INTERNET

TSE nega suspensão do WhatsApp e diz que não lhe cabe checar fake news

Luís Osvaldo Grossmann ... 22/10/2018 ... Convergência Digital

O ministro Luiz Luiz Edson Fachin, do Tribunal Superior Eleitoral, negou nesta segunda, 22/10, o pedido liminar do PSOL para que o Whatsapp criasse mecanismo para limitar o disparo de mensagens ou mesmo determinar a suspensão do aplicativo até o fim das eleições, com base nas notícias de que apoiadores do candidato Jair Bolsonaro estariam se valendo de financiamento ilegal para disseminar notícias falsas pelo app.

Sustentou o ministro ao negar o pedido que “na propaganda [eleitoral na internet], a regra é a liberdade de expressão, somente podendo ser restringida em hipóteses excepcionais”, citando explicitamente “quando ocorrer ofensa à honra de terceiro ou divulgação de fatos sabidamente inverídicos”.

Assim, em que pese as denúncias de que há financiamento ilegal à campanha, por meio da disseminação paga de mensagens com ataques ao candidato Fernando Haddad, do PT, em benefício de Bolsonaro, o ministro entendeu não ser o caso de concessão de liminar. “A intenção de divulgar fatos sabidamente inverídicos para prejudicar o pleito eleitoral não pode ser presumida pela Corte Eleitoral”, pontuou.

Mais significativamente, no entanto, é a parte da decisão na qual o ministro indica que o TSE não tem o papel de fiscal de fake news, em posição diametralmente oposto ao que vinha defendendo aquele tribunal desde o final de 2017, quando ainda na gestão de Gilmar Mendes criou um conselho consultivo sobre o combate a notícias falsas.

Já em 2018, sob presidência de Luiz Fux, o TSE criou um grupo de trabalho, com participação inclusive da Polícia Federal, com expressa intenção de atuar no combate às chamadas fake news. Mais do que isso, o próprio então presidente do TSE afirmou que “se houver a comprovação de que uma candidatura se calcou preponderantemente em fake news, essa candidatura pode ser anulada.”

A decisão do ministro Fachin parece entender diferente. Sustenta ele que “é preciso reconhecer que a obrigação da Corte Eleitoral não deve ser a de indicar qual é o conteúdo verdadeiro, nem tutelar, de forma paternalista, a livre escolha do cidadão. Em uma sociedade democrática, são os cidadãos os primeiros responsáveis pela participação honesta e transparente no espaço público. A Justiça Eleitoral não deve, portanto, atrair para si a função de fact-checking, ou ainda realizar um controle excessivo”.


Comissão Européia: Facebook, Google e Twitter fizeram pouco contra Fake News

Redes sociais prometeram em outubro do ano passado adotar medidas contra a divulgação de notícias falsas relativas às eleições do Parlamento Europeu, que acontecem entre 23 e 26 de maio.

Moradora chama prefeito de "mentiroso" pelo Whatsapp e é multada em R$ 5 mil

TJMG aceitou a queixa do prefeito da cidade de Frei Inocêncio e determinou indenização contra moradora que distribuiu áudio no aplicativo chamando-o de “mentiroso”, “trapaceiro” e “cretino”.

Autoridade de Dados, no Executivo, não terá reconhecimento internacional

“Congresso precisa garantir um modelo interoperável com outros países, que sejamos considerados como país adequado na proteção de dados”, adverte a professora de Direito da UnB e do IDP, Laura Schertel Mendes.

Bibliotecas e museus sofrem para digitalizar e oferecer acervos online

Embora o Plano Nacional de Cultura estabeleça que acervos devem estar disponíveis na internet até 2020, só 31% digitalizam parte do acervo e 22% ofertam na rede.

Para o governo, regulamentação da LGPD exige criação imediata da autoridade de dados

Inserir a autoridade na Presidência foi a solução possível."Queremos a autoridade funcionando um ano antes da vigência da lei. Não dá para discutir eternamente”, diz Luiz Felipe Monteiro.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G