Convergência Digital - Home

USP vai sediar centro de Inteligência Artificial do Brasil

Convergência Digital
Convergência Digital* - 07/10/2019

A IBM e a FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) anunciaram a Universidade de São Paulo (USP) como instituição parceira selecionada para sediar o mais avançado Centro de Pesquisa em Engenharia em Inteligência Artificial do Brasil. As pesquisas serão aplicadas a diferentes segmentos do mercado, com focos em recursos naturais, agronegócio, meio ambiente, finanças e saúde, criando avanços científicos significativos e formando pesquisadores e profissionais em IA. O novo Centro de IA fará parte do Centro de Inovação InovaUSP, localizado na Cidade Universitária, em São Paulo. As atividades do centro estão previstas para terem início no começo de 2020.

Com financiamento de até 10 anos, IBM e FAPESP reservarão, cada uma, até US$ 500 mil anualmente para implementar o programa, que contará com avaliações periódicas das atividades do Centro. Já a USP, por sua vez, investirá até US$ 1 milhão por ano em instalações físicas, laboratórios, professores, técnicos, administradores para gerir o Centro, entre outros. A definição do cronograma de construção do espaço e outros detalhes do projeto serão definidos em acordo que deverá ser assinado até o final de 2019.

O edital anunciado publicamente teve as propostas analisadas com auxílio de especialistas internacionais, escolhidos conjuntamente pela IBM e Fapesp. Entre os critérios levados em consideração na avaliação estavam a composição adequada de equipes de pesquisadores e profissionais designados à administração e ao gerenciamento do projeto, além da elaboração de um plano de pesquisa avançado e original competitivo, tanto nacional como internacionalmente

Esta é a maior parceria do Brasil entre uma empresa de TI e o setor acadêmico para a colaboração em Inteligência Artificial (IA) e reunirá o conhecimento de cientistas, professores e estudantes para a realização de pesquisa e projetos conjuntos. O Centro de IA também será o primeiro da América Latina a fazer parte do IBM AI Horizons Network (AIHN), criado em 2016 para promover a integração e colaboração entre as principais universidades do mundo, estudantes e pesquisadores da IBM comprometidos em acelerar a aplicação de IA a alguns dos maiores desafios globais, como assistência médica, processamento e reconhecimento de imagem, aprendizado de máquina, processamento de linguagem natural e tecnologias relacionadas.

"A criação desse centro com a USP é um marco muito grande para a pesquisa no Brasil e vai permitir que tenhamos estudantes, pesquisadores e outros profissionais engajados em uma área que vem ganhando cada vez mais relevância estratégica no mundo, possibilitando que haja uma agenda científica conjunta e avanços significativos", afirma Ulisses Mello, diretor do Laboratório de Pesquisa da IBM Brasil. "Teremos também um intercâmbio de ideias bem maior com pesquisadores de todo o mundo, ampliando a solução de problemas decisivos simultaneamente para a ciência e o mercado e trazendo excelentes resultados".

Segundo Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da FAPESP, a colaboração será efetiva e não apenas contratação de pesquisa pela IBM. "Isso porque a IBM tem um time de pesquisadores de primeira linha em São Paulo, além de pesquisadores em outras localidades. Já o plano apresentado pela USP alia pesquisa na fronteira do conhecimento, e de interesse da IBM, com a formação de recursos humanos, tão necessários para o desenvolvimento do Brasil", ressaltou.

Já de acordo com Fabio Gagliardi Cozman, diretor do Centro de IA e professor da USP, o projeto tem como objetivo levar a pesquisa em inteligência artificial a um novo patamar. "Pretendemos que as atividades do Centro contribuam para colocar o país na fronteira desta área, capacitando profissionais e empreendedores, e que fomentem o debate na sociedade sobre como usar esta tecnologia da forma mais positiva possível", comentou.


ARTIGO . Por Melissa Torgbi

Cientista de dados: seja curioso, se envolva e tenha muita disposição para resolver problemas

Há muita empolgação acerca do termo “ciência de dados” atualmente. Para nós que queremos ser cientistas de dados, há alguns requisitos. Um deles: ter muita, mas muita vontade de aprender o tempo todo.

Destaques
Destaques

Empresas ambicionam mais Inteligência Artificial, mas sofrem com falta de talento

Um apesquisa global da Bain mostra que três em cada empresas, instigadas pela covid-19 e a aceleração da digitalização, se preparam para investir mais em inteligência artificial e machine learning. Mas assumem que as dificuldades não são poucas.

Eneva investe R$ 3 milhões para unir gás à energia com a IA ALINE

Software, que utiliza algoritmos de machine learning, foi desenvolvido em parceria com o Instituto Tecgraf da PUC/Rio e está sendo testado no Maranhão. Próxima etapa é um projeto de pesquisa com foco na integração da produção do gás onshore com a geração de energia, o que significa usar IA em um projeto 100% conectado.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O que é o balanceamento de carga de alta disponibilidade?

Por Ivan Marzariolli *

A alta disponibilidade começa com a identificação e eliminação de pontos únicos de falha em sua infraestrutura que podem desencadear uma interrupção do serviço - por exemplo, implantando componentes redundantes para fornecer tolerância a falhas no caso de um dos dispositivos estiver com problemas.

Dados em tempo real fazem toda a diferença no e-commerce

Por Leandro Rodriguez*

O tempo se tornou o fator crítico no relacionamento entre vendedor e comprador. Levar informações em tempo real a uma filial local ou a gerentes de loja pode ser determinante para a aquisição de clientes e, consequentemente, aumentar as vendas.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site