Convergência Digital

Oi e Huawei preparam piloto que une videomonitoramento e IA

Ana Paula Lobo e Rodrigo Pahim - 18/10/2018

A Oi apresentou durante o Futurecom 2018 solução de videomonitoramento combinada com inteligência artificial, já utilizada na China e em outros países e que agora traz para o Brasil. O foco inicial é a segurança pública, mas a tele acredita que também haverá interesse de clientes privados.

“O videomonitoramento é um caminho natural na tendência de smart cities. As cidades estão buscando soluções mais inteligentes. As pessoas precisam de mais conveniência, informação. E o videomonitoramento cabe bem com a oferta de infraestrutura e serviços. É uma solução mais voltada para o mercado de governo, mas também pode ser voltada para o mercado privado”, disse o gerente de Soluções de TI Corporativas da Oi, Leonardo Menezes.

A plataforma, desenvolvida pela chinesa Huawei, vem sendo implementada em cidades de 90 países. No Brasil, a Oi pretende iniciar projetos piloto em negociação com prefeituras. O sistema combina o uso de câmeras espalhadas pelos municípios, ainda que implantadas por diferentes órgãos, com recursos de IA para adicionar capacidades de reconhecimento facial ou identificação de placas, por exemplo.

“É uma solução de inteligência de análise de dados de imagem. Além das câmeras em si, monitorar também gera inteligência. Tem reconhecimento facial, identificação de comportamento suspeito, correlação de eventos. Na esfera pública, os órgãos podem se associar e trocar informações. É uma solução de segurança pública”, explicou o gerente da Oi.

O objetivo é estender o recurso também a clientes privados. “Estamos em conversas com alguns municípios, e a ideia é extrapolar para o mercado privado, em que indústrias, escolas e universidades podem se beneficiar disso. Além da segurança pública, no mercado privado tem o controle de segurança física de instalações.”


Internet das Coisas exige rediscussão sobre neutralidade no Marco Civil

Para o diretor de Produtos e Tecnologia da Ericsson, Paulo Bernardocki, as operadoras precisam começar o mais rápido possível para aprender a ter as coisas como clientes.

Sem conectividade, não há estratégia de computação em nuvem

CenturyLink é uma MVNO e mantém o interesse de atuar tão somente para as empresas corporativas, revela o diretor de Dados, Eduardo Freitas.


Futurecom 2018 - clique aqui e confira a cobertura completa.
Editora Convergência Digital
Copyright © 2005-2018 Editora Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site