Home - Convergência Digital

Redes privadas no 5G impulsionam o crescimento econômico do País

Luís Osvaldo Grossmann - 11/11/2019

A Qualcomm aproveitou os debates do Workshop 5G no Brasil para reforçar a potencialidade de a regulação abrir espaço no Brasil para a adoção de redes privadas no 5G. Ao apontar para casos na Alemanha, Holanda e Hong Kong, a desenvolvedora de chips sustenta que há ganhos econômicos inerentes a essas redes. 

“Nas quatro verticais indicadas pelo governo, cidades, indústria, saúde e agronegócio, as redes privadas podem ter impacto forte. Por isso a abertura regulatória é muito importante”, defendeu a gerente de relações governamentais da Qualcomm, Milene Pereira. 

“Desde questões de coberturas a demandas muito específicas, ou porque as operadoras locais não se interessam nesse modelo de negócio podem levar uma empresa a avaliar essa implementação. Ou porque querem total controle das operações e que nenhum dado saia do ambiente da fábrica, além do controle para aplicações em constante desenvolvimento”, afirmou. 

“O Brasil, que tem indústria, tem entretenimento, tem várias frentes que podem se beneficiar com redes privadas. Portanto, se pudermos otimizar isso, haverá beneficio para o país. Na proposta do edital, o conselheiro Vicente Aquino chegou a reduzir a faixa de 26 GHz. Entendemos que isso já é uma avaliação de como pode ser contemplado. A agência querer analisar a implementação de redes privadas é importante e através da consulta pública já podemos contribuir nesse sentido também.”

Segundo a gerente da Qualcomm, “se deixar só com as operadoras, elas podem não ter interesse em implementar rede onde a empresa precisa. Fábricas normalmente ficam isoladas. Mas ela quer avançar e precisa da operadora, precisa do 5G naquela área. A ideia de dar licença já para a indústria, para a vertical, é que ela tenha essa liberdade. Se não for interesse da operadora, vai poder implementar da mesma forma. E a operadora pode fazer a parceria, fornecer expertise.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

29/09/2020
NXP fabrica chip alternativo para 5G nos EUA

29/09/2020
Para TIM, migração para banda Ku vai atrasar ainda mais 5G

29/09/2020
TIM: OpenRAN é caminho para Brasil sair do atraso no 5G

29/09/2020
Leilão 5G é prioridade do Ministério da Economia

28/09/2020
Microsoft entra no 5G para brigar com Nokia e Ericsson

25/09/2020
OpenRAN aberta: o xeque-mate do xadrez geopolítico do 5G

24/09/2020
Com 114 redes ativadas, 5G já tem 138 milhões de acessos no mundo

22/09/2020
Economia prefere, mas não garante, leilão 5G não arrecadatório

22/09/2020
Para TIM, 5G não comporta neutralidade de rede

22/09/2020
Anatel: Crise afetou condições e preço do edital do 5G

Destaques
Destaques

Vitor Menezes, Minicom: Vamos brigar por um leilão 5G não arrecadatório

O Ministério das Comunicações sinalizou às operadoras que trabalha para convencer os colegas de Esplanada a concentrar os valores envolvidos no leilão do 5G em compromissos de cobertura, minimizando o preço a ser pago ao Estado, afirmou o secretário de Telecomunicações, Vitor Menezes, ao participar do Painel Telebrasil 2020.

Claro: Sem antenas, São Paulo fica fora do 5G

CEO da Claro, Paulo Cesar Teixeira, criticou a miopia de executivos que ainda insistem em colocar restrições à implantação de antenas, como acontece na cidade de São Paulo. "5G é a grande plataforma para permitir um salto econômico mais vigoroso", advertiu.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Internet 5G traz disrupção para Telecomunicações até no modelo de negócio

Por Eduardo Grizendi*

Na RNP, estabelecemos um objetivo estratégico ambicioso – o de prover uma ciberinfraestrutura, segura, de alto desempenho e disponibilidade e, ao mesmo tempo, ubíqua, onipresente, em qualquer lugar e a qualquer hora, para nossas comunidades de educação, pesquisa e inovação.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site