de serviço de forma descontínua, com períodos alternados de trabalho e folga.

Na prática, o trabalho intermitente é definido na legislação como aquele em que “a prestação de serviços, com subordinação, não é contínua, ocorrendo com alternância de períodos de prestação de serviços e de inatividade, determinados em horas, dias ou meses, independentemente do tipo de atividade do empregado e do empregador, inclusive as disciplinadas por legislação específica”.

A nova lei determina ainda que trabalho intermitente deve ter um contrato por escrito, com o valor da hora de trabalho. Ela não pode ser inferior ao valor da hora do salário mínimo ou ao que é pago aos demais funcionários que exercem a mesma função. É determinado que a prestação do serviço deve ser convocada pelo empregador por meio de comunicação eficaz, informando a jornada e com antecedência de três dias corridos.

Após a convocação, o empregado tem um dia útil para responder. Ao fim da prestação de serviço, o empregado deve receber as seguintes parcelas: remuneração, férias proporcionais com acréscimo de um terço, décimo terceiro salário proporcional, repouso semanal remunerado e adicionais legais. O empregador também deve recolher o FGTS e contribuição previdenciária proporcionais. A cada doze meses, o empregado ganha o direito de um mês de férias no ano seguinte.

Logo após a sessão tumultuada que aprovou a Reforma Trabalhista, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse que os deputados não aceitarão mudanças na reforma trabalhista pelo Senado. Por meio do Twitter, Maia afirmou que caso o presidente Michel Temer envie uma medida provisória sobre o assunto, a proposta "não será reconhecida" pela Câmara.

"A Câmara não aceitará nenhuma mudança na lei. Qualquer MP não será reconhecida pela Casa", escreveu Maia. A mensagem foi publicada na rede social, mencionando uma reportagem sobre o assunto, cerca de duas horas após a votação.

No final de junho, em carta enviada aos senadores, o presidente Michel Temer se comprometeu a cumprir um acordo para vetar alguns trechos da matéria e enviar uma medida provisória regulamentando as lacunas deixadas pelos eventuais vetos. Caso uma MP seja editada por Temer, ela passa a vigorar com força de lei, mas precisa ser aprovada pelo senado e pela Câmara.

Na carta, o presidente da República, frisou: “Essa decisão cabe às senhoras e senhores senadores, mas quero aqui reafirmar o compromisso de que os pontos tratados como necessários para os ajustes e colocados ao líder do governo, senador Romero Jucá, e à equipe da Casa Civil, serão assumidos pelo governo se esta for a decisão final do Senado da República”, disse se referindo à aprovação do projeto.

Entre os vetos sugeridos está o tratamento da gestante e do lactante em ambiente insalubre. O texto prevê que a trabalhadora deverá ser afastada automaticamente, durante toda a gestação, apenas das atividades consideradas insalubres em grau máximo. Para atividades insalubres de graus médio ou mínimo, a trabalhadora só seria afastada a pedido médico.

Outra sugestão é vetar a alteração que permite que o acordo individual estabeleça a chamada jornada 12 por 36, na qual o empregado trabalha 12 horas seguidas e descansa as 36 seguintes.  Em relação ao trabalho intermitente, foi recomendado veto aos dispositivos que regulamentam a prática na qual a prestação de serviços não é contínua, embora com subordinação. Nesse tipo de trabalho, são alternados períodos de prestação de serviços e de inatividade, independentemente do tipo de atividade do empregado.

Além do trabalho intermitente, a reforma trabalhista prevê outros tipos de jornada de trabalho.

- Teletrabalho: a proposta prevê esse modelo de contratação, em que o funcionário trabalha em um ambiente distinto da sede da empresa, “com utilização de tecnologias da informação e de comunicação”. O Art 62 foi alterado e um novo capítulo (II-A) criado para normatizar o tipo de relação trabalhista. De acordo com a proposta, a prestação de serviços nesta modalidade deve ser descrita no contrato de trabalho, embora o comparecimento eventual à sede não a descaracterize. As alterações do regime de trabalho podem ser feitas se houver mútuo acordo entre as partes, com aditivo contratual.

- Regime de tempo parcial: o trabalho neste regime é aquele cuja duração não ultrapassa 30 horas semanais, sem a possibilidade de horas-extras, ou o que não excede 26 horas semanais, com a possibilidade de acréscimo de até seis horas suplementares por semana. As mudanças estão no Art. 58-A – antes, só eram permitidas as contratações até 25 horas semanais. Além da mudança no tempo do regime parcial, a proposta iguala o gozo de férias dos contratados neste regime aos empregados com prazo determinado e permite a conversão de um terço do período de férias em dinheiro.

*Com informações da Agência Brasil

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

22/09/2017
Lei trabalhista: terceirização da mão de obra segue como prática ilícita

05/09/2017
MCTIC precisa de R$ 2 bi para fechar ano e fala em 'pressão saudável' por recursos

05/09/2017
Convenção Coletiva de TI está acima da Reforma Trabalhista

04/09/2017
Reforma trabalhista altera negociação do banco de horas

29/08/2017
Jornada intermitente: Saiba como agir e evitar abusos

28/08/2017
Janot vai ao STF para suspender Reforma Trabalhista

23/08/2017
TSE ganha acesso a banco de dados das carteiras de motorista

23/08/2017
Assespro e Brasscom defendem sistema distrital misto para a Reforma Política

22/08/2017
Reforma trabalhista: Não haverá contrato novo ou velho

17/08/2017
Jornada 12/36 horas trará prejuízo ao trabalhador

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Quatro lições para dar coragem e autonomia às pessoas

Por Amanda Matos Cavalcante*

As pessoas são os principais e mais importantes ativos de uma corporação.

Destaques
Destaques

Reforma trabalhista: Não haverá contrato novo ou velho

“Se não, muitos empresários poderiam dispensar os trabalhadores da ‘lei velha’ e contratar outros com contrato novo, pela ‘lei nova’. Para não haver esse perigo, a lei aplica-se a todos os contratos em vigor no Brasil”, explica o Juiz do Trabalho, Marlos Melek.

BI, big data e cientista de dados: salários entre R$ 12 mil a R$ 30 mil no Brasil

Pesquisa revela que corporações brasileiras buscam especialistas nessas áreas para conduzir seus negócios.

Reforma trabalhista entra em vigor em novembro no Brasil

O presidente Michel Temer sancionou a reforma Trabalhista, sem vetos, mas garante que enviará uma Medida Provisória para dar mais transparência a pontos como, por exemplo, se haverá ou não a exigência de um prazo de 18 meses para o traballhador terceirizado ser recontratado. Presidente do TST, Ives Gandra Filho, diz que lei traz 'segurança jurídica'.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site