Home - Convergência Digital

Redes privadas no 5G impulsionam o crescimento econômico do País

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann - 11/11/2019

A Qualcomm aproveitou os debates do Workshop 5G no Brasil para reforçar a potencialidade de a regulação abrir espaço no Brasil para a adoção de redes privadas no 5G. Ao apontar para casos na Alemanha, Holanda e Hong Kong, a desenvolvedora de chips sustenta que há ganhos econômicos inerentes a essas redes. 

“Nas quatro verticais indicadas pelo governo, cidades, indústria, saúde e agronegócio, as redes privadas podem ter impacto forte. Por isso a abertura regulatória é muito importante”, defendeu a gerente de relações governamentais da Qualcomm, Milene Pereira. 

“Desde questões de coberturas a demandas muito específicas, ou porque as operadoras locais não se interessam nesse modelo de negócio podem levar uma empresa a avaliar essa implementação. Ou porque querem total controle das operações e que nenhum dado saia do ambiente da fábrica, além do controle para aplicações em constante desenvolvimento”, afirmou. 

“O Brasil, que tem indústria, tem entretenimento, tem várias frentes que podem se beneficiar com redes privadas. Portanto, se pudermos otimizar isso, haverá beneficio para o país. Na proposta do edital, o conselheiro Vicente Aquino chegou a reduzir a faixa de 26 GHz. Entendemos que isso já é uma avaliação de como pode ser contemplado. A agência querer analisar a implementação de redes privadas é importante e através da consulta pública já podemos contribuir nesse sentido também.”

Segundo a gerente da Qualcomm, “se deixar só com as operadoras, elas podem não ter interesse em implementar rede onde a empresa precisa. Fábricas normalmente ficam isoladas. Mas ela quer avançar e precisa da operadora, precisa do 5G naquela área. A ideia de dar licença já para a indústria, para a vertical, é que ela tenha essa liberdade. Se não for interesse da operadora, vai poder implementar da mesma forma. E a operadora pode fazer a parceria, fornecer expertise.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

27/02/2020
Corrida pelo 5G ganha impulso e acirra disputa das teles

21/02/2020
Anatel convoca fabricantes, teles e fornecedores para evento sobre 5G

19/02/2020
CCT do Senado cria subcomissão para acompanhar leilão do 5G

19/02/2020
Defesa Cibernética: 5G do Brasil deve resistir a riscos de qualquer empresa ou nação

19/02/2020
Itamaraty: Norma para fatiar fornecedores no 5G é dispensável

19/02/2020
Vivo: Controle de segurança sobre a Huawei é igual a de qualquer fornecedor

19/02/2020
Anatel: Quem escolhe fornecedor 5G são as teles vencedoras do leilão

18/02/2020
Senado chama GSI, Anatel e Huawei para debater disputa entre EUA e China pelo 5G

18/02/2020
Brasil terá 6,2 bilhões de downloads de aplicações móveis até 2023

17/02/2020
Claro, Ericsson e Qualcomm fazem teste de compartilhamento dinâmico de espectro 5G na AL

Destaques
Destaques

Governo do Brasil ainda avalia restringir Huawei na implantação do 5G

MCTIC estuda a publicação de um novo Decreto, ou em forma de Portaria, com normas para cibersegurança específicas para o setor de telecomunicações. A estratégia Nacional de Segurança Cibernética, recém-lançada pelo Governo, tratou - de forma genérica- o tema 5G.

5G exigirá uso de requisitos mínimos de Segurança Cibernética

Tecnologia é apontada como 'uma revolução na comunicação de dados, no potencial de emprego de equipamentos de Internet das Coisas e na prestação de novos e disruptivos serviços".

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site