OPINIÃO

Justiça dá novas perspectivas ao streaming no Brasil

Por Cecilia Cunha*
10/07/2019 ... Convergência Digital

A Claro apresentou denúncia em desfavor da Fox, colocando em dúvida o enquadramento regulatório das aplicações de programadoras de canais de televisão, disponíveis a clientes na internet mediante um pagamento mensal por meio de páginas ou aplicativos. Neste caso, os aplicativos Fox+ (Fox plus) e Esporte Interativo Plus.

O conflito entre as partes exige o esclarecimento sobre o modelo de negócio em que o assinante contrata acesso aos canais transmitidos de maneira linear por meio da internet, despertando o seguinte questionamento: Afinal, o acesso a esses canais é um Serviço de Valor Adicionado (SVA), ou seria uma oferta de Serviço de Acesso Condicionado (SeAC), regido pela Lei nº 12.485/2011 e dependente de outorga da Anatel?

A questão é analisada sob dois aspectos: (1) difusão linear de conteúdo e (2) distribuição desse conteúdo. Isso porque, de acordo com a lei vigente no Brasil, as produtoras de conteúdo não podem distribuí-lo. Essa função é desempenhada pelas distribuidoras que comercializam os pacotes e, em contrapartida, não podem criar obras ou definir a programação, que é definida pela lei como “arranjo de conteúdos audiovisuais organizados em sequência linear temporal em horários pré-determinados”. O conceito por detrás da regra consiste em evitar a concentração verticalizada entre o distribuidor e o produtor de conteúdo.

Vale dizer que o conteúdo audiovisual de acesso condicionado, na prática, já é disponibilizado, por meio de aplicativo na Internet, mediante autenticação de assinantes por prestadora do SeAC. O cerne da questão consiste em compreender se esses entendimentos corroboram para o desenvolvimento do setor, ou não, porque os serviços de entrega de conteúdo audiovisual vêm passando por significativas mudanças, evidenciadas com a evolução da convergência das tecnologias da informação e comunicação, estabelecendo novos paradigmas para a exploração do serviço sob o ponto de vista da oferta e da demanda.

Com este pano de fundo, a Anatel, em meados de junho, determinou em medida cautelar - despacho decisório 128/2019/CPRP/SCP - que a Fox passasse a condicionar o acesso aos seus canais programados disponíveis no app à autenticação de assinantes, sob pena de multa diária de cem mil reais, por eventual descumprimento, até o limite de vinte milhões de reais. Insatisfeita com essa medida, a Fox impetrou Mandado de Segurança e obteve a suspensão dos efeitos da decisão da Anatel, permitindo a veiculação do aplicativo Fox+ tal qual foi desenvolvido, sem a necessidade de condicionamento de acesso à autenticação de assinantes.

Segundo a Fox, não haveria ilegalidades na sua atuação, uma vez que os serviços oferecidos são de aplicação de internet acessada a partir de serviços de banda larga contratados e remunerados pelo consumidor, regidos pelo Marco Civil da Internet, não podendo ser caracterizado como serviço clandestino de TV por assinatura.

A recente decisão da Justiça brasileira, que suspendeu os efeitos da medida cautelar da Anatel e liberou a FOX para voltar a vender serviço de TV pela internet, joga luz à falta de respaldo regulatório no tema, provocado pelas grandes mudanças nos modelos de negócios e licenciamento de conteúdo com a ascensão do streaming. A Anatel, por sua vez, mantendo um tom de incerteza se a prática da Fox estaria ferindo a lei do SeAC, deu início ao procedimento de Tomada de Subsídios com o objetivo de receber a opinião dos diferentes atores da sociedade para melhor avaliar os aspectos técnicos que envolvem a denúncia apresentada pela Claro.

Importante ressaltar que, caso a decisão da Anatel seja posteriormente ratificada e a legislação do setor não seja atualizada para acompanhar a realidade dos serviços oferecidos, grandes grupos serão diretamente afetados e gerando imensa incerteza jurídica a outros serviços que disponibilizam programação linear na internet no país. Governos de todo o mundo já estão revendo suas leis, sendo liberada, em alguns países, a junção de produtoras de conteúdo e distribuidoras. Essa prática no Brasil é inviável e, por consequência, algumas empresas estrangeiras já cogitam retirar da prateleira sua programação de canais da TV fechada no Brasil.

Caso seja definido que a distribuição de canais pela internet não é um Serviço de Acesso Condicionado, pode-se esperar o deslocamento em massa dos serviços de TV por assinatura para a internet, funcionando por distribuição Over-The-Top, como a Netflix, contando com uma carga tributária reduzida. Desta forma, estima-se que o caso Claro x Fox seja determinante para o futuro da TV por assinatura no Brasil. Afinal, o streaming já é uma realidade para o consumo de conteúdo em vídeo em todo o mundo e, com a chegada da tecnologia 5G, esse modelo deverá atingir um público ainda maior.

Por fim, com regras bem definidas, os players do setor terão a segurança jurídica necessária para interagirem através dos novos modelos de negócios, trazendo inovação e aportando investimentos em “solos mais férteis”.

*Cecília Cunha é especialista em Mídias e Tecnologia do Vinhas e Redenschi Advogados



Carreira
Ingram Micro distribuirá R$ 1 milhão para desenvolvedores de software no Brasil

Brasileiros vão participar da etapa local do concurso global, Comet Competition, voltado para identificar desenvolvedores de software B2B. Inscrições já estão abertas. Grande vencedor global dad disputa poderá receber US$ 1 milhão.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G