NEGÓCIOS

Google Brasil endossa que Huawei não respeita política de privacidade

Roberta Prescott e Luís Osvaldo Grossmann ... 06/06/2019 ... Convergência Digital

A Google parece ir além de “respeitar e seguir” a ordem do governo americano de banir Huawei. Segundo sustentou  o presidente da Google no Brasil, Fábio Coelho, ao ser questionado sobre a adesão da empresa à decisão de Donald Trump, a fabricante chinesa foi punida por violar privacidade. 

“Logicamente, quando você entende que um fornecedor de infraestrutura, de rede ou de aparelho não respeita a política de privacidade, isso tem que ser atacado”, disparou Coelho, ao responder questionamento sobre o tema durante a terceira edição do evento anual Google for Brasil, realizado em São Paulo, nesta quinta-feira 6/6. 

“Mas a questão é como fazer essa transição, porque se atacar e remover imediatamente qualquer dispositivo da rede, qualquer aplicativo deles, estamos punindo o usuário daquele tipo de device. Talvez por isso a posição do Google tenha evoluído, num primeiro momento uma suspensão, para os 90 dias de prazo para que possa fazer essa transição”, completou o executivo. 

O diretor de comunicações e relações institucionais da empresa no Brasil, Rafael Corrêa, procurou justificar a adesão ao bloqueio à transferência de tecnologias para a Huawei por se tratar de um caminho natural de uma empresa sediada nos Estados Unidos. 

“A Huawei sempre foi um grande parceiro do Google, é um dos maiores fabricantes de celulares do mundo, e essa é uma posição unilateral do governo americano. E o Google sendo uma empresa americana respeita e segue. Então, colocou a Huawei numa lista negra e o Google entendeu que não poderia ceder algumas tecnologias para a Huawei”, afirmou. 

Segundo ele, durante os 90 dias da licença temporária os aparelhos seguem funcionando. “Os celulares continuam funcionando normalmente, têm acesso ao Google Play, e a licença de 90 dias que o governo americano colocou é justamente para estudar como isso vai continuar evoluindo, porque eles sabem que tem a questão dos usuários. Essa é uma questão que precisa ser revista e que não depende só do Google”, concluiu

A Google Brasil encaminhou uma nota oficial ao portal Convergência Digital sobre o assunto:

"A respeito da decisão do governo dos Estados Unidos em relação à Huawei, o Google esclarece que, assim como as outras empresas norte-americanas, estsá em contato com o Departamento de Comércio dos EUA para garantir que estamos respeitando a decisão e a licença temporária que nos permite continuar a fornecer atualizações de software e de segurança para smartphones fabricados pela Huawei pelos próximos 90 dias. Nosso foco continua a ser proteger a segurança dos usuários do Google em milhões de dispositivos Huawei nos EUA e ao redor do mundo".


Cloud Computing
Perda dos dados é o medo real dos gestores de segurança com a nuvem pública

Acessos não autorizados, interfaces inseguras, más configurações e hijacking de contas são as principais vulnerabilidades apontadas pelas companhias para não colocarem suas infraestruturas na nuvem pública, revela estudo global da Check Point.

Por mercado de BPO, Lumen IT compra Superabiz

Valor da transação não foi revelado pelas partes. Expectativa da fusão é simplificar o acesso às soluções de compliance fiscal, jurídico e para o SPED.

#RioéTech abre programação do Rio Info 2019

Evento, que chega em 2019 a sua décima sétima edição, já gerou R$ 250 milhões em negócios. Pré-eventos serão realizados em diversas cidades do Estado do Rio de Janeiro para aproximar empresas e Academia.

TI fica ainda mais estratégica na disrupção digital

“Onde existir um elo mais fraco pode haver uma disrupção grande e entrar uma fintech, uma startup”, lembra o vice-presidente de serviços financeiros da BRQ, José Antonio Afonso Pires.

Unisys: open banking só existirá com a LGPD implementada no Brasil

"Os dois são interligados porque a premissa maior é a segurança da informação", observa o vice-presidente e líder da Vertical de Serviços Financeiros para América Latina, Luís Rego. Decisão do Banco Central de postergar a consulta pública sobre o tema tem pontos positivos e negativos.


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G