GOVERNO » Compras Governamentais

Governo redesenha ComprasNet com inteligência artificial e unificação de bases

Luís Osvaldo Grossmann ... 31/05/2019 ... Convergência Digital

O sistema eletrônico de compras governamentais vai ganhar novas funcionalidades até o fim deste 2019, com o uso de inteligência artificial para auxiliar os pregoeiros na hora das licitações. Mas segundo a secretaria de gestão do Ministério da Economia, esse é apenas um dos próximos passos para o conhecido Comprasnet. A ideia é que em alguns anos ele se consolide como a única ferramenta de pregões online, não só para o governo federal, mas também nos estados e municípios.

“Dentro da plataforma Siasg/Comprasnet estamos implementando uma solução de inteligência artificial que vai funcionar como um assistente virtual ao pregoeiro durante o processo de licitação. Estamos pegando o banco de dados acumulado de décadas de licitações processadas para que, em tempo real, numa nova licitação, algumas informações possam subsidiar a atuação dos pregoeiros. Uma expectativa realista é que no fim deste ano a gente já consiga disponibilizar uma primeira versão para os pregoeiros começarem a desfrutar dessa solução. E no próximo ano ela vai sendo incrementada e robustecida”, revela o secretário de gestão Cristiano Heckert.

Neste momento, a pasta trabalha na organização de diferentes bancos de dados, começando por aqueles do Tribunal de Contas da União e da Controladoria Geral da União, e alimentando a solução de IA de forma que o cruzamento das informações possa servir de subsídio em decisões e negociações nos pregões eletrônicos, com informações de composição societária, identificação de eventuais participações cruzadas e declarações de inidoneidade, até a probabilidade de o fornecedor aceitar reduções de preços.

“Por exemplo, para analisar o perfil dos fornecedores que estão participando daquela licitação. Qual foi o comportamento deles em licitações anteriores, de quantas participaram, quantas ganharam, se entraram com recursos, impugnaram. Uma vez que ganharam, se assinaram o contrato, executaram o objeto, entregaram. Também vê perfis de comportamento que eventualmente indique cartelização nas licitações. Se são os mesmos fornecedores que participam, qual o comportamento, os preços que praticam, qual a probabilidade de dar um desconto”, explica Heckert.

Ele também revela que os planos para o futuro, coisa para talvez quatro anos adiante, envolvem a integração do Comprasnet com outras plataformas de aquisições online, inclusive ferramentas muito conhecidas de quem vende para o governo federal, como o Licitaçoes-e, gerenciado pelo Banco do Brasil mas que serve a diferentes instituições públicas. Na prática, uma consequência de projetos que avançam há alguns anos como a integração das demandas dos órgãos públicos, materializada na central de compras, e o painel de preços, que permite a gestores públicos comparar valores de referencia de editais e o resultado de licitações anteriores.

“A gente quer gradativamente ir ampliando a integração com outras plataformas. Primeiro dentro do governo federal, sistemas da CGU, do TCU onde há registros de inidoneidade de empresas que possam ser cruzados com os registros do Comprasnet. E gradativamente no âmbito da rede nacional de compras públicas a gente ir cruzando informações com outros sistemas que são usados por estados e municípios”, diz o secretário de gestão.

Temos uma equipe de dados mergulhada nesse projeto. Existe um trabalho exaustivo de depuração dos dados para que eles possam ser utilizados em paralelo com a construção da inteligência que vai rodar em cima desses dados. Uma expectativa realista é que no final deste ano a gente já consiga disponibilizar uma primeira versão para os pregoeiros começarem a desfrutar dessa solução. E no próximo ano ela vai sendo incrementada e robustecida.



Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Coronavírus: Senado faz primeira votação a distância da história

Os senadores votaram de suas casas onde cumprem quarentena por causa do Covid-19 e aprovaram a decretação do estado de calamidade pública como forma de combate ao Covid-19.

Telebras projeta receita bruta de R$ 383,64 milhões em 2020

Na lista de venda do governo Bolsonaro, a estatal diz que o montante é uma mera previsão, uma vez que não há garantia de desempenho futuro. Em 2018, a receita líquida da Telebras ficou em R$ 199 milhões – foram R$ 73 milhões em 2017.

Relatora da nova lei das teles assume presidência da CCT no Senado

Daniella Ribeiro (PP-PB), que manteve sem alterações o projeto que se tornou a Lei 13.879/19, foi indicada pelo partido depois que o atual presidente da comissão, Vanderlan Cardoso, migrou para o PSD. "Depois do PLC 79, o que vier está fácil", disse a nova presidente. 5G está na pauta dos debates.

PGR: Há razão legal para STF julgar privatização de Serpro, Dataprev e Telebras

A Procuradoria Geral da República, em parecer dado para a ação do PDT contra a privatização das estatais de TI, admite que a inclusão delas no Plano Nacional de desestatização abre procedente para julgamento na Suprema Corte.

MPF: Governo não precisa de consentimento para cruzamento de dados

Em ação do Instituto Nacional Anísio Teixeira (INEP) contrária a entrega de dados pessoais individualizados de estudantes ao TCU, Ministério Público alega que administração não precisa de autorização dos titulares mesmo no caso de dados sensíveis. 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G