Convergência Digital - Home

Apenas um em quatro executivos de TI no Brasil conhece ou planeja adotar computação em memória

Convergência Digital
Ana Paula Lobo - 15/05/2019

Durante apresentação feita no Intel Day, realizado nesta terça-feira, 14/05, em São Paulo, o gerente de Consultoria e Pesquisa da IDC Brasil, Pietro Delai,  afirmou que apenas um em quatro executivos de TI no Brasil conhece ou planeja adotar soluções de In-Memory Computing. Segundo o especialista da IDC, as  empresas que já estão em sérios déficits de capacidade para as necessidades atuais de respostas ágeis e precisas para o cliente terão um um desafio muito maior por estarem distante desse novo momento de tratamento de dados.

Segundo a IDC, o cenário da transformação digital é desafiador, uma vez que o que o serviço pode ser 24 horas por dia a partir de vários canais de  acesso para o cliente. Isso torna necessário, de forma constante, consolidar e analisar uma quantidade esmagadora de informações. E, observa Delai, ainda assim, a  resposta do cliente pode chegar tarde demais se uma pergunta sobre o preço não for respondida no momento da interação. "É um cenário desafiador porque as empresas vão ter de investir em infraestrutura e em pessoal para fidelizar e atender esse consumidor exigente", pontua.

Ainda de acordo com a IDC Brasil, 15,3% das médias e grandes empresas brasileiras consideram a inteligência artificial dentro de suas principais iniciativas de TI, e se espera que este número quadruplique nos próximos quatro anos, uma vez que a inteligência artificial e machine learning participam na personalização da oferta para o cliente. Nesse cenário, sustenta a consultoria, a tecnologia baseada em In-Memory será crucial para evitar a latência como um produto do volume de transações em vários aplicativos corporativos.

Um exemplo claro na transformação digital de negócios, acrescenta ainda a IDC Brasil, a adoção de novas tecnologias que otimizam processos e se tornam novas fontes de dados, como a Internet das Coisas (IoT). Em 2013, IoT gerou 2% dos dados criados pelas empresas; para 2020, espera-se que  o  valor  atinja  10%a  nível  mundial. "As organizações terão de ter a velocidade de processamento para transformar esses dados em informações valiosas, precisas e oportunas", ressalta o diretor da IDC Brasil.

Na prática, o volume médio de dados que empresas se viram obrigadas a gerenciar cresceu 569% em 2018, segundo o Dell EMC Global Data Protection Index, quando comparado a 2016. A estimativa mais otimista dá conta de que as organizações, nos próximos três anos, não terão mais como prever o volume de dados que elas precisarão gerenciar e proteger.

As soluções, neste sentido, precisam - inerentemente - oferecer um novo nível de flexibilidade e escalabilidade, que advém da tecnologia de computação em memória, ou In-Memory Computing. Dados de mercado informam que o mercado de In-Memory computing ficou em US$ 8.99 bilhões no ano passado e deverá chegar a US$ 31.06 bilhões até 2026, em função da explosão dos dados armazenados pelas companhias.




Destaques
Destaques

Computação em nuvem protagoniza investimentos no Brasil

Crescimento anual das ofertas de cloud é estimado em 26% até 2022. Já os aportes em em Inteligência Artificial vão crescer 29% nos próximos quatro anos.

Embratel: Ao definir preferência pela nuvem, governo agiliza jornada digital

Definição nas compras governamentais por cloud first transforma a contratação de serviço, pontua o gerente executivo de vendas de TI da Embratel, Odélio Horta Filho. Compras governamentais e o uso das novas tecnologias como IA, Machine Learning e IoT serão tema de debate no Brasscom TecFórum, em Brasília.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Edge Computing para acelerar os negócios das empresas brasileiras

Por Henrique Cecci*

O que é, afinal, Edge Computing? Trata-se da aplicação de soluções que facilitam o processamento de dados diretamente na fonte de geração de dados. No contexto da Internet das Coisas (IoT), por exemplo, as fontes de geração de dados geralmente são "coisas" com sensores ou dispositivos incorporados.

Intuição versus análise de dados na gestão

Por Douglas Scheibler*

O poder decisório significa alta responsabilidade e inúmeros riscos. Neste cenário caótico, analisar dados é indispensável e é o que justifica uma determinada medida ser considerada como correta, em um cenário específico, em detrimento de outras.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site