Home - Convergência Digital

Google é a primeira a aderir à guerra comercial dos EUA contra Huawei

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital - 20/05/2019

A Google suspendeu negócios com a Huawei que exigem transferência de equipamentos, programas e serviços técnicos, exceto aqueles disponíveis ao público através de licenças de código aberto, informou a agência Reuters ainda no domingo, em novo revés contra a empresa de tecnologia chinesa que foi colocada em uma lista de empresas bloqueadas pelo governo norte-americano de Donald Trump.

O movimento já ecoou em outras empresas de tecnologia dos EUA e nesta segunda, 20/5, empresas como Qualcomm, Intel, Xilinx e Broadcom já soltaram comunicados internos com o mesmo teor, segundo relata a agência Bloomberg. E o efeito já se alastrou para fora dos EUA. Também nesta segunda, a empresa de semicondutores alemã Infineon seguiu o mesmo caminho das americanas. E a francesa STMicro avalia se juntar ao grupo.  

“Estamos cumprindo a ordem e analisando as implicações”, afirmou o porta-voz da Google. “Para os usuários do nossos serviços, o Google Play e as proteções de segurança do Google Play Protect continuarão a funcionar nos aparelhos Huawei existentes”, completou.

A suspensão pode prejudicar o negócio de smartphones da Huawei fora da China, já que a gigante chinesa perderá imediatamente acesso a atualizações do sistema operacional Android, do Google. Versões futuras dos smartphones da Huawei que funcionam com Android também perderão acesso a serviços populares como os aplicativos Google Play Store, Gmail e YouTube.

“A Huawei só poderá usar a versão pública do Android e não conseguirá ter acesso a aplicativos e serviços patenteados do Google”, relatou fonte à Reuters. Na quinta, 16/5, o governo Trump incluiu a Huawei Technologies em uma lista de bloqueio comercial, adotando de imediato restrições que dificultam a empresa em fazer negócios com empresas norte-americanas.

Na sexta, o Departamento de Comércio dos EUA disse que cogita diminuir as restrições à Huawei para “evitar a interrupção de operações e equipamentos de rede existentes”. O impacto da inclusão da Huawei na lista do governo dos EUA ainda é desconhecido, já que sua cadeia de suprimento global ainda o está analisando. Especialistas em chips questionam a capacidade da Huawei de continuar operando sem componentes dos EUA.

Em  comunicado oficial, a Huawei sustenta que tem feito contribuições substanciais para o desenvolvimento global do Android. Garante ainda que vai manter todos os serviços funcionando. Leiam a íntegra da posição da fabricante chinesa:

"A Huawei tem feito contribuições substanciais para o desenvolvimento e crescimento do Android em todo o mundo. Como um dos principais parceiros globais do Android, trabalhamos de perto com a plataforma de código aberto para desenvolver um ecossistema que tem beneficiado tanto usuários quanto o setor. A Huawei continuará a fornecer atualizações de segurança e serviços de pós-venda para todos os produtos Huawei, cobrindo todos aqueles que já foram vendidos ou ainda estão em estoque. Continuaremos empenhados em construir um ecossistema de software seguro e sustentável, a fim de fornecer a melhor experiência para todos os nossos usuários globalmente."

 



Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

20/02/2020
Consumo alto de energia desafia o futuro dos data centers

19/02/2020
Anatel: Quem escolhe fornecedor 5G são as teles vencedoras do leilão

14/02/2020
Huawei desafia governo dos EUA a provar o uso de backdoors

12/02/2020
Huawei diz que está pronta para continuar parceria com as teles no 5G

29/01/2020
Europa abre espaço para Huawei como fornecedora no 5G

28/01/2020
Reino Unido limita, mas permite Huawei no 5G

07/01/2020
Brasileiros têm até 31 de janeiro para se inscreverem em competição mundial de talentos em TIC

17/12/2019
Telefónica avisa que vai cortar drasticamente Huawei do 5G

09/12/2019
TRT-PR nega ataque hacker e responsabiliza software de storage da Huawei

09/12/2019
Huawei avança uso do Harmony, o seu sistema operacional

Destaques
Destaques

Governo do Brasil ainda avalia restringir Huawei na implantação do 5G

MCTIC estuda a publicação de um novo Decreto, ou em forma de Portaria, com normas para cibersegurança específicas para o setor de telecomunicações. A estratégia Nacional de Segurança Cibernética, recém-lançada pelo Governo, tratou - de forma genérica- o tema 5G.

5G exigirá uso de requisitos mínimos de Segurança Cibernética

Tecnologia é apontada como 'uma revolução na comunicação de dados, no potencial de emprego de equipamentos de Internet das Coisas e na prestação de novos e disruptivos serviços".

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site