INTERNET

Pequenos provedores encaram ‘morte súbita’ na saída do Simples

Luís Osvaldo Grossmann ... 16/02/2017 ... Convergência Digital

Os pequenos provedores representam mais de um em cada dez acessos a internet no país e, ainda mais significativo que o ganho de mercado é o ritmo. Em 2016, a banda larga fixa foi o único serviço a crescer, com 1,1 milhão de novos assinantes. No geral, uma alta de 4,3%. Mas para os pequenos, que responderam por 4 de cada 10 novos acessos, o crescimento foi de 31,5%. 

Mas o ganho de musculatura desse segmento, que em três anos passou de 7% para 10% do mercado, também representa um desafio. Como concluiu um estudo encomendado pela Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint) ao Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), esses provedores começam a romper a linha do que é considerado ‘pequeno’ pelo Fisco. E a saída do Simples está se mostrando uma barreira difícil demais. 

“Somos o único setor que tem aumento significativo. A carga máxima de ICMS dentro do Simples é 3,95%. Mas quando põe o pé fora do Simples é no mínimo 25%. Outros setores tem transições suaves. Para nós é a morte súbita”, diz o presidente da Abrint, Erich Rodrigues. Segundo a entidade, esse salto tributário reduz o lucro de 20% para 7,5%, ou praticamente a inflação de 2016, de 6,3%. Preocupação significativa para dois em cada três dos pequenos provedores enquadrados no Simples até o fim de 2016. 

A tumultuada revisão do Simples, no ano passado, não ajudou muito. É certo que o limite de faturamento anual passou de R$ 3,6 milhões para R$ 4,8 milhões, mas o ICMS ganhou um escalonamento próprio com limite diferente. Pode parecer muito, mas na prática, significa que provedores superam a linha até mesmo antes de chegarem a ter 5 mil clientes. Vale lembrar que, para a Anatel, pequeno provedor tem até 50 mil assinantes. 

O próprio segmento admite que as empresas, quando conseguem, tentam evitar o salto abrindo novas pessoas jurídicas. Segundo o consultor e pesquisador do IBPT, responsável pelo estudo sobre os provedores, está aí parte da explicação para a alta de 40% no número dessas empresas entre 2014 e 2016 – de 6,4 mil para mais de 9 mil, considerando-se o segmento que atua em Serviço de Comunicação Multimídia (SCM) e Serviço de Valor Adicionado (SVA). 

“É complicado um sistema tributário no qual as empresas não podem crescer. Mas a infeliz verdade é que o Simples foi criado para as empresas não crescerem. Imagine uma empresa que está faturando R$ 3,6 milhões e tem perspectiva de faturar mais, uns R$ 4,5 milhões. Tem que criar uma nova empresa, porque se crescer a mesma, se ela sair da zona tributária do Simples, o lucro vai cair”, diz Oliveira. 

O fenômeno é fruto direto da aposta de pequenos provedores na construção de infraestrutura própria, passando eles mesmos a prestar serviços de telecomunicações antes comprados das grandes operadoras. “Antes não tínhamos redes de ultima milha, dependíamos das operadoras. E agora construímos e passamos do rádio para a fibra, então passamos a ter um componente de custo que paga ICMS e que aumentou”, diz Rodrigues, da Abrint. 

Mais do que dores do crescimento, porém, o setor reclama de que a tributação inviabiliza que esse desempenho continue. “A questão não é simplesmente de aumento da carga, mas sim porque na prática, a partir de certo nível, a empresa não vive mais. Os provedores estão crescendo, querem sair do Simples, mas não conseguem”, resume o presidente do conselho consultivo da associação, Basilio Perez.


Assespro diz que Marco Civil da Internet já prevê acesso a dados de datacenters no exterior

Ao explicar a ação que move no STF ao Comitê Gestor da Internet, Assespro Nacional sustentou que em casos de pedofilia e ameaças à vida troca de informações com Judiciário é automática.

Internet Society: Empresas, não peçam desculpas. Cuidem dos nossos dados pessoais

Em carta aberta, a entidade se mostra desapontada, mas não surpresa com a violação dos dados de usuários do Facebook pela Cambridge Analytics."O que aconteceu é resultado do modelo econômico onde se colocam os interesses comerciais em primeiro lugar".

Booking, Decolar e Expedia fecham acordo com o CADE para terminar cartel de preços

Agências renunciaram à atual política de cláusula de paridade de preços e condições imposta a hotéis que ofertam acomodações em suas plataformas. Processo começou em 2016.

Justiça do Rio manda YouTube retirar 16 vídeos que difamam memória de Marielle Franco

Vídeos têm de ser retirados em 72 horas, além de multa de R$1 mil por dia em caso de descumprimento.

BNDES lança chamada para financiamento de IoT para saúde em abril

Iniciativa é a primeira resultante do Plano Nacional de Internet das Coisas. Ainda não há valores definidos para este chamamento, mas Finep tem R$ 3 bilhões para IoT.

Revista Abranet 23 . dez 2017 - jan/fev 2018
Veja a Revista Abranet nº 23 Qual é a fórmula do sucesso? Boas práticas aplicadas por corporações bem-sucedidas sugerem um caminho a seguir. Entrevista com Tadao Takahashi. Discussão sobre a lei de proteção de dados avança. E mais.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G