Home - Convergência Digital

Indústria de Informática corta empregos e fica mais concentrada

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann - 06/06/2019

A Pesquisa Industrial Anual, divulgada nesta quinta-feira, 6/6, pelo IBGE, aponta para um cenário de perda generalizada de empregos no setor fabril, em movimento ainda mais agudo no segmento específico de fabricação de produtos de informática, eletrônicos e ópticos. 

Entre 2008 e 2017, enquanto a indústria em geral perdeu 145 mil postos de trabalho, ou 2,4% do total, os cortes no setor de informática, eletrônicos e ópticos foi de 22,4%, no segundo pior impacto negativo do período analisado pelo IBGE, perdendo apenas para a fabricação de coque, derivados do petróleo e biocombustíveis, na qual o recuo chegou a 32,9%. 

De certa forma, a base de comparação não conta toda a tragédia do setor produtivo brasileiro. Isso porque o ano de 2008 foi o começo de um crescimento acentuado – naquele ano eram 7,84 milhões de trabalhadores industriais, contra os 7,69 milhões registrados em 2017. No caminho, no entanto, os postos de trabalho foram crescendo até 2013, quando chegaram a 9,02 milhões. 

Parte do motivo de fortes demissões no segmento de equipamentos de informática, eletrônicos e ópticos pode estar em outro número trazido pela pesquisa do IBGE. Esse setor foi o que registrou o maior índice de concentração na década analisada, passando de 33,9% para 49,1%, na avaliação da fatia de mercado detida pelas oito maiores empresas do segmento.

Ou, como explica o Instituto ao analisar os números da PIA, “nesse período, a principal mudança estrutural na concentração foi verificada na atividade de fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos, em que as oito maiores empresas passaram a representar metade da produção do setor”. 

No entanto, o setor aparece com destaque na avaliação do IBGE dos produtos e serviços industriais que mais ganharam posições no ranking a partir do valor de venda. Para fazer esse ranking, o Instituto analisa 3,4 mil produtos e serviços e separa os 100 com maior valor de venda – que juntos representam 52% do total.

No caso, o IBGE destaca as “peças e acessórios para máquinas para processamento de dados” como o segundo principal avanço (atrás de medicamentos), que ganharam 50 posições entre 2016 e 2017, e o valor de venda passando de R$ 2,8 bilhões para R$ 4,8 bilhões nesse período. 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

09/12/2019
Indústria 4.0 aumenta produtividade das PMEs em 22% no Brasil

13/11/2019
Varejo cresce, menos para informática e comunicações

12/11/2019
Telecom em queda, TI em alta mexem no desempenho geral dos serviços

08/11/2019
Brasil monta centro para dados, IoT e industria 4.0 com Fórum Econômico Mundial

14/10/2019
Smartphone, vídeo online e aplicativos mudam cálculo da inflação no Brasil

11/10/2019
Tecnologia da informação evita tombo maior do setor de serviços

12/09/2019
TI puxa a média geral do setor de Serviços, diz IBGE

03/09/2019
Equipamentos de telecom puxam indústria para baixo, indica IBGE

09/08/2019
TICs derrubam serviços em junho, diz IBGE

30/07/2019
Novas demissões são alerta para indústria eletroeletrônica

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A urgência de cultivar talentos para TIC no Brasil e no mundo

Por Breno Santos*

A transformação digital ainda é um desafio para muitas empresas no Brasil e a aplicação estratégica das novas soluções deve acontecer por meio de equipamentos e mão de obra qualificada.

Destaques
Destaques

Análise de requisitos define sucesso ou morte dos projetos de TI

Como demonstra o professor e pesquisador Marcos Kalinowski, do departamento de informática da PUC-RJ, especificação boa ou ruim pode triplicar a produtividade ou aumentar em até 50% os custos. O professor da PUC-RJ coordena um projeto de pesquisa na área de Engenharia de Requisitos que envolve mais de 50 pesquisadores de 20 países.

Negócios na nuvem vão gerar 491 mil empregos diretos no Brasil até 2024

A batizada, 'economia Salesforce', formada pelo ecossistema de parceiros e clientes da companhia, vai gerar nos próximos seis anos, 780 mil empregos indiretos e uma receita de R$ 247 bilhões em novos negócios. Transformação digital será responsável por 50% dos gastos com software e computação em nuvem.

Cientista de Dados, desenvolvedor, CTO e analista de segurança da Informação são os mais procurados em TI

Essa é a constatação do Guia Salarial 2020, produzido pela consultoria Robert Half, com atenção às pequenas, médias e grandes empresas. Cientista de Dados pode ter salário inicial em torno de R$ 13 mil nas pequenas empresas e de R$ 26 mil nas grandes corporações.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site