Home - Convergência Digital

‘Horário nobre’ derruba velocidade da internet móvel pela metade no Brasil

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann - 20/02/2019

A rápida disseminação do 4G evidencia a demanda por internet rápida e permanente, mas o hábito de consumo mantém um certo padrão de hora do rush semelhante às redes de energia ou de televisão. O uso é mais intenso à noite. Por isso, esse é o período de maior congestionamento na maior parte dos lugares, ainda que com variações.

No Brasil, o pico é às 20h, segundo aponta um estudo da britânica Opensignal sobre as redes de telefonia celular de 77 países. Nesse período, a velocidade da internet no Brasil cai para 16 Mbps, em média. É algo perto da metade (57%) da capacidade das redes quando não há congestionamento. Por volta das 3h da manhã, a média chega a 28 Mbps.

Esse tipo de flutuação é natural em redes compartilhadas, como é o caso dos celulares. Acontece em todos os países. Assim, em média a velocidade da internet móvel é de 22,1 Mbps às 3h da madrugada, caindo gradativamente até 9h, quando é de apenas 11,9 Mbps. Volta a subir ao longo do dia, para despencar novamente entre 20h e 23h na maioria (71) dos 77 países analisados.

“Os países da América Latina geralmente caem para a metade inferior de nossas medidas de consistência de velocidade, indicando que há grandes flutuações na Velocidade de Download 4G ao longo do dia. O país mais consistente em nossa análise latino-americana foi a Costa Rica. Suas velocidades aumentaram apenas 50% entre os tempos mais lentos e mais rápidos. O Equador também estava no topo da lista (com um aumento de 60% entre os tempos mais lentos e mais rápidos), seguido pelo México e pelo Brasil (ambos com 70%)”, diz o relatório.

No caso do Brasil, no entanto, o horário de pior performance (16,4 Mbps) não fica muito atrás da média diária (18,6 Mbps). Na avaliação da Opensignal, isso indica um melhor gerenciamento das redes no Brasil nesse tipo de comparação, que tende a valorizar as menores variações no desempenho das conexões móveis à internet.

“O Brasil e o México foram casos interessantes porque ambos tinham o mesmo mínimo de 16 Mbps na extremidade mais baixa e de 28 Mbps na extremidade alta. Mas no geral, o México foi mais rápido. A velocidade média de download de 4G do México em 24 horas foi de 20,1 Mbps, enquanto a média do Brasil foi de 18,6 Mbps, o que mostra que os dois países eram consistentes de maneiras diferentes. O México conseguiu manter suas velocidades médias mais próximas de suas velocidades ideais, um sinal de bom gerenciamento de recursos. Enquanto isso, o Brasil fez um trabalho melhor, garantindo que as velocidades na hora mais congestionada do dia não estivessem muito longe de sua média.”

A conclusão do estudo é de que o 5G vai aliviar significativamente o congestionamento das redes, permitindo uma performance mais homogênea das conexões. “Essas flutuações nas velocidades se tornarão cada vez mais problemáticas à medida que a indústria móvel global evoluir. Serviços e aplicativos de próxima geração que exigem velocidades não apenas rápidas, mas consistentes. Caso contrário, eles não serão capazes de funcionar adequadamente nos horários precisos que a maioria dos consumidores deseja usá-los. Enquanto a atenção nos centros 5G aumenta a velocidade, os benefícios para a consistência podem ser muito mais importantes.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

12/06/2019
Ericsson: adoção do 5G será ainda mais rápida do que foi a do 4G

10/06/2019
Tratores autonômos são a realidade do agronegócio com o 5G

07/06/2019
GSMA: Sem os chineses, custo do 5G na Europa vai crescer US$ 62 bilhões

06/06/2019
Bloqueada nos EUA, Huawei anuncia acordo com a Rússia para 5G

06/06/2019
5G será o último 'G', decreta Vodafone

04/06/2019
Oi se esquiva sobre 5G, mas acelera refarming por 4G e 4,5G

03/06/2019
5G é trunfo da Amazon na sua disputa com a Microsoft

31/05/2019
Brasil ativou 8 milhões de chips 4G de janeiro a abril

28/05/2019
Números da Coreia do Sul mostram que consumo de dados triplica com 5G

24/05/2019
Qualcomm: Banda milimétrica exigirá que cada operadora tenha de 400 Mhz a 800 Mhz

Destaques
Destaques

Para injetar R$ 200 bilhões na economia, IoT tem de ficar livre das amarras tributárias

Relator da proposta de tributo zero para Internet das Coisas, deputado Eduardo Cury, do PSDB/SP, disse que o setor precisa municiar o Parlamento com dados para convencer à Casa a conceder a desoneração.

5G exige muito espectro para entregar tudo que se espera da tecnologia

Anatel, indústria e teles sustentam que a nova onda tecnológica só vai atender as demandas esperadas se tiver frequência suficiente para melhorar os serviços.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

O potencial pouco explorado da Internet das Coisas

Por Daniel Kriger*

A grande mudança que a Internet das Coisas (IoT – Internet of Things) trará para a vida das pessoas está além da facilidade de se preparar um café, programar um banho quente ou economizar na conta de luz. Dar conectividade a objetos e abrir espaço para comandos inteligentes em inúmeras tarefas do dia a dia é um dos principais propósitos de IoT. Mas não é só isso.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site