INCLUSÃO DIGITAL

Viasat: TCU controla viabilidade de acordo com Telebras

Luís Osvaldo Grossmann ... 17/12/2018 ... Convergência Digital

A ideia era lançar o serviço comercial logo na esteira das instalações de antenas de acesso à internet via satélite exigidas pelas políticas públicas. Mas com tratativas sobre valores demandadas pelo Tribunal de Contas da União, a americana Viasat vai esperar a palavra final do órgão de controle para iniciar a venda privada de conexões com uso do satélite nacional, da Telebras.

Antes do sucessivos litígios sobre o uso do satélite brasileiro, a previsão era da venda de banda larga em no máximo nove meses após o anúncio do acordo. “Em outubro já teríamos lançado o WiFi comunitário, coisa de 45 dias depois das antenas dos programas governamentais. Mas vamos aguardar uma definição do TCU antes de retomar essa ideia”, afirma a vice presidente e gerente geral da empresa para o Brasil, Lisa Scalpone, em Brasília nesta segunda, 17/12, para a inauguração do centro de operações do satélite na capital.

A demanda, mesmo em áreas isoladas como comunidades indígenas, é evidente, revela a executiva. “Estamos vendo taxas incríveis a partir do próprio Gesac”, explica. A julgar pelo modelo visto em julho, quando Telebras e Viasat conectaram uma escola na comunidade indígena Surumu/Barro, em Roraima, a população que vive na área não conta com sinal de celular e aproveita o link da escola. É parte do público que a Viasat acredita capaz de comprar o serviço em um modelo semelhante a uma Lan House, só que via satélite.

O contrato entre a empresa americana e a estatal brasileiro passou a maior parte de 2018 suspenso, primeiro pelo Judiciário, depois pelo TCU. No último dia de outubro, a Corte de Contas aprovou a validade do acordo, mas exigiu mudanças nos valores negociados. Na semana passada executivos da Telebras foram aos EUA. Nesta, vice-versa. A expectativa de que até a primeira semana de fevereiro haverá números a mostrar ao TCU.

A vice presidente da empresa americana garante, no entanto, que a relação com o Brasil está só começando. O próximo satélite da constelação Viasat 3 será lançado em 2020 e deverá cobrir a América do Sul, permitindo a modulação de capacidade em toda a região. No México, onde chegou em 2016, também pelo vão da baixa renda, já começou a oferecer conexões residenciais de alta velocidade em regiões urbandas também.


Carreira
Marketplace móvel faz hackathon para área de pagamentos

Grupo Movile promove os desafios nas cidades de Recife e São Carlos (São Paulo) no mês de fevereiro.Selecionados vão receber diversos tipos de treinamentos online e terão auxílio dos mentores especiais, entre eles, Flavio Stecca, CTO do iFood.

TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Viasat: TCU controla viabilidade de acordo com Telebras

Segundo a vice presidente da empresa, Lisa Scapone, a demanda existe e pode ser medida pelo Gesac, mas operação comercial no Brasil depende dos ajustes no contrato para uso do satélite nacional.

PC fica cada vez mais distante da população mais pobre no Brasil

Dados do IBGE revelam que os mais pobres do País trocaram os PCs pelos celulares e tablets. A proporção da população com acesso à internet no domicílio passou de 67,9% em 2016 para 74,8% em 2017.

Parceira da Telebras amplia WiFi via satélite no México para áreas urbanas

Dois anos depois de começar a explorar banda larga satelital em áreas remotas do país, como promete fazer no Brasil, a empresa americana Viasat anuncia conexões de 100 Mbps e preços para competir com internet fixa.

Para TCU, políticas desconexas desperdiçam dinheiro com inclusão digital

Ao citar a política de Banda Larga, Tribunal observa que a falta de coordenação gera redundância, falta de isonomia e obstáculos à oferta de serviços.

CPFL: É preciso predisposição para se ter um consenso no uso dos postes

"Não é fácil, mas é preciso existir um alinhamento. Estão todos do mesmo lado", diz o diretor da CPFL, André Luiz Gomes.

Swap de fibras é mandatório para levar banda larga em regiões desassistidas

Compartilhamento de infraestrutura é essencial para reduzir custos e definir modelos de negócios nas cidades onde as teles não investiram, observa o CEO da UmTelecom, Rui Gomes.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G