INOVAÇÃO

Banco Central: Inovação exige equilíbrio nada trivial entre pessoas, segurança e risco

Luis Osvaldo Grossmann e Pedro Costa ... 23/04/2019 ... Convergência Digital

Com 54 anos de estrada em tecnologia da informação, o regulador brasileiro do sistema financeiro defende a busca pela maior proteção possível que dê espaço à modernização do mercado. Para o Banco Central, que entre outras ações tem um programa de incentivo para as fintechs, o difícil equilíbrio entre segurança e risco é uma ferramenta para a inovação.

“O mercado financeiro está aí para ganhar dinheiro. E para diminuir seus riscos. E cabe a nós, que fazemos a supervisão, saber qual o equilíbrio entre o que a sociedade quer correr do ponto de vista financeiro e o que tem que ser feito para que os negócios possam ser modernizados e as coisas possam funcionar. Não é trivial. Assim, temos a função importante de dizer ao mercado qual é o apetite de risco para o Brasil. Dentro desse limite, corra”, afirma Marcelo Yared, veterano diretor de TI do BC, e que agora assume a chefia do escritório de segurança cibernética e inovação tecnológica, que participou de mesa redonda promovida pelo Convergência Digital, em parceria com a Unisys e a Dell EMC, em Brasília.

Como destaca Yared, o BC nasceu em 1965 com TI na veia. E aprendeu que, apesar das evoluções tecnológicas, a peça fundamental continua sendo gente. “Os problemas de segurança da informação hoje são mais complexos, dão mais trabalho. Mas uma coisa que a gente aprendeu em 54 anos é que o elemento fundamental é o mesmo: a pessoa que usa o sistema, seja o cliente, usuário. E o que vai resolver é a educação.”

É diante da inexistência do sistema perfeito, completamente seguro, que Yared encaixa o mencionado equilíbrio. “Trabalhamos com o que chamamos de apetite de risco. Dada uma situação, um sistema, uma necessidade, qual o apetite de risco que a instituição tem ou quer ter. E aí vamos trabalhar. Tentamos nos organizar e vender para a alta administração e para a sociedade aquilo que podemos entregar do ponto de visita de segurança. Vai ter problema, vai. Vai ter falhas, vai. Temos que ter medidas adequadas para evitar grandes prejuízos e as pessoas devem saber os riscos que estão correndo.” Assistam a participação do chefe do escritório de segurança cibernética e inovação tecnológica do BC, Marcelo Yared.



Cloud Computing
Backup e arquivamento de dados pessoais são os maiores riscos à privacidade de dados

Nos próximos dois anos, as organizações que não revisarem as políticas de retenção de dados para reduzir o volume de informações armazenadas e, por extensão, os dados que são copiados, enfrentarão um enorme risco de não conformidade, bem como os impactos, no bolso, de uma eventual violação.

TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

DBServer: competitividade exige uma nova maneira de fazer software

Ao completar 25 anos, a companhia gaúcha investe em novas tecnologias, entre elas, Blockchain, com o lançamento, em setembro, de um projeto dedicado à área de saúde, conta Verner Heidrich.

Serviços de voz estão mais vivos do que nunca na jornada digital

Quem pensa que os serviços de voz serão secundários está cometendo um erro, pontuou Douglas Silva, executivo da AWS. "Acreditamos que nos próximos 24, 36 meses a voz vai evoluir de apenas serviço informacional para transacional".

Febraban: o céu é o limite para modelos de negócios com blockchain

A blockchain bancária é ainda uma produção pequena, mas é um marco para o setor, observa o diretor setorial de Tecnologia da Febraban, Gustavo Fosse. Sobre o Open Banking, a única certeza é que ele vai vir e já no ano que vem.

Distributed Ledger: open source e blockchain unem esforços

Para o diretor de DCX das Capgemini, Thiago Nascimento, a tecnologia de livro-razão (Distributed Ledger) será disruptiva e exigirá a interoperabilidade do setor financeiro.

AWS vira aceleradora virtual de projetos voltados à educação no Brasil

Iniciativa, que foi lançada há dois anos nos EUA, já destinou US$ 2 milhões para startups e empresas de tecnologias da área educacional. Prazo para a análise de um projeto é de 12 dias. "É para fazer acontecer mesmo", disse o country manager do setor público da AWS, Paulo Cunha.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G