OPINIÃO

Rumo ao Brasil Digital

Por Luis Felipe Salin Monteiro*
13/08/2018 ... Convergência Digital

As transformações na economia e na sociedade proporcionadas pelas tecnologias ocorrem de maneira muito rápida e impõem novos desafios à atuação do governo. Somos no Brasil 120 milhões de usuários de internet, 96% por meio de aparelhos celulares. Esse número representa a 4º maior demanda do mundo, mas que, nos dias atuais, inda não é plenamente acompanhada pela oferta de infraestrutura e de serviços de governo digital. Houve avanços nos últimos anos. O Brasil subiu sete posições no ranking 2018 de desenvolvimento de governo eletrônico das Nações Unidas, atingindo a 44ª posição mundial. A pesquisa, agora na décima edição, é realizada a cada dois anos e avalia o estado do desenvolvimento de governo digital de 193 países.

O principal componente a contribuir para o salto brasileiro foi a oferta de serviços públicos digitais. Neste aspecto, assumimos a 23ª posição no mundo e a liderança na América do Sul. Mas, até o ano passado, não havia no Brasil um estudo mais detalhado sobre os trâmites na administração pública federal. O Censo de serviços públicos permitiu, em apenas 12 meses, identificar de forma inédita o conjunto de serviços públicos oferecidos a cidadãos e empresas. Deste estudo, não se obteve apenas um panorama geral dos serviços, mas também um bom indicativo de como poderíamos apoiar a transformação digital desses serviços.

Esse levantamento permitiu a reformulação do portal servicos.gov.br para simplificar a navegação entre os mais de 1,6 mil serviços públicos disponíveis e oferecer: cadastro e login único e centralizado; meios de solicitar, acompanhar o andamento e, ao final, realizar a avaliação da qualidade dos serviços prestados, e; instrumentos de transparência e colaboração, por meio do painel de desempenho de serviços, ou pelo Simplifique!, canal de sugestão de melhorias.

A transformação digital dos serviços públicos já permitiu, por exemplo, que milhões de jovens brasileiros que completam 18 anos em 2018 façam o alistamento militar totalmente pela Internet, promovendo economia de recursos na ordem de 300 milhões de reais anuais para o governo e para o cidadão. Isso porque um serviço digital pode custar até 97% a menos para a administração pública do que o presencial. Ainda, a transformação digital permite reduzir em até 74% o tempo médio de atendimento destes serviços.

No entanto, é importante notar que a transformação digital não é apenas tecnologia, mas sim de uma experiência nova de relacionamento. Neste sentido, é fundamental que o governo entenda a jornada completa do ponto de vista do cidadão. Por exemplo, a ONU destaca as Políticas de Dados Abertos e de Participação Social brasileiras, que levaram país à 12ª melhor colocação mundial.

A visão de futuro para o Brasil está traçada na Estratégia Brasileira para a Transformação Digital (E-Digital), que apresenta um diagnóstico dos desafios e um conjunto de ações estratégicas para a transformação do governo e da economia, e pela Estratégia de Governança Digital (EGD). Entendemos que a forma de acelerar a transformação digital nos órgãos da administração pública federal é a disponibilização de plataformas compartilhadas que enderecem problemas comuns apontados pelos gestores dos serviços públicos.

A tecnologia é fundamental para ampliar o acesso e melhorar significativamente o serviço aos usuários por um custo reduzido, mas, muitas vezes, não são as tecnologias que são novas, mas, sim, a convergência de esforços no uso dessas tecnologias. Nos últimos anos, o governo emitiu decretos, investiu em digitalização e simplificou processos na tentativa de reduzir o excesso de burocracia na administração pública. Criou também o Documento Nacional de Identidade (DNI), que consolida diversos outros em um único aplicativo de celular e é outro componente importante no ambiente digital brasileiro. Por meio da validação biométrica, instituições públicas e privadas criarão novos produtos e serviços baseados na identificação segura e digital do cidadão. Os esforços começam a dar resultado.

*Luis Felipe Salin Monteiro, servidor público da carreira de Analista de Planejamento, é secretário de Tecnologia da Informação e Comunicação do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão e foi apontado entre os 100 mais influentes do mundo em governo digital pela rede Apolitical.

 

 


Carreira
Argentina cria Escola de Cobol para formar novos profissionais

Iniciativa foi conduzida pelo HSBC Argentina e pela Stefanini. "Existe uma demanda no sistema financeiro por profissionais treinados em tecnologias mais antigas como o COBOL. Recrutar esse tipo de perfil tornou-se um grande desafio para a indústria", aponta Fabio Venditti, head de core banking da instituição financeira.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G