Home - Convergência Digital

Agile reescreve a carreira do desenvolvedor de software

Convergência Digital - Carreira
Por Fábio Barros - 14/06/2019

Quando surgiu, a metodologia Agile revolucionou o setor de desenvolvimento de software, que abandonou os longos projetos em favor das entregas de resultados em períodos mais curtos. Com o tempo, a prática de quebrar grandes projetos em pequenas e rápidas entregas se espalhou para outras áreas, e isso está impactando tremendamente o mercado de trabalho. Este foi um dos temas debatidos na terça-feira, 11, durante o CIAB Febraban 2019.

O CEO e cofundador da ZUP, Bruno Pierobon, lembrou que um dos impactos mais evidentes disso é a busca pela velocidade. As empresas hoje buscam velocidade de aprendizagem, que lhes permita saber o que fazer ou não antes de seus concorrentes. Por conta disso, o executivo acredita que, em dez ou vinte anos, todas as empresas serão de tecnologia. “É preciso entender isso para competir no futuro”, provocou.

A primeira mudança, segundo o executivo, virá no modelo operacional das empresas, em que os funcionários deixarão de executar funções para pensar e entregar valor. É a organização por fluxo de valor, em que os times serão responsáveis por esta entrega e, para isso, serão necessários profissionais com novas habilidades.

“Isso significa mudança nas carreiras. O profissional precisa entender que o sucesso da carreira depende do sucesso do fluxo de valor”, explicou Pierobon, lembrando que estes profissionais deverão se preocupar não apenas com sua função, mas com toda a entrega. Aqui entram habilidades que já vêm sendo discutidas no mercado: habilidade de cooperação, colaboração, comunicação, capacidade analítica e, claro, algum conhecimento de tecnologia.

Neste ponto, o executivo acredita que o Brasil sai atrás do restante no mundo, já que estas habilidades estão mais presentes nas formações de Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática. “Hoje, apenas 17% dos formandos brasileiros são destas áreas. No ano passado, foram 170 mil, contra seis milhões na China”, comparou, justificando a existência de desemprego no País com tantas vagas especializadas em aberto.

Concorrência

Outro resultado dessa transformação é a concorrência pelos poucos profissionais restantes. Hoje, empresas de todos os setores disputam os bons profissionais que demonstrem estas habilidade. “A concorrência é feroz. Precisamos estar constantemente formando pessoas dentro da empresa e em todos os níveis”, disse Rodolfo Linhares, diretor de Serviços de Modernização de Aplicações em Nuvem da IBM.

Justamente para compensar eventuais perdas – e manter o time atualizado –, Linhares defendeu que os processos de aprendizagem sejam contínuos. Mas só isso não basta. “É preciso também gerar valor constantemente para os clientes. Só assim os profissionais se sentem engajados. Eles veem o propósito e o valor que o seu trabalho gera”, enfatizou.

No caso do Banco do Brasil, esse processo é mais complexo, já que as contratações só se dão por concurso público. O gerente executivo da diretoria de Tecnologia do BB, Marcio Mota Teixeira, lembrou que a instituição vem procurando mudar a postura de seus profissionais. “Não podemos mais ter profissionais que esperam ordens, que não sabem o que fazer”, afirmou.

Para Teixeira, essa nova postura exige propósito, vontade de encarar desafios e vontade de aprender o tempo todo. “Não estamos falando de transformação tecnológica, mas comportamental. Os bancos já entenderam isso e estão procurando se adaptar a esse movimento”, sublinhou.

No Itaú Unibanco, esse processo de transformação de postura já está em curso e começou pela própria instituição. O superintendente de Governança de Arquitetura, Processos e Práticas de TI do Itaú Unibanco, Cecílio Cosac Fraguas, disse que durante um tempo o banco até conseguia contratar os profissionais certos, mas não conseguia retê-los.

“Descobrimos que eles queriam se sentir em casa, queriam poder experimentar, se comunicar”, lembrou. Como resultado, o banco adotou pequenas mudanças que, de acordo com o executivo, fazem toda a diferença para estes profissionais, como eliminar o dress code e permitir acesso à internet e a redes sociais.

“A transformação digital é uma jornada e tem três grandes pilares: é preciso melhorar a infraestrutura de aplicações; é preciso melhorar o ambiente de trabalho, que deve favorecer a comunicação; e é preciso entender como as pessoas se relacionam com esses dois outros pilares”, defendeu.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

02/08/2019
João Vagnes de Moura Silva é o novo presidente da BB Tecnologia

01/08/2019
TecBan promete oferecer pagamento instantâneo até o final do ano

03/07/2019
Bancos tradicionais sentem no bolso o impacto das fintechs e bancos digitais no crédito

02/07/2019
Natura avança para pagamento instantâneo atenta ao Open Banking

28/06/2019
BBTS cria plataforma com monitoramento, biometria, QR Code e reconhecimento facial

28/06/2019
Serviços de voz estão mais vivos do que nunca na jornada digital

28/06/2019
Febraban: o céu é o limite para modelos de negócios com blockchain

28/06/2019
Distributed Ledger: open source e blockchain unem esforços

28/06/2019
Pressão das fintechs impõe aos bancos um novo olhar para nuvem pública

28/06/2019
TI fica ainda mais estratégica na disrupção digital

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A urgência de cultivar talentos para TIC no Brasil e no mundo

Por Breno Santos*

A transformação digital ainda é um desafio para muitas empresas no Brasil e a aplicação estratégica das novas soluções deve acontecer por meio de equipamentos e mão de obra qualificada.

Destaques
Destaques

TICs vão demandar 700 mil novos profissionais na Indústria em cinco anos

Dados são do Mapa do Trabalho Industrial, feito pelo SENAI, que indicam ainda a urgência na qualificação de 10,5 milhões de trabalhadores em ocupações industriais por conta da indústria 4.0. Um dos especialistas em alta é o condutor de processos robotizados, com um incremento de 22% no número de vagas.

Técnicos são os que mais procuram especialização em Big Data

Cursos voltados para desenvolvimento Full Stack e Segurança Cibernética também são bastante demandados. No caso do big data, dos alunos formados nesta área, 45% possuem mais de 10 anos de experiência (sênior); 36% até nove anos (pleno) e 19% até três anos (recém-formados).

Agile reescreve a carreira do desenvolvedor de software

Ao mudar a entrega dos serviços – quebrando a prática dos longos projetos –, a metodologia também exige novos profissionais.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site