Convergência Digital - Home

Escolha o fornecedor certo. Parece simples, mas não é

Convergência Digital
Convergência Digital* - 10/12/2018

Um estudo feito pelo Gartner mostra que até 2020, empresas que não utilizam computação em nuvem serão tão raras quanto as que hoje não utilizam internet. Isso porque a maioria das inovações tecnológicas é centrada em cloud. Segundo o artigo ‘The ROI of Cloud ERP for SMBs’, o mercado de software empresariais (ERP) em nuvem representa apenas 2 a 7% do total deste mercado. No entanto, a previsão é que que esse percentual dobre a cada cinco anos.

Os analistas do Gartner preveem também que até 2020, mais poder computacional terá sido vendido por provedores IaaS (Infrastructure as a Service) e PaaS (Platform as a Service) em nuvem do que tecnologias vendidas e implementadas em data centers corporativos. Trata-se de uma transformação representativa, uma vez que o mercado de IaaS apresenta crescimento de 40% por ano desde 2011 e a previsão é de que continue crescendo mais de 25% por ano até 2019.

Uma das ações é encontrar o fornecedor certo. E essa tarefa não é simples. Isso porque o fornecedor com grande experiência e algum sucesso provendo soluções para negócios similares aos seus – requer mais uma série de perguntas. Indague quando as suas estatísticas de confiabilidade e disponibilidade? Quantos clientes eles possuem? Quantos desses clientes são de grande, médio e pequeno portes? Algum desses clientes tem porte similar ou atua na mesma vertical da sua empresa?

“Há uma grande variedade de provedores de cloud focados em áreas distintas”, resume John Dinsdale, analista do Synergy Research Group o especialista, aconselhando optar por aquele que consegue lidar com situações de acordo com o que sua empresa vivencia. Também é preciso avaliar as reais necessidades da sua empresa. Parece simples, mas não é. Algumas perguntas simples precisam ser respondidas antes mesmo de começar. Por exemplo: para quê você precisa da nuvem? Algumas companhias simplesmente consideram o conceito como, por exemplo, um vetor de economia, redução de esforço, terceirizar a gestão de parque de máquinas ou sistemas, etc.

Outra coisa a considerar é quanto a nuvem libera das atividades pesadas do departamento de TI. Gastar menos tempo com trabalhos operacionais pode liberar espaço na agenda dos profissionais de tecnologia para que sejam mais inovadores e contribuam com o negócio da organização. Mais uma dúvida: para sua empresa é melhor construir a própria estrutura ou alugar um serviço de terceiros? Isso seria dentro do seu data center ou com máquinas alocadas em provedor? Se partir para uma estrutura própria, tem especialistas para executar as tarefas necessárias?

De maneira geral, quanto menor o número de funcionários dedicados à TI, mais ajuda de fora a companhia precisará. “Diria que o melhor lugar para começar é com uma nuvem privada hospedada na infraestrutura de um provedor de serviços. Quando pegar confiança, expande”, aconselha Jeff Kagan, analista independente.

Fonte: Computerworld/EUA


Destaques
Destaques

Brasil fica nas últimas posições em ranking mundial de uso de Big Data e Analytics

Brasil fica na posição 60º em 63º no uso das novas tecnologias da economia digital do Ranking de Competitividade Mundial 2019, produzido pela escola suiça IMD, com parceria no País, com a Fundação Dom Cabral. Em competitividade, País segue nas últimas posições.

Startup catarinense usa big data para combater desperdício de água potável

Startup catarinense, AcquaLogic, desenvolveu solução para tratar os dados de empresas de saneamento para evitar o desperdício. Em 2016, o Brasil jogou no lixo 38% da água consumível, segundo dados do Instituto Trata Água. Startup, agora, quer unir big data à Internet das Coisas.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

As lições do buraco negro e da análise de dados às empresas

Por Paulo Watanave*

O fato é que por trás das aplicações e sistemas usados nas operações já existe um grande e variado conjunto de insights e algoritmos que podem ser usados para gerar valor real às organizações e para as pessoas de um modo geral. Estima-se que menos de 10% das companhias em todo o mundo tenham estratégias bem definidas para a utilização dos recursos digitais e das informações.

Edge Computing para acelerar os negócios das empresas brasileiras

Por Henrique Cecci*

O que é, afinal, Edge Computing? Trata-se da aplicação de soluções que facilitam o processamento de dados diretamente na fonte de geração de dados. No contexto da Internet das Coisas (IoT), por exemplo, as fontes de geração de dados geralmente são "coisas" com sensores ou dispositivos incorporados.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site