INTERNET

Bibliotecas e museus sofrem para digitalizar e oferecer acervos online

Luís Osvaldo Grossmann ... 23/04/2019 ... Convergência Digital

As bibliotecas e museus brasileiros estão longe das metas estabelecidas pelo Plano Nacional de Cultura, que prevê a disponibilização dos acervos pela internet até 2020. Mas como mostra a pesquisa TIC Cultura 2018, divulgada nesta terça, 23/4, pelo Cetic.br, a falta de dinheiro e pessoal são obstáculos que dificultam a tarefa.

Como lembra o estudo, os conteúdos de arquivos que estejam em domínio público ou licenciados devem estar disponibilizados na internet e as informações sobre os acervos de todas as bibliotecas públicas e de 70% dos museus e arquivos deve ser oferecidos para consulta on-line até o ano que vem. Mas no caso das bibliotecas, só 31% delas estão digitalizando alguma parte do acervo. E menos de uma em cada quatro (22%) oferecem online.

A digitalização tem algum sucesso nos arquivos (77%), museus (61%), pontos de cultura (61%) e bens tombados (55%). Mas como aponta a própria pesquisa, é “pequena a proporção de acervo digitalizado em relação ao total do repositório pertencente à instituição: menos da metade dos acervos de documentos oficiais históricos ou registros arquivísticos (48%) e manuscritos ou originais (43%) estavam digitalizados”.

Ainda menor é a proporção de acervos disponíveis online – como mostra a pesquisa, a disponibilização para o público se dá, sobretudo, no próprio local de funcionamento das instituições, e não pela rede. Já a oferta de catálogos do acervo on-line, que poderia dar visibilidade e ampliar o acesso a esses materiais, era realizada por apenas 15% dos museus e 12% das bibliotecas, apresentando maior proporção apenas entre arquivos (38%).

Ou seja, a oferta de conteúdos digitalizados se dá mais frequentemente nos arquivos, entre os quais 35% o faziam por meio de websites próprios, e nos pontos de cultura, com 27% disponibilizando os materiais nas plataformas ou redes sociais em que a instituição estava presente. Entre museus, apenas 10% ofereciam acervo digitalizado em website da instituição e 14% em plataformas ou redes sociais on-line.

A falta de financiamento é a dificuldade mais citada entre todos os tipos de equipamentos analisados na pesquisa, mesmo entre aqueles em que a digitalização estava mais presente, como arquivos (56%), museus (48%) e pontos de cultura (52%). Outro obstáculo mencionado constantemente foi a falta de equipe qualificada, citado como principal dificuldade por 27% dos gestores das bibliotecas e por um em cada quatro dos museus (24%)

“Os resultados apresentados nesta publicação evidenciam o longo caminho ainda a ser percorrido pelos equipamentos culturais brasileiros”, conclui a TIC Cultura. A pesquisa foi realizada entre março e julho de 2018, sendo entrevistados 3.065 responsáveis pelos equipamentos culturais, incluindo arquivos, bens tombados, bibliotecas, cinemas, museus, pontos de cultura e teatros.


Comissão Européia: Facebook, Google e Twitter fizeram pouco contra Fake News

Redes sociais prometeram em outubro do ano passado adotar medidas contra a divulgação de notícias falsas relativas às eleições do Parlamento Europeu, que acontecem entre 23 e 26 de maio.

Moradora chama prefeito de "mentiroso" pelo Whatsapp e é multada em R$ 5 mil

TJMG aceitou a queixa do prefeito da cidade de Frei Inocêncio e determinou indenização contra moradora que distribuiu áudio no aplicativo chamando-o de “mentiroso”, “trapaceiro” e “cretino”.

Autoridade de Dados, no Executivo, não terá reconhecimento internacional

“Congresso precisa garantir um modelo interoperável com outros países, que sejamos considerados como país adequado na proteção de dados”, adverte a professora de Direito da UnB e do IDP, Laura Schertel Mendes.

Bibliotecas e museus sofrem para digitalizar e oferecer acervos online

Embora o Plano Nacional de Cultura estabeleça que acervos devem estar disponíveis na internet até 2020, só 31% digitalizam parte do acervo e 22% ofertam na rede.

Para o governo, regulamentação da LGPD exige criação imediata da autoridade de dados

Inserir a autoridade na Presidência foi a solução possível."Queremos a autoridade funcionando um ano antes da vigência da lei. Não dá para discutir eternamente”, diz Luiz Felipe Monteiro.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G