Home - Convergência Digital

Claro lança chip eSIM atenta à Internet das Coisas

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 28/03/2019

A Claro anunciou nesta quinta-feira, 28/03, o Claro e-Chip, facilidade que agora permite ativar os serviços móveis da operadora nos smartphones compatíveis com a tecnologia eSIM (Embedded SIM), que dispensa o uso do chip físico. A Claro foi a operadora escolhida para apresntar o e-Chip – desenvolvido em parceria com a G&D -  que permite ativar planos e serviços móveis sem o chip físico tradicional, além de executar todas as configurações necessárias para uso do smartphone na rede da operadora.

“A Claro Brasil possui diversas iniciativas voltadas para a conectividade das coisas. E a tecnologia eSIM é protagonista ao possibilitar ativação remota dos aparelhos compatíveis, sem precisar da logística de distribuição do chip físico. Com a chegada do Claro e-Chip é possível fazer a habilitação da linha móvel sem precisar do chip tradicional”, afirma Márcio Carvalho, diretor de marketing da Claro Brasil. “Estamos lançando o serviço e-Chip imediatamente após a funcionalidade estar disponível nos primeiros smartphones compatíveis com a tecnologia no país”, complementa.

Em um futuro breve, inúmeras aplicações de IoT também farão uso desse tipo de tecnologia. Além disso, o lançamento da operadora inaugura um novo modelo de habilitação de serviços móveis no mercado brasileiro. “O fim da necessidade de ter um chip físico da Claro no smartphone traz mais conveniência e segurança para o cliente e mais produtividade para a operadora. Fica muito mais fácil e rápido ativar uma nova linha ou realizar uma portabilidade, por exemplo”, explica Marcio Carvalho.

Aproveitando que os aparelhos compatíveis oferecem tanto o slot para chip físico como o eSIM, e também o sistema DSDS (Dual SIM Dual Standby), é possível utilizar duas linhas móveis da Claro no mesmo aparelho - um número pessoal e outro do trabalho, por exemplo. A comodidade permite concentrar as duas linhas da Claro em um único aparelho, receber chamadas de ambas e escolher qual usar ao realizar chamadas ou navegar na internet.

Além disso, o e-Chip não pode ser removido, o que facilita a localização do dispositivo em caso de perda ou roubo, pois a conectividade com a internet e a rede celular permanecerá ativa enquanto a linha estiver configurada. Somente após solicitação de desligamento para a operadora é que a linha será bloqueada ou removida do eSIM. Já a ativação é bastante simples. Ao adquirir o e-Chip, o cliente receberá um QR Code que permitirá o download do perfil de acesso à rede celular Claro para o dispositivo do cliente. O serviço estará disponível a partir de 29 de março nas lojas próprias ou em breve nos demais canais de atendimento da operadora. A política comercial para ativação do eSIM será a mesma do chip físico.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

12/02/2020
Dona da Claro também quer comprar ativos móveis da Oi

19/12/2019
Nextel é oficialmente da Claro no Brasil

11/12/2019
Cade volta a aprovar compra da Nextel pela Claro sem restrições

05/12/2019
Anatel diz ao CADE que compra da Nextel pela Claro respeita limite de espectro

28/11/2019
Cade dá 10 dias para Anatel responder sobre Claro/Nextel em ação da TIM

22/11/2019
Claro perde na Senacon e vai ter de pagar multa de R$ 9,3 milhões

14/11/2019
Claro fecha com Google e oferece RCS, o novo SMS

08/11/2019
Anatel vai licitar posições de satélite, mas muda termos para atender Claro e Hispamar

01/11/2019
Cade aceita recurso da TIM e vai aprofundar análise Claro/Nextel

23/10/2019
TIM recorre ao Cade contra Claro/Nextel e quer espectro como remédio antitruste

Destaques
Destaques

5G exigirá uso de requisitos mínimos de Segurança Cibernética

Tecnologia é apontada como 'uma revolução na comunicação de dados, no potencial de emprego de equipamentos de Internet das Coisas e na prestação de novos e disruptivos serviços".

5G: Diretrizes genéricas deixam espaço para acordo entre teles e TVs

Portaria do MCTIC não detalha qual a solução para interferências, indicando somente “medidas de melhor eficiência técnica e econômica”. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site