INOVAÇÃO

Sem Governo ativo, Brasil ficará longe da indústria 4.0

Por Luis Osvaldo Grossmann e Ana Paula Lobo ... 24/04/2018 ... Convergência Digital

Ao entrevistar 1,6 mil executivos em 19 países, 102 deles no Brasil, a consultoria Deloitte tentou medir a preparação dos mercados para a chamada ‘indústria 4.0’, a combinação dos mundos físico e digital no ambiente fabril. E descobriu que entre os brasileiros a maior preocupação é com a qualidade da mão de obra.

“No Brasil há um forte senso de preparação para endereçar as mudanças colocadas pela tecnologia na organização estrutural e nos empregados. Diferentemente de executivos globais, para quem talento e recursos humanos caem para o fim da discussão, 31% dos executivos brasileiros indicaram que a força de trabalho é um tópico frequente de discussão, comparado com 17% globalmente”, afirma o líder Global de Consumer & Industrial Products da Deloitte, Tim Hanley.

Além disso, os brasileiros tendem a enxergar a tecnologia como um grande diferenciador. Segundo ele, “39% dos entrevistados no Brasil consideram a tecnologia como chave para a diferenciação competitiva, comparado com 20% de média global. Os executivos brasileiros também acreditam que suas organizações estão mais aptas a enfrentar desafios tecnológicos da indústria 4.0”.

Pela avaliação, no entanto, é possível perceber que o Brasil não está exatamente entre os líderes desse momento de modernização industrial. “É uma disputa muito competitiva, com China, EUA, Alemanha e vários outros países aportando investimentos significativos tanto públicos como privados na indústria 4.0. Esses países elevaram o foco de suas estratégias em políticas públicas, investiram no desenvolvimento de tecnologias avançadas, construíram a infraestrutura para suportar novos ecossistemas e investiram na força de trabalho de amanhã”, lembra Hanley.

Segundo a Deloitte, governos têm papel estratégico na criação do ambiente propício para os negócios serem competitivos local e globalmente. “Políticas e investimentos com foco em talento, inovação e infraestrutura, custos e energia são chave para a competitividade. Os governos também têm o importante papel de reunir iniciativas de colaboração público-privadas em tecnologias críticas que possam ter impacto na economia.” Outra avaliação é de que os empregos tendem a mudar, mais do que desaparecer.

“A automação não vai necessariamente roubar empregos, mas vai mudar o tipo de trabalho ao nos encaminhamos para um ambiente mais automatizado. A aceleração da conectividade e das tecnologias cognitivas muda a natureza do trabalho. Sistemas de inteligência artificial, robótica e ferramentas cognitivas ganham maior sofisticação e praticamente todos os empregos serão reinventados. À medida que essa tendência acelera, as organizações devem reconsiderar como definem empregos, organizam trabalhos e planejam o crescimento futuro", completou o líder da Delloite.


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Lei de Informática: MCTIC atualiza regras para aporte de verba de P&D

Resolução da Secretaria de Políticas Digitais aponta regras gerais e específicas para Instituições de Ensino e Pesquisa, Centros ou Institutos de Pesquisa e Desenvolvimento, além de Incubadoras.

Governo vai usar R$ 1 bilhão da Finep em saneamento, mobilidade e energia

Com conceito amplo do que vale como inovação, programa batizado Cidades Inovadoras promete linhas de financiamento descentralizadas aos municípios.

FAPERJ prioriza quitação de dívidas com startups

Diretor de Tecnologia da entidade de pesquisa, Maurício Guedes, lamenta o fato de o Brasil não ter conseguido, até agora, estabelecer uma conexão entre a Academia e comunidade empresarial.

Inteligência Artificial nos processos tradicionais fica obsoleta

O momento é de Revolução Civilizacional e a saída é a descentralização do poder. "É preciso sofisticar os algoritmos", afirma Carlos Nepomuceno, da Escola Canadense Brasileira de Estratégia Digital.

China Unicom começa a operar no Brasil por meio de cabo submarino

Operadora chinesa é líder do consórcio South Atlantic Inter Link (SAIL) que ativou a conexão, que pode chegar a 32 Tbps, entre as cidades de Kribi, nos Camarões, e Fortaleza, no Brasil.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G