Home - Convergência Digital

Crise econômica e alta nos preços travam a venda de smartphones no Brasil

Convergência Digital* - 22/04/2019

Em 2018, a retração voltou a assombrar o mercado mobile após um 2017 de recuperação.Foram 46,9 milhões de celulares vendidos, queda de 6,8% em relação a 2017. Deles, 44,4 milhões foram de smartphones e 2,5 milhões de feature phones, revela estudo da IDC Brasil. Na avaliação de Renato Meireles, analista de mercado em Mobile Phones & Devices da IDC Brasil, o cenário macroeconômico do país freou o consumo em 2018.

“Passamos por três momentos que refletiram negativamente no mercado: a greve dos caminhoneiros, as eleições e a alta flutuação do dólar. O índice de confiança dos investidores diminuiu e, no decorrer do ano, a discussão de temas políticos e socioeconômicos, como a reforma da Previdência e a eleição presidencial, afetaram praticamente todo o setor de tecnologia”, diz Meireles.Para o analista da IDC, a falta de novidades, principalmente em relação ao design, também influenciou a trava no consumo de smartphones.

Quanto à receita, foi de R$ 58,1 bilhões, alta de 6% em relação a 2017. Dos 44,4 milhões de smartphones vendidos em 2018, 39,8% custavam entre R$ 700 e R$ 1.099, baixa de 25,8% em relação a 2017. Os aparelhos entre R$ 1.100 e R$ 1.999 ficaram com 35,6% do mercado, alta de 73,1% em relação ao ano anterior, e os modelos com preços abaixo de R$ 699 ficaram com 14,1% do setor, queda de 41,5%. No ano, o ticket médio dos smartphones sofreu alta de 13,8% e passou de R$ 1.149 em 2017 para R$ 1.307 em 2018.

De todo o mercado mobile, os smartphones representam 94,5% e os feature phones, 5,5%. A categoria com menos representatividade caiu 16,2% em unidades vendidas em 2018 e em receita também, passando de R$ 347,8 mil em 2017 para R$ 332,7 mil em 2018. O ticket médio aumentou 14,1%, custando R$ 129.

Em 2018, o pior trimestre foi o último. De outubro a dezembro foi registrada queda de 14,3% nas vendas, com 10,7 milhões de unidades. O preço médio dos smartphones foi o maior do ano: passou de R$ 1.232 no quarto trimestre de 2017 para R$ 1.480 em 2018. A receita cresceu 3% e registrou R$ 15,9 bilhões. “O trimestre só não foi pior por conta da Black Friday e do Natal, épocas em que o consumidor encontrou promoções interessantes.  Ainda assim, não conseguiram superar os resultados dos mesmos eventos de 2017 e o mercado caiu mais do que em todos os outros trimestres”, explica o analista da IDC.

Para 2019, a expectativa é de queda de 4,3% para os smartphones, com 42,5 milhões de unidades vendidas, e queda de 6,3% para os feature phones, com 2,4 milhões. De acordo com a IDC Brasil, o primeiro e o segundo trimestre de 2019 serão mais fracos por conta do fim da Lei do Bem, que impacta diretamente o preço final do produto. “Sem esse incentivo para as fabricantes, o varejo acaba repassando o aumento ao consumidor e isso fará o mercado retrair. No entanto, haverá discussões sobre a substituição dessa lei para os incentivos voltarem ainda este ano”, comenta o analista.

Já o desempenho do terceiro e quarto trimestre pode ser um pouco melhor. Segundo Meireles, a reforma da Previdência também estará em discussão, o consumidor vai estar mais confiante, o mercado receberá novas marcas e as fabricantes locais devem lançar produtos com especificações mais robustas e design inovador, oferecendo novidades para todas as categorias.

No mercado de smartphones, as duas faixas de preço, de R$ 700 a R$ 1.099 e R$ 1.100 a R$ 1.999, serão as mais competitivas. “Os modelos de entrada ficarão mais caros e migrarão para a categoria entre R$ 700 e R$ 1.100”. Quanto aos feature phones, que ainda têm demanda em regiões mais remotas do País, continuarão contando com ofertas de alguns fabricantes.

Em relação ao 5G, o Brasil ainda não terá novidades em 2019. Para Meireles, o 4G e o Wi-Fi atendem bem a necessidade do consumidor hoje e é preciso avaliar até que ponto ele pagaria mais por um produto com 5G. “Um smartphone como esse no Brasil chegaria na categoria premium e super premium com preços acima de R$ 2.500”, diz o analista da IDC.

Além disso, segundo ele, adaptar a infraestrutura para receber a tecnologia no País é um desafio. “Mesmo com alguns leilões para adoção do 5G previstos para este ano, os investimentos necessários em infraestrutura para levar o sinal a todos são uma realidade ainda distante no Brasil”. Meireles enxerga apenas o mercado B2B avançando com a tecnologia no curto prazo. “Neste caso, o 5G vai otimizar e inovar áreas como a da saúde, indústria automotiva, agronegócio e até mesmo interligada ao segmento de IoT”, completa o analista da IDC Brasil.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

03/03/2020
Smartphones: Huawei abre distância da Apple e se aproxima da Samsung

07/02/2020
Apple é multada por reduzir desempenho de iPhones antigos

14/01/2020
Mercado cinza de celulares dispara 537% no Brasil

05/12/2019
Mercado cinza de smartphones explode e cresce 500% no Brasil

22/10/2019
Chinesa Xiaomi promete lançar 10 celulares 5G em 2020

25/09/2019
Celulares mais simples vendem como nunca no 2º trimestre

28/08/2019
Smartphones receberam seis tentativas de ataques por minuto na América Latina

01/08/2019
Brasileiro elege o smartphone como meio digital para fazer transação bancária

24/07/2019
Metade dos brasileiros não bloqueia aparelho e linha em caso de roubo

17/06/2019
Compra de smartphone mais caro cresce 247% no 1º tri no Brasil

Destaques
Destaques

Covid-19 fez smartphone virar agência bancária com 41% das transações financeiras

As transações bancárias feitas por pessoas físicas pelos canais digitais foram responsáveis por 74% do total de operações analisadas em abril, revela a Febraban.

Oi Móvel terá um 'único' dono e Oi não se exclui do jogo do 5G

O CEO da Oi, Rodrigo Abreu, descartou a possibilidade de vender a Oi Móvel 'fatiada' para atender aos interessados: Vivo/TIM e Claro. "Sem chance. O ativo será vendido todo", disse. Sobre o 5G, diz que dependendo do modelo de venda, a Oi entra pensando em B2B, IoT e até para ser MVNO.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site