Convergência Digital - Home

Menos de 20% das empresas migraram cargas de trabalho para a nuvem na América Latina

Convergência Digital
Por Roberta Prescott - 27/08/2019

Cada vez mais, workloads sofisticados e complexos estão indo para a nuvem, apontou o gerente-geral da IBM no Brasil, Tonny Martins, acrescentando que o novo grande volume para ser migrado para cloud são as aplicações de missão crítica. “Isto vai exigir ambientes múltiplos, ou seja, multicloud; ambientes híbridos e interconectados, abertos para conectar todo o ecossistema; gerenciados e seguros”, disse Martins, em coletiva de imprensa no IBM Think Summit Brasil.

“A nuvem acelera a transformação digital, mas, apesar de tudo que está acontecendo na nuvem, apenas 20% das cargas de trabalho das empresas moveram-se para nuvem”, disse David Farrell, gerente-geral da IBM Cloud. No entanto, a perspectiva da IBM é que, à medida que as companhias na América Latina e no mundo caminham para o próximo capítulo de sua reinvenção digital, 80% de suas cargas de trabalho de missão crítica, como, por exemplo, cadeias de suprimento e sistemas bancários, ainda precisam ser movidas para a nuvem.

Para isto, aponta a companhia, as organizações precisam integrar infraestrutura local (on-premises), nuvens privadas e públicas para implementar uma estratégia de nuvem híbrida; e com garantia de uma arquitetura otimizada para que as aplicações possam ser executadas de maneira eficiente em cada um desses ambientes (público, privado e local). 

A IBM usou seu evento no Brasil para anunciar que inaugurará, no segundo semestre de 2020, a primeira região de IBM Cloud (Multizone Region) na América Latina. Será a sétima infraestrutura do tipo da multinacional. A nova região de IBM Cloud vai ofertar um conjunto de serviços de nuvem pública IBM, desde infraestrutura até serviços de plataforma, como inteligência artificial (IA). De acordo com a empresa, ela ajudará a ampliar localmente os recursos de recuperação de desastres, interconectando três zonas de disponibilidade distintas — cada uma delas contendo refrigeração, rede e energia independentes — dentro da mesma região.

“A Multizone Region representa investimentos importantes da IBM para expandir capacidade, infraestrutura com mais resiliência, segurança da nossa cloud”, afirmou o gerente-geral, sem abrir números. Marcelo Braga, vice-presidente de Watson e cloud da IBM Brasil, explicou que a IBM vai expandir seu datacenter atual localizado em Jundiaí, interior de São Paulo, e que está fechando a contratação de mais um datacenter. “Tem de ser próximo [aos atuais] para garantir a baixa latência; distante 10 a 40 quilômetro”, disse.   

Os investimentos da IBM visam ao aumento de capacidade e à consolidação das iniciativas cloud, com objetivo de acrescentar capacidades e funcionalidades tecnológicas para aumentar a resiliência e segurança. A IBM Cloud Multizone Region vai atender, além do Brasil, os demais países da América do Sul. Até agora, a companhia possui datacenters no Brasil e no México. Antes da consolidação, os serviços oferecidos pela IBM eram prestados desde datacenter fora do Brasil. A estimativa é que a concentração no Brasil reduza a latência de 10 milissegundos para de 10 a 20 milissegundos.  

Tanto nas apresentações dos keynotes, como na coletiva de imprensa, os executivos da IBM ressaltaram que o novo movimento na direção da nuvem pede cinco atributos principais: múltiplos provedores; nuvem híbrida; que seja aberta para diminuir o lock in de fornecedores; gerenciada e segura. “O mercado de cloud amadureceu nos últimos anos. Tivemos uma primeira fase de mover cargas e migrar aplicações com objetivo de redução de custos e agora vemos demandas mais sofisticadas com os clientes querendo mais plataformas abertas e não ter lock in dos fornecedores; buscam ter plataformas abertas de modo que os clientes possam movimentar suas cargas entre as nuvens”, detalhou Braga. 


Destaques
Destaques

Banco Central afrouxa regras de contratação de serviços na nuvem pelos bancos

A partir de agora, os contratos de serviços na nuvem não precisam mais de autorização prévia, a não ser nos casos em que houver armazenamento de dados fora do Brasil em países sem convênio entre autoridades monetárias. 

Rio de Janeiro terá licitação de nuvem para dados abertos do Governo

Processo está sendo conduzido pelo Ministério Público do Rio de Janeiro e ganhou 'musculatura' com a adesão do governo do Estado, revela o procurador geral da Justiça, José Eduardo Gussem.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

As lições do buraco negro e da análise de dados às empresas

Por Paulo Watanave*

O fato é que por trás das aplicações e sistemas usados nas operações já existe um grande e variado conjunto de insights e algoritmos que podem ser usados para gerar valor real às organizações e para as pessoas de um modo geral. Estima-se que menos de 10% das companhias em todo o mundo tenham estratégias bem definidas para a utilização dos recursos digitais e das informações.

Edge Computing para acelerar os negócios das empresas brasileiras

Por Henrique Cecci*

O que é, afinal, Edge Computing? Trata-se da aplicação de soluções que facilitam o processamento de dados diretamente na fonte de geração de dados. No contexto da Internet das Coisas (IoT), por exemplo, as fontes de geração de dados geralmente são "coisas" com sensores ou dispositivos incorporados.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site