SEGURANÇA

RSA/Dell: Não se trata mais de infraestrutura em risco, mas de pessoas em risco

Ana Paula Lobo ... 19/08/2019 ... Convergência Digital

O presidente global da RSA Security, Rohit Ghai, foi taxativo ao conversar com o Convergência Digital: uma boa política de cibersegurança está muito, mas muito longe, de dizer não para tudo como muitas áreas de segurança da Informação já fizeram e tentam seguir como mantra. "Na transformação digital é impossível dizer não para tudo o tempo todo. Gerencial o risco é que faz a diferença e fará daqui para frente", assegurou Ghai.

O executivo - que veio ao Brasil na semana passada para encontros com clientes - admitiu que, hoje, a infraestrutura de TIC está mudando o tempo todo e a proteção dela e dos negócios exige um gerenciamento em tempo integral. "Não basta mais pensar em comprar produtos ou instalar software para conter incidentes. Agora o mundo mudou de vez. Temos cloud computing, temos edge computing, e mais coisas virão. O momento é de conectar os silos nas empresas. Não é mais pensar somente em infraestrutura em risco, mas, sim, em pessoas em risco", adicionou o presidente da RSA Security.

Indagado pelo Convergência Digital, sobre o porquê do incremento dos ataques às empresas, Rohit Ghai diz que é preciso mudar a cultura. "A transformação digital sabe que ataques vão vir. A questão é como a empresa vai agir e minimizar o impacto. Na era dos dados, as leis de proteção beneficiam quem admite o ataque e age para conte-lo de forma transparente. Esse é o papel da segurança da informação: entender os riscos", ressalta.

O mundo digital, acrescenta, amplia as facilidades para acesso à informação e aos serviços e gostem ou não os gestores de segurança há uma liberdade maior para escolher os meios de trabalho. E aqui, observa Rohit Ghai, a educação se torna uma prioridade. "Empresas precisam gastar com treinamentos, com gamificação, com educação digital. E isso não parte da TI ou da Segurança. Tem de partir do conselho de administração", destaca.

5G e cidades inteligentes: o risco passa a nos incluir

As cidades inteligentes e o 5G - por conta da tecnologia nos serviços críticos são, hoje, uma preocupação objetiva na área de segurança da informação. "Mas muitas empresas estão atentas apenas à reputação, ao dano da marca, ao impacto econômico dos ataques de hackers. Mas daqui a pouco são as nossas vidas em risco, a nossa segurança física. A tecnologia chegou onde ela não chegava há, cinco, 10 anos. Uma indústria automobilística nunca pensou em ser uma empresa de software. Hoje ela é o quê com a evolução dos carros autônomos?", indaga o presidente da RSA Security.

No caso do 5G, as infraestruturas críticas vão depender cada vez mais da conectividade e da boa gestão dela, acrescenta. " Semáforos, carros, saúde, tudo será 100% conectado. O gerenciamento de tantos dispositivos impõe uma nova prática a ser considerada por todos", relata Ghai. Uma guerra cibernética não está fora da realidade, mas os estragos não serão contabilizados apenas nas batalhas virtuais.

"Uma guerra cibernética vai ser física e bem real", pondera Ghai. Sobre a concorrência entre as empresas de segurança da informação, Rohit Ghai diz que ela é uma realidade e vão sobreviver àquelas que não tenham apenas o foco tecnológico da segurança. "Tem de pensar na organização do trabalho. Aqui é onde a gente demarca a convergência da Dell com a RSA: gerenciamento da jornada digital. O negócio está sendo transformado e isso vai muito além das equipes de TI e de segurança", completa Ghai.



Globo afirma que ataque hacker não 'roubou' dados de usuários

Houve duas invasões ao sistema de notificações push da Globoplay e da GShow no final de semana. O ataque teria sido conduzido por um grupo hacker da Arábia Saúdita. Segundo a Globo, 'invasores se limitaram a enviar mensagens para toda a base'.

Consciência é a maior vacina contra os riscos cibernéticos

Em tempos de home office por conta do coronavírus, o gerente de segurança do CAIS/RNP, Edilson Lima, diz que cabe ao usuário redobrar seu cuidado. "Cada um tem de fazer sua parte", afirma.

Cibercrime usa Coronavírus para roubar dados pessoais no WhatsApp

Golpe oferece suposto kit gratuito com máscara e álcool gel - a ser dado pelo Governo Federal - para atrair as pessoas mais nervosas em relação à pandemia.

RNP terá programa para formar profissionais em Segurança Cibernética

O diretor da área na Rede Nacional de Pesquisa, Emilio Nakamura, assegura que a intenção é 'acelerar a formação de novos profissionais não apenas na Academia, mas também na inovação aberta'.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G