NEGÓCIOS

Inteligência Artificial é o novo capítulo da guerra EUA x China

Convergência Digital* ... 08/10/2019 ... Convergência Digital

O governo dos Estados Unidos ampliou a lista de sanções comerciais para incluir algumas das maiores startups de inteligência artificial da China, como forma de punição ao governo chinês por seu tratamento a minorias muçulmanas. Medida eleva as tensões antes de conversas comerciais de alto nível, agendadas para acontecer esta semana em Washington. O embate EUA e China já dura 15 meses e, ao que parece, não há data para acabar.

A decisão norte-americana, que provocou uma repreensão dura de Pequim, visa 20 agências de segurança pública chinesas e oito empresas, incluindo a companhia de vigilância com vídeo Hikvision e as líderes da tecnologia de reconhecimento facial SenseTime Group e Megvii Technology. A ação impede as empresas de comprarem componentes de companhias norte-americanas —algo potencialmente debilitante para algumas delas— e segue o mesmo esquema usado pelos EUA em sua tentativa de limitar a influência da Huawei Technologies devido ao que diz serem motivos de segurança nacional.

"As entidades foram implicadas em violações de direitos humanos e abusos na implantação da campanha de repressão, nas detenções em massa arbitrárias e na vigilância de alta tecnologia da China contra uigures, cazaques e outros membros de grupos muçulmanos minoritários”, reportou documento publicado pelo Departamento de Comércio. “O governo dos EUA e o Departamento de Comércio não podem e não irão tolerar a supressão brutal das minorias étnicas dentro da China”, acrescentou o secretário de Comércio, Wilbur Ross.

A reação da China foi imediata. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Geng Shuang, afirmou que os EUA deveriam parar de interferir nos assuntos da China. Reportou ainda que o País continuará a adotar medidas firmes e resolutas para proteger sua segurança soberana. Entre as empresas atingidas pela política de restrição está a Hikvision, com valor de mercado projetado em US$ 42 bilhões e que se classifica como a maior fabricante mundial de equipamento de vigilância com vídeo.

A SenseTime, avaliada em cerca de 4,5 bilhões de dólares, é um dos unicórnios de inteligência artificial mais valiosos do planeta, e a Megvii, que tem apoio da gigante de comércio virtual Alibaba, está avaliada em cerca de 4 bilhões de dólares e se prepara para lançar ações na bolsa para arrecadar ao menos 500 milhões de dólares em Hong Kong.

*Fonte: Agências de Notícias


Cloud Computing
DNIT assume dívida de R$ 21,3 milhões com o Serpro por serviços de TIC

Entre os serviços no rol das pendências está a oferta de dados como serviço (Quarzo), conforme revela o reconhecimento da dívida feita pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes no Diário Oficial da União.

ARTIGO . Por Melissa Torgbi

Cientista de dados: seja curioso, se envolva e tenha muita disposição para resolver problemas

Há muita empolgação acerca do termo “ciência de dados” atualmente. Para nós que queremos ser cientistas de dados, há alguns requisitos. Um deles: ter muita, mas muita vontade de aprender o tempo todo.

Unicórnio brasileiro avança operações de pagamento para décimo país

Ebanx anunciou que também vai processar pagamentos no Uruguai. "Unicórnio" com mais de US$ 1 bi, empresa está também no México, Colômbia, Argentina, Chile, Peru, Bolívia, Equador e Uruguai, além do Brasil.

Finplace amplia em mais de 200% a oferta de crédito para PMEs

Criada no final do ano passado, a plataforma já movimentou mais de R$ 50 milhões e contabiliza 108 financiadores e uma carteira com mais de 500 clientes.

Se a bitcoin fracassar, o blockchain morre abraçado

FastBlock, empresa brasileira especializada em mineração por serviço, compra data center nos EUA para acelerar a mineração das criptomoedas. Ao Convergência Digital, o CEO Bernardo Schucman, adverte: Brasil não abre espaço à inovação. Sobre a credibilidade da bitcoin, o executivo diz que o estigma é concorrencial. "O velho mundo rejeita o novo. Golpes existem desde sempre. O que é a gangue do boleto?".

No Brasil, 65% das empresas estão bem longe das regras da LGPD

Índice LGPD ABES mostra ainda que 40% das companhias brasileiras sofreram incidentes de violação nos últimos dois anos e 80% assumem que fazem, sim, coleta de dados sigilosos. "Não há mais tempo a perder", adverte o consultor da EY, Marcos Sêmola.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G