NEGÓCIOS

Maior parte das fintechs ainda busca escala para atrair investimentos

Por Fernanda Ângela e Rafael Mariano ... 12/06/2019 ... Convergência Digital

Uma pesquisa realizada pelo FintechLab, hub de conexão e fomento do ecossistema brasileiro de fintechs, aponta que 72% das empresas de inovação em finanças encontram-se em fase de atração. Ou seja: o projeto já passou pelas fases iniciais de desenvolvimento, aprendizado e ajustes e, agora, busca escalabilidade. O levantamento ouviu empreendedores participantes da 8ª edição do Radar FintechLab para detectar a avaliação das próprias iniciativas a respeito do desenvolvimento individual de cada uma delas.

Outro dado é que 22% afirmam que, apesar de estarem operando, ainda contam com poucos clientes efetivos. “Para as empresas do setor financeiro, estruturar um canal eficiente e construir uma base consistente de clientes talvez seja um desafio maior do que angariar investimentos”, afirmou Fábio Gonsalez, cofundador do FintechLab. “E justamente por serem empresas inseridas em um setor em que o tíquete médio é relativamente baixo, elas precisam ganhar escala. Somente quando tiverem um produto estabelecido é que conseguirão atrair investimentos maiores”, analisou. 

Justamente por isso – e por tratar-se de um segmento relativamente novo –, 46% dos empreendedores consideram que suas iniciativas estão no estágio de cash burn. A expressão é usada para descrever o estágio no qual uma empresa, embora em pleno funcionamento e com grande potencial de desenvolvimento, ainda gasta mais do que fatura. Outros 32% dos diretores de fintechs disseram que suas respectivas companhias já estão dando resultados financeiros positivos, enquanto 22% informaram que a posição atual é de break even – equilíbrio entre despesas e receitas.

Investimento recebido

As empresas participantes do Radar FintechLab revelaram dificuldades em atrair investimentos para os seus negócios. De acordo com a análise, 56% delas começaram a operar com base em capital próprio dos seus sócios e, mesmo depois de funcionando, 49% nunca tiveram qualquer rodada adicional de investimentos.
Apenas 22% receberam injeção de “capital anjo” no início do projeto e 17% contaram com o suporte de venture capital.

A pesquisa do Radar FintechLab revelou que 46% das empresas não participaram de qualquer programa de aceleração e 82% delas não possuem qualquer tipo de operação fora do Brasil. Em entrevista à CDTV, Gonsalez falou sobre o atual momento vivido pelas fintechs no Brasil. Assista.


Cloud Computing
Serpro vai oferecer Dados como Serviço ao Comando da Aeronáutica

Valor do serviço é de R$ 402 mil e tem validade de um ano e consiste na extração de dados brutos dos sistemas a serem compartilhados entre órgãos e entidades do Governo Federal.

Assespro promove o Censo do setor de TI edição 2019

Entidade conta com a colaboração das empresas do segmento para formular estratégias de desenvolvimento de novos negócios.

Brasil vai investir R$ 37,2 bilhões em TICs em 2020

Incertezas políticas e o baixo crescimento econômico não estão freando os aportes em TICs na América Latina e no Brasil, assegura a consultoria IDC. Maior parte dos aportes será feito em cloud, analytics, mobilidade e empreendimento social.

IBM: "Estamos sempre olhando para ativos no Brasil e no mundo"

"Qualquer aquisição passa pela autorização da matriz. Mas empresas interessantes são sempre analisadas", afirmou o presidente da IBM Brasil, Tonny Martins, ao ser indagado sobre a privatização das estatais de TI, Serpro e Dataprev, anunciada pelo Governo Bolsonaro.

TJ/SP autoriza Banco do Brasil a fechar contas-corrente da Mercado Bitcoin

Tribunal entendeu que não houve abuso de direito, nem indícios de violação à legislação concorrencial ou mesmo de ofensa à boa-fé por parte da instituição financeira com a corretora de criptomoedas.


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G