Home - Convergência Digital

Google é a primeira a aderir à guerra comercial dos EUA contra Huawei

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital - 20/05/2019

A Google suspendeu negócios com a Huawei que exigem transferência de equipamentos, programas e serviços técnicos, exceto aqueles disponíveis ao público através de licenças de código aberto, informou a agência Reuters ainda no domingo, em novo revés contra a empresa de tecnologia chinesa que foi colocada em uma lista de empresas bloqueadas pelo governo norte-americano de Donald Trump.

O movimento já ecoou em outras empresas de tecnologia dos EUA e nesta segunda, 20/5, empresas como Qualcomm, Intel, Xilinx e Broadcom já soltaram comunicados internos com o mesmo teor, segundo relata a agência Bloomberg. E o efeito já se alastrou para fora dos EUA. Também nesta segunda, a empresa de semicondutores alemã Infineon seguiu o mesmo caminho das americanas. E a francesa STMicro avalia se juntar ao grupo.  

“Estamos cumprindo a ordem e analisando as implicações”, afirmou o porta-voz da Google. “Para os usuários do nossos serviços, o Google Play e as proteções de segurança do Google Play Protect continuarão a funcionar nos aparelhos Huawei existentes”, completou.

A suspensão pode prejudicar o negócio de smartphones da Huawei fora da China, já que a gigante chinesa perderá imediatamente acesso a atualizações do sistema operacional Android, do Google. Versões futuras dos smartphones da Huawei que funcionam com Android também perderão acesso a serviços populares como os aplicativos Google Play Store, Gmail e YouTube.

“A Huawei só poderá usar a versão pública do Android e não conseguirá ter acesso a aplicativos e serviços patenteados do Google”, relatou fonte à Reuters. Na quinta, 16/5, o governo Trump incluiu a Huawei Technologies em uma lista de bloqueio comercial, adotando de imediato restrições que dificultam a empresa em fazer negócios com empresas norte-americanas.

Na sexta, o Departamento de Comércio dos EUA disse que cogita diminuir as restrições à Huawei para “evitar a interrupção de operações e equipamentos de rede existentes”. O impacto da inclusão da Huawei na lista do governo dos EUA ainda é desconhecido, já que sua cadeia de suprimento global ainda o está analisando. Especialistas em chips questionam a capacidade da Huawei de continuar operando sem componentes dos EUA.

Em  comunicado oficial, a Huawei sustenta que tem feito contribuições substanciais para o desenvolvimento global do Android. Garante ainda que vai manter todos os serviços funcionando. Leiam a íntegra da posição da fabricante chinesa:

"A Huawei tem feito contribuições substanciais para o desenvolvimento e crescimento do Android em todo o mundo. Como um dos principais parceiros globais do Android, trabalhamos de perto com a plataforma de código aberto para desenvolver um ecossistema que tem beneficiado tanto usuários quanto o setor. A Huawei continuará a fornecer atualizações de segurança e serviços de pós-venda para todos os produtos Huawei, cobrindo todos aqueles que já foram vendidos ou ainda estão em estoque. Continuaremos empenhados em construir um ecossistema de software seguro e sustentável, a fim de fornecer a melhor experiência para todos os nossos usuários globalmente."

 



Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

22/07/2019
Governo dos EUA convoca reunião com empresas para discutir boicote à Huawei

03/07/2019
Embargo dos EUA à Huawei pesa no bolso e reduz o lucro da Samsung

01/07/2019
Trump cede à pressão interna e autoriza venda de produtos à Huawei

26/06/2019
Governo de Brasília retoma Parque Tecnológico com laboratório de 5G e incubadora

24/06/2019
Huawei: "Vamos manter os altos investimentos em 5G"

17/06/2019
Nuvem é motor do crescimento futuro da Huawei

07/06/2019
Brasil não vai barrar Huawei, diz vice-presidente Hamilton Mourão

06/06/2019
Google Brasil endossa que Huawei não respeita política de privacidade

06/06/2019
Bloqueada nos EUA, Huawei anuncia acordo com a Rússia para 5G

06/06/2019
Ao Procon, Google diz que Huawei só atualiza Android até 19 de agosto. Fabricante assegura serviços

Destaques
Destaques

Varejo x bancos: carteira digital vira superaplicativo

Superados os obstáculos iniciais, mercado não financeiro acelera estratégia para ficar com preferência dos consumidores.

Para injetar R$ 200 bilhões na economia, IoT tem de ficar livre das amarras tributárias

Relator da proposta de tributo zero para Internet das Coisas, deputado Eduardo Cury, do PSDB/SP, disse que o setor precisa municiar o Parlamento com dados para convencer à Casa a conceder a desoneração.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

O potencial pouco explorado da Internet das Coisas

Por Daniel Kriger*

A grande mudança que a Internet das Coisas (IoT – Internet of Things) trará para a vida das pessoas está além da facilidade de se preparar um café, programar um banho quente ou economizar na conta de luz. Dar conectividade a objetos e abrir espaço para comandos inteligentes em inúmeras tarefas do dia a dia é um dos principais propósitos de IoT. Mas não é só isso.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site