INOVAÇÃO

Sem Governo ativo, Brasil ficará longe da indústria 4.0

Por Luis Osvaldo Grossmann e Ana Paula Lobo ... 24/04/2018 ... Convergência Digital

Ao entrevistar 1,6 mil executivos em 19 países, 102 deles no Brasil, a consultoria Deloitte tentou medir a preparação dos mercados para a chamada ‘indústria 4.0’, a combinação dos mundos físico e digital no ambiente fabril. E descobriu que entre os brasileiros a maior preocupação é com a qualidade da mão de obra.

“No Brasil há um forte senso de preparação para endereçar as mudanças colocadas pela tecnologia na organização estrutural e nos empregados. Diferentemente de executivos globais, para quem talento e recursos humanos caem para o fim da discussão, 31% dos executivos brasileiros indicaram que a força de trabalho é um tópico frequente de discussão, comparado com 17% globalmente”, afirma o líder Global de Consumer & Industrial Products da Deloitte, Tim Hanley.

Além disso, os brasileiros tendem a enxergar a tecnologia como um grande diferenciador. Segundo ele, “39% dos entrevistados no Brasil consideram a tecnologia como chave para a diferenciação competitiva, comparado com 20% de média global. Os executivos brasileiros também acreditam que suas organizações estão mais aptas a enfrentar desafios tecnológicos da indústria 4.0”.

Pela avaliação, no entanto, é possível perceber que o Brasil não está exatamente entre os líderes desse momento de modernização industrial. “É uma disputa muito competitiva, com China, EUA, Alemanha e vários outros países aportando investimentos significativos tanto públicos como privados na indústria 4.0. Esses países elevaram o foco de suas estratégias em políticas públicas, investiram no desenvolvimento de tecnologias avançadas, construíram a infraestrutura para suportar novos ecossistemas e investiram na força de trabalho de amanhã”, lembra Hanley.

Segundo a Deloitte, governos têm papel estratégico na criação do ambiente propício para os negócios serem competitivos local e globalmente. “Políticas e investimentos com foco em talento, inovação e infraestrutura, custos e energia são chave para a competitividade. Os governos também têm o importante papel de reunir iniciativas de colaboração público-privadas em tecnologias críticas que possam ter impacto na economia.” Outra avaliação é de que os empregos tendem a mudar, mais do que desaparecer.

“A automação não vai necessariamente roubar empregos, mas vai mudar o tipo de trabalho ao nos encaminhamos para um ambiente mais automatizado. A aceleração da conectividade e das tecnologias cognitivas muda a natureza do trabalho. Sistemas de inteligência artificial, robótica e ferramentas cognitivas ganham maior sofisticação e praticamente todos os empregos serão reinventados. À medida que essa tendência acelera, as organizações devem reconsiderar como definem empregos, organizam trabalhos e planejam o crescimento futuro", completou o líder da Delloite.


Cloud Computing
Orçamento e liminar travam planos do Governo para uso da nuvem

Sem recursos, somente quatro dos 12 órgãos que participaram do pregão já assinaram contrato para uso da nuvem pública do governo federal. Mas dois órgãos, que não estavam no escopo inicial, já solicitaram a autorização de adesão à nuvem.

TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Serviços de voz estão mais vivos do que nunca na jornada digital

Quem pensa que os serviços de voz serão secundários está cometendo um erro, pontuou Douglas Silva, executivo da AWS. "Acreditamos que nos próximos 24, 36 meses a voz vai evoluir de apenas serviço informacional para transacional".

Febraban: o céu é o limite para modelos de negócios com blockchain

A blockchain bancária é ainda uma produção pequena, mas é um marco para o setor, observa o diretor setorial de Tecnologia da Febraban, Gustavo Fosse. Sobre o Open Banking, a única certeza é que ele vai vir e já no ano que vem.

Distributed Ledger: open source e blockchain unem esforços

Para o diretor de DCX das Capgemini, Thiago Nascimento, a tecnologia de livro-razão (Distributed Ledger) será disruptiva e exigirá a interoperabilidade do setor financeiro.

Biometria é o ‘empurrão do governo’ para aumentar a bancarização

Inclusão financeira passa por ações mais efetivas do governo, como aconteceu na Índia, afirma diretor-geral da Tata Consultancy Services no Brasil, Tushar Parikh.

BBTS quer ser a integradora dos pequenos bancos no open banking

Para a BBTS, o novo modelo de atuação do sistema financeiro exige aportes que nem todas as instituições financeiras terão fôlego para fazer.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G