Nova lei de telecom ajuda Oi em meio bilhão de reais por ano, calcula Fitch

Luís Osvaldo Grossmann ... 19/09/2019 ... Convergência Digital

A aprovação da nova lei de telecomunicações pelo Congresso Nacional deu início a uma nova onda de especulações e apostas sobre o futuro da Oi, a mais recente sobre tratativas para a venda da operação de telefonia celular para Telefônica ou TIM, negadas textualmente pelas duas operadoras. Em outra ponta, a mudança no marco legal do setor também projeta ganhos diretos. Segundo a agência de risco Fitch, o fim da concessão representa um corte de R$ 500 milhões por ano nos custos da supertele.

Divulgado na véspera, o relatório da Fitch associa a sustentabilidade da Oi à geração de receita com os recentes investimentos, centrados na ampliação da rede de fibra óptica, e à geração de caixa com a venda de ativos. Noção realimentada nesta quinta, 19/9, com relato da agência Reuters de que a Oi mantém negociações com Telefónica e Telecom Italia para a venda do negócio de telefonia móvel, onde tem 35 milhões de clientes, 16% do mercado celular do Brasil e dois terços de seus próprios acessos em serviço. O grupo TIM nega qualquer negociação com a Oi. 

Diz a agência de classificação de risco que “o cenário-base para a Oi não inclui fusão ou aquisição por empresas do setor nacionais ou estrangeiras”, mas admite que “a empresa indicou que a venda de sua unidade de telefonia móvel é possível, e a Fitch acredita que o motivo seria estratégico e não financeiro, diante das possibilidades que a empresa possui a curto prazo”.

Do ponto de vista da agência, “a tão aguardada aprovação da nova Lei Geral das Telecomunicações beneficiará a empresa ao dar propriedade privada aos ativos após o fim das concessões, além de eliminar as obsoletas obrigações de instalação de telefones públicos e linhas fixas. Com o fim das restrições a venda de ativos, as concessões de telefonia fixa poderão ser convertidas em investimentos em banda larga”. 

A avaliação é de que “isto beneficiaria principalmente a Oi, tendo em vista sua nova estratégia estar focada em banda larga e suas perdas em telefonia fixa. A lei também permitirá que a Oi venda alguns imóveis, reinvestindo o montante no desenvolvimento de fibra ótica. Embora a lei tenha sido aprovada, a Fitch acredita que sua implementação possa levar de 12 a 18 meses. De forma geral, a Fitch estima que a nova lei possibilite uma economia de custos de, pelo menos, R$ 500 milhões por ano para a Oi”.

Conclui a Fitch que “a curto prazo, a trajetória de rating da Oi depende de sua capacidade de captar recursos ou monetizar ativos. A médio prazo, a sobrevivência da empresa depende de sua capacidade de obter retorno dos elevados investimentos em redes antes de voltar a pagar juros e principal da dívida reestruturada”. E acredita que “embora uma mudança na composição da administração pareça provável, diante da pressão dos acionistas e da criação de uma posição de COO (diretor de operações), resta ver o impacto que isso terá sobre a execução da estratégia da empresa ou sobre sua tomada de decisões táticas”.

* Alterada para incluir negativa da TIM sobre negociações de compra com Oi


Internet Móvel 3G 4G
Huawei dá o troco e Qualcomm alerta para o risco dos EUA perder muito dinheiro

Em documentos ao governo dos EUA, a fabricante adverte que o bloqueio não vai impedir acesso da fabricante à tecnologia de ponta, mas sim prejudicar os fornecedores americanos, inclusive, no 5G. Huawei já avisou que Mate 40 será último com chip Kirin.

Anatel recria 10 colegiados após extinção por Decreto presidencial

Uso do Espectro, Defesa dos Usuários, Prestadoras de Pequeno Porte, Aferição da Qualidade, Ofertas de Atacado, Acompanhamento de Redes são alguns dos grupos reestabelecidos pela agência. 

Reclamações contra oferta de banda larga crescem 40% com a quarentena da Covid-19

Queixas na Anatel cresceram especialmente a partir de março. No conjunto dos serviços, agência recebeu 1,52 milhão de reclamações entre janeiro e junho. Também houve um aumento de 20% com relação à telefonia móvel.

Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

“Tem que fazer um PGMU mais leve para que a gente possa respirar”, defende a diretora regulatória, Adriana Costa. Anatel esclarece que concessão não é sinônimo de lucro garantido. 

Huawei defende reserva de 500 MHz da faixa de 6GHz para as teles

Para o diretor da Huawei Brasil, Carlos Lauria, a reserva técnica é a melhor garantia para aguardar a evolução da tecnologia. "Se der tudo agora, não tem como voltar atrás depois", observa o executivo.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G