OPINIÃO

Cabos submarinos invertem o fluxo com a geração de conteúdo brasileiro

Por Célio Mello*
08/08/2018 ... Convergência Digital

Aqueles que pensam que os cabos submarinos são novidade no mercado de telecomunicações brasileiro se enganam. O primeiro cabo submarino no Brasil é datado de 1874, em uma linha que interligava Rio de Janeiro, Salvador, Recife e Belém. A primeira conectividade internacional foi realizada um ano depois, com Portugal, e foi concluída em um contrato com a empresa British Eastern Telegraph Company.

Muito tempo se passou e a conectividade por cabos do Brasil com o resto do mundo hoje conta com uma amplitude muito maior e objetivos distintos, dependendo das respectivas localidades. Até 2019, serão 16 cabos submarinos que interligam nosso país com Estados Unidos, Europa e o restante do planeta, financiados por grandes empresas como Netflix, Amazon, Facebook e até o Google, que ativou seu primeiro cabo submarino no início de junho e prepara outros dois para um futuro próximo.

De acordo com a consultoria Telegeography, existem mais de 448 cabos submarinos em todo o mundo, que somam mais de 1,2 milhão de quilômetros. No Brasil, são sete em funcionamento e nove em construção. Dados publicados pelo jornal NEXO apontam que os cabos submarinos são responsáveis por 99% das comunicações transoceânicas no mundo. Instalados no fundo do mar, carregam fibras ópticas que trafegam dados com nossas vozes, imagens e mensagens com capacidade de tráfego de dados até 1.000 vezes maior que os satélites, atingindo alguns Terabits de informação por segundo.

A presença destas grandes empresas internacionais em solo brasileiro é benéfica para ambas as partes. Com o avanço da tecnologia e qualidade, os usuários contam com uma experiência aprimorada, acessando conteúdos desenvolvidos nos Estados Unidos e Europa de forma rápida e com altíssima qualidade. Pensando por outro ângulo, apesar de estarmos acostumados com a situação anterior, também podemos exercer o papel oposto, de gerador e provedor de conteúdo, exportando formatos, narrativas e entretenimento para outros continentes.

Isto não é imaginação, já se tornou uma realidade com o fluxo de cabos submarinos do Brasil para a África. Instalado em fevereiro em Fortaleza (CE), o primeiro cabo submarino que atravessa o Atlântico Sul terá como destino Angola, oferecendo internet de altíssima velocidade. O objetivo é simples: estruturação de possíveis negócios entre sul-americanos, africanos e também asiáticos.

O cabo South Atlantic Cable System (SACS) tem mais de 6 mil quilômetros e cria uma rota alternativa de comunicação mundial. Esta é uma tendência global que deve se concretizar nos próximos anos, atendendo a necessidade de países em desenvolvimento de garantir sua própria conectividade internacional, criando rotas independentes dos países desenvolvidos.

*Célio Mello é Gerente de Produtos e Projetos Estratégicos da Eletronet


Carreira
Empresa do setor imobiliário abre 100 vagas para Tecnologia em São Paulo

Entre os profissionais buscados estão cientistas de dados, engenheiros de dados, engenheiro de software, engenheiro para Android e iOS, entre outros. O processo seletivo é baseado em triagem de currículo, entrevistas com a área de Gente e Gestão, pares e líderes.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G