OPINIÃO

A inexistente Política de Informática no Brasil

Por Benito Paret*
15/06/2018 ... Convergência Digital

A sanção da Lei nº 13.674/ com as alterações na Lei de Informática (8.248/91) consolida a inexistência de uma Política de Informática, já que o objetivo visa somente agilizar o processo de fiscalização das contrapartidas em pesquisa e desenvolvimento pelas empresas que fazem uso dos benefícios fiscais definidos no novo texto.

A Lei visou atender as queixas da União Europeia e do Japão apresentadas em meados de 2012, a Organização Mundial do Comércio, e comunicadas formalmente ao Brasil em novembro de 2016, considerando que os incentivos fiscais concedidos aos setores de informática e telecomunicações seriam indevidos.

É um fato que este benefício desde 1991, viabilizou a criação de um parque industrial com mais de 900 empresas, que geram mais de 100 mil empregos diretos e faturamento em torno de 10 bilhões de dólares. Estima-se que essas empresas invistam anualmente 500 milhões de dólares em Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação.

Porém essas mesmas companhias importam a maioria de seus componentes, tornando elevado o déficit da balança de pagamentos, que, atinge a cifras aproximada de US$ 35 bilhões, quadro que só tem se agravado, tornando contraditória a decisão da OMC, visto que, apesar dos incentivos, a indústria favoreceu os países produtores, restando à indústria brasileira apenas o papel de montadora dos equipamentos na sua fase final.

Existiu um consenso durante os debates da Medida Provisória nº 810, de 2017, ora transformada em Lei, sobre a necessidade de o governo alterar a legislação para que a Lei do Hardware passe a ser de fato da Informática, visto que apenas 10% do faturamento em função do incentivo, estão relacionados a softwares e serviços.

É óbvio que o incentivo precisava ser mantido, pela sua importância estratégica, mas também era obrigatório que fosse revisto e atualizado, acompanhando o que de novo acontece no mundo, com o crescimento do software como serviço, conjugando-se  hardware, software e telecomunicações, com a demanda de todas as aplicações nos diversos setores da vida econômica e social do País, o que vem configurando uma presença  muito tímida do setor de tanta importância estratégica para o nosso futuro.

É de lamentar que a falta de sensibilidade de nossas autoridades e legisladores não tenham se apercebido da oportunidade que perdemos, atendendo apenas pressões da OMC, em detrimento da criação de uma verdadeira Lei de Informática. Esperamos que no próximo ano possamos recuperar esta oportunidade, com a mobilização de nossas empresas.

*Benito Paret é Presidente do Sindicato das Empresas de Informática – TI RIO


Carreira
Para geração Z brasileira, tecnologia vai tornar ambiente de trabalho mais justo

Dado curioso sobre as pretensões dos jovens: embora a maioria dos jovens (79%) observe a segurança dos dados pessoais e corporativos como uma alta prioridade, apenas 38% deles afirmam que estão fazendo tudo que podem para proteger suas informações.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

Governo precisa atuar como coordenador na remoção às barreiras inúteis em Telecom

Se não é possível ao governo fazer investimentos, que ele funcione como um coordenador e incentive o diálogo com os órgãos que, hoje, dificultam os investimentos em redes, diz o presidente-executivo da TelComp, João Moura. Novo ciclo do PGMC é a última oportunidade para fomentar a inclusão.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G