Home - Convergência Digital

Claro vai fornecer WiFi nativo em todos os carros da GM na América Latina

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann* - 13/09/2019

Depois de anunciar o sistema de WiFi nativo para o sedã médio Cruze, a GM apresentou nesta sexta-feira, 13/9, em Porto Alegre, a conectividade 4G em seu carro de entrada, o Onix, e avisou que o acordo firmado com a operadora Claro passa a valer para todos os automóveis novos que saírem de fábrica no Brasil e demais países da América Latina. Esses dois primeiros modelos começam a ser vendidos neste mês de setembro. 

Segundo a Claro, o acordo com a montadora favorece a qualidade do sinal porque os carros têm antenas específicas para essa conexão. Além disso, o sistema se vale da combinação de uso das faixas de 700 MHz, 1,8 GHz e 2,5 GHz para melhor performance, a exemplo do que o mercado apelidou de ‘4,5G’. Na experiência em Porto Alegre, foi possível atingir mais de 50 Mbps de download. 

“A conectividade nativa, comparada com o que se tem no mercado hoje, traz um diferencial muito grande que é a instalação de antenas externas que garantem uma experiência melhor. Com isso garante um 4G muito mais estável, maior velocidade e a captação do sinal mais longe das estações radiobase”, afirma o diretor de IoT da Claro, Eduardo Polidoro. O sistema se vale de chips eSIM pré-instalados nos automóveis. 

Com o lançamento, quem comprar um Cruze (a partir de R$ 96 mil) ou um Onix (a partir de R$ 54 mil), terá três meses, ou 3GB, de degustação do WiFi. Depois disso, será preciso contratar um plano junto à Claro, de 2, 5, 10 ou 20 GB de franquia mensal de dados. Por enquanto, apenas o plano de 2 GB tem preço definido, R$ 29,90. Os demais ainda estão sendo negociados entre as empresas.

A contratação é independente da montadora e 100% da receita pela conectividade fica com a Claro. E embora não seja preciso já ser cliente da operadora, as duas empresas também estão em tratativas para a oferta planos especiais. A ideia é que para os clientes haja oferta de conteúdo do Now, Claro Vídeo e aplicativos como Netflix sem o consumo da franquia de dados. 

Segundo as empresas, os carros com esse sitema de WiFi nativo também fazem as vezes de ‘hotspot’, uma vez que o sinal tem alcance superior a 15 metros. E a indicação é de que será possível conectar até sete dispositivos simultaneamente.  Assista  a entrevista feita com o diretor de IoT da Claro, Eduardo Polidoro.

* O repórter viajou à Porto Alegre a convite da Claro

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

08/11/2019
Anatel vai licitar posições de satélite, mas muda termos para atender Claro e Hispamar

06/11/2019
5G não vai funcionar num estalar de dedos

05/11/2019
Ericsson: Brasil vai pagar caro se adiar o leilão do 5G

04/11/2019
Ericsson: "Temos que colocar nossas melhores cabeças para ganhar o mundo com o 5G"

01/11/2019
Cade aceita recurso da TIM e vai aprofundar análise Claro/Nextel

01/11/2019
IBM quer habilitar novos serviços com o 5G

31/10/2019
Embratel: desoneração do Fistel impulsionará as redes IoT no Brasil

31/10/2019
NEC: padronização é crítica para se ter um 5G efetivo

31/10/2019
Ericsson: para as indústrias, 5G será ativo como água e energia

23/10/2019
TIM recorre ao Cade contra Claro/Nextel e quer espectro como remédio antitruste

Destaques
Destaques

5G exige políticas públicas e apoio do Governo

Como ressalta o diretor de relações governamentais da Huawei, Carlos Lauria, investimentos pesados em infraestrutura de redes envolvem políticas públicas em qualquer país. 

5G já trouxe aumento de receitas para as operadoras

“Na Coreia, são 3,5 milhões de clientes em seis meses, 1 milhão com serviços de valor adicionado. Em apenas um trimestre as operadoras aumentaram as receitas em 2%”, afirma o diretor de soluções da Huawei, Carlos Roseiro. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site