Convergência Digital - Home

Google lança OTT para ser o 'dono' dos games na nuvem

Convergência Digital
Ana Paula Lobo* - 19/03/2019

O Google anunciou nesta terça-feira, 18/03, durante a Game Developers Conference, nos Estados Unidos, o Stadia, uma nova plataforma de vídeo game que oferece acesso instantâneo a jogos em qualquer tipo de tela, seja uma TV, laptop, desktop, tablet ou smartphone. Na prática, o Stadia é uma OTT de games que quer ter um contato direto com os usuários, ou seja, precisa ter uma infraestrutura robusta capaz de minimizar ao máximo a latência da conexão. A novidade estará disponível em países selecionados como EUA, Canadá, Reino Unido e parte da Europa ainda neste ano. Ainda não há previsão de chegada ao Brasil.

O Stadia usa a rede global de data centers do Google e libera os jogadores das limitações dos consoles e PCs tradicionais com sua plataforma de última geração. Além disso, a plataforma também permite que os desenvolvedores tenham acesso a recursos quase ilimitados para criar os jogos que sempre sonharam.

A OTT de games está integrada a outros serviços do Google. Em um mundo em que mais de 200 milhões de pessoas assistem a conteúdo relacionado a jogos diariamente no YouTube, Stadia permite começar uma partida com apenas um botão. “Se você quer assistir a um de seus criadores favoritos jogando Assassin's Creed Odyssey, basta clicar no botão ‘jogar agora’ e, logo depois, você estará correndo pela Grécia antiga na sua própria partida - sem necessidade de downloads, atualizações, patches e instalações.” diz Phil Harrison, Vice Presidente e General Manager do Google Stadia

Além disso, o Stadia também contará com um controle dedicado. Ele possui conexão direta com nossos data centers via wi-fi para oferecer a melhor performance de jogo possível. Ele inclui um botão para capturar, salvar e compartilhar o gameplay em até 4k de resolução e também vem equipado com um botão do Google Assistente e microfone embutido.

Em termos de infraestrutura, mais uma vez o Google segue sem parceria com as operadoras de telecomunicações. Vale lembrar que um cabo submarino entre a Califórnia, nos EUA, e o Chile, batizado de Curie, em homenagem a Marie Curie, cientista que liderou uma série de pesquisas pioneira no campo da radioatividade, tem previsão de ficar pronto.

Trata-se do o primeiro cabo submarino a chegar no Chile em aproximadamente 20 anos. Uma vez instalado,  a empresa sustenta que será uma das maiores “rodovias” de dados na região. Com o Curie, o Google se torna a primeira companhia não especializada em telecomunicações que constrói um cabo privado. Mas é bom lembrar também que a ausência das teles pode ser temporária, de todas as OTTs, o Google é o que tem a melhor política de aproximação com o segmento de telecomunicações.

Um projeto do Google que não decolou foi o Google Fiber, anunciado em 2010, e que provocou grandes expectativas num momento em que as operadoras de telefonia estavam se movendo lentamente na implementação de serviços de banda larga. O Google Fiber, no entanto, avançou pouco e se transformou em uma operadora virtual (MVNO) com atuação restrita nos Estados Unidos.


Destaques
Destaques

CNJ não libera contrato de R$ 1,3 bilhão do TJ/SP com a Microsoft

Mas autoriza o prosseguimento das negociações entre as partes. Decisão final sairá em plenária, ainda não agendada.

Big data e Analytics têm receita projetada em R$ 16,8 bilhões

A cloud pública também mostra crescimento e deve chegar a R$ 10 bilhões de receita no final do ano, de acordo com estudo da IDC, encomendado pela ABES. Com relação à Inteligência Artificial, o levantamento indica que, no Brasil,15,3% das médias e grandes empresas têm essa tecnologia entre as principais iniciativas e espera-se que isso dobre nos próximos quatro anos.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Edge Computing para acelerar os negócios das empresas brasileiras

Por Henrique Cecci*

O que é, afinal, Edge Computing? Trata-se da aplicação de soluções que facilitam o processamento de dados diretamente na fonte de geração de dados. No contexto da Internet das Coisas (IoT), por exemplo, as fontes de geração de dados geralmente são "coisas" com sensores ou dispositivos incorporados.

Intuição versus análise de dados na gestão

Por Douglas Scheibler*

O poder decisório significa alta responsabilidade e inúmeros riscos. Neste cenário caótico, analisar dados é indispensável e é o que justifica uma determinada medida ser considerada como correta, em um cenário específico, em detrimento de outras.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site