TELECOM

Compra da Nextel pela Claro não mexe no ranking das teles no Brasil

Ana Paula Lobo ... 18/03/2019 ... Convergência Digital

Do ponto de vista de market share nacional, a compra da Nextel, anunciada nesta segunda-feira, 18/03, pela Claro Brasil não muda muito a situação da operadora, controlada pela América Móvil, que seguirá na segunda posição. A diferença acontece no Rio de Janeiro, onde a Claro supera a Vivo no mercado pós-pago.

"A Nextel tinha 1,34% do market share nacional. A Claro sobe de 24,6% para 26% é pouco. O diferencial é o espectro que está sendo comprado. O 4G para aumentar a capacidade e a oferta de serviços no Rio e em São Paulo", comenta o presidente da Teleco, Eduardo Tude.

Ele observa que todas as operadoras estão fazendo refarming de frequências para oferecer mais 4G e a compra da Nextel traz mais capacidade para a Claro no Rio de Janeiro e em São Paulo. "Foi só depois da mudança feita pela Anatel na parte de espectro que a Nextel arrumou, de fato, um comprador. Hoje as teles têm dois ativos que valem: a rede de fibra óptica e as frequências. A base de assinantes, no caso da Nextel, com 3,3 milhões, mesmo que no pós-pago faz pouca diferença", acrescenta Tude.

Com relação à TIM, que seria outra interessada na Nextel, a perda do ativo pode vir a impactar, do ponto de vista de mercado, mas não tanto por espectro, uma vez que a tele faz refarming do 1,8GHz e do 2,1GHz. "A TIM já está na terceira colocação no market share. A Vivo se mantém muito à frente da Claro, com exceção do Rio de Janeiro. As teles, hoje, não querem mais market share, mas, sim, receita e fidelizar os clientes recorrentes no pós-pago, no controle e no pré-pago", diz.

Sobre o 5G, Tude não acredita que a Claro venha a perder o interesse no leilão da Anatel, programado para março de 2020. "As teles estão cientes que o 5G exige novas frequências", atesta. Com relação à Oi, a operadora deve ir às compras das sobras de frequência em 700 Mhz, para reforçar o 4G. "A situação da Oi agora é outra. Essa sobra de 700 Mhz é muito importante para a Oi", completa o especialista.




Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Dataprev contrata Claro por R$ 236 mil para ter fibra ótica no Rio de Janeiro

Contrato, publicado no Diário Oficial da União, prevê a interligação dos prédios do data center da estatal de TI no Rio de Janeiro à filial na mesma cidade, no bairro de Botafogo.

Autor da nova Lei das teles lidera entidade para brigar por banda larga

Ex-deputado Daniel Vilela vai presidir a Aliança Conecta Brasil F4, que nasce com apoio da Huawei, FiberX e da consultoria Teleco, mas quer novos associados. “Não existe economia digital sem infraestrutura”, afirma.

Consumidores: Banda larga é o serviço com menor satisfação, celular o melhor

Para a Anatel, como o padrão de consumo exige estar sempre online, percepção de qualidade é especialmente rigorosa com a conexão à internet.

Decreto da nova Lei de Telecom depende de acerto sobre renovação de frequências

“Entendemos que é melhor que a Lei também seja aplicada para os contratos vigentes e estamos tentando construir uma posição única de governo”, explica o secretário executivo do MCTIC, Julio Semeghini. 




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G