INTERNET

Pequenos provedores encaram ‘morte súbita’ na saída do Simples

Luís Osvaldo Grossmann ... 16/02/2017 ... Convergência Digital

Os pequenos provedores representam mais de um em cada dez acessos a internet no país e, ainda mais significativo que o ganho de mercado é o ritmo. Em 2016, a banda larga fixa foi o único serviço a crescer, com 1,1 milhão de novos assinantes. No geral, uma alta de 4,3%. Mas para os pequenos, que responderam por 4 de cada 10 novos acessos, o crescimento foi de 31,5%. 

Mas o ganho de musculatura desse segmento, que em três anos passou de 7% para 10% do mercado, também representa um desafio. Como concluiu um estudo encomendado pela Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint) ao Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), esses provedores começam a romper a linha do que é considerado ‘pequeno’ pelo Fisco. E a saída do Simples está se mostrando uma barreira difícil demais. 

“Somos o único setor que tem aumento significativo. A carga máxima de ICMS dentro do Simples é 3,95%. Mas quando põe o pé fora do Simples é no mínimo 25%. Outros setores tem transições suaves. Para nós é a morte súbita”, diz o presidente da Abrint, Erich Rodrigues. Segundo a entidade, esse salto tributário reduz o lucro de 20% para 7,5%, ou praticamente a inflação de 2016, de 6,3%. Preocupação significativa para dois em cada três dos pequenos provedores enquadrados no Simples até o fim de 2016. 

A tumultuada revisão do Simples, no ano passado, não ajudou muito. É certo que o limite de faturamento anual passou de R$ 3,6 milhões para R$ 4,8 milhões, mas o ICMS ganhou um escalonamento próprio com limite diferente. Pode parecer muito, mas na prática, significa que provedores superam a linha até mesmo antes de chegarem a ter 5 mil clientes. Vale lembrar que, para a Anatel, pequeno provedor tem até 50 mil assinantes. 

O próprio segmento admite que as empresas, quando conseguem, tentam evitar o salto abrindo novas pessoas jurídicas. Segundo o consultor e pesquisador do IBPT, responsável pelo estudo sobre os provedores, está aí parte da explicação para a alta de 40% no número dessas empresas entre 2014 e 2016 – de 6,4 mil para mais de 9 mil, considerando-se o segmento que atua em Serviço de Comunicação Multimídia (SCM) e Serviço de Valor Adicionado (SVA). 

“É complicado um sistema tributário no qual as empresas não podem crescer. Mas a infeliz verdade é que o Simples foi criado para as empresas não crescerem. Imagine uma empresa que está faturando R$ 3,6 milhões e tem perspectiva de faturar mais, uns R$ 4,5 milhões. Tem que criar uma nova empresa, porque se crescer a mesma, se ela sair da zona tributária do Simples, o lucro vai cair”, diz Oliveira. 

O fenômeno é fruto direto da aposta de pequenos provedores na construção de infraestrutura própria, passando eles mesmos a prestar serviços de telecomunicações antes comprados das grandes operadoras. “Antes não tínhamos redes de ultima milha, dependíamos das operadoras. E agora construímos e passamos do rádio para a fibra, então passamos a ter um componente de custo que paga ICMS e que aumentou”, diz Rodrigues, da Abrint. 

Mais do que dores do crescimento, porém, o setor reclama de que a tributação inviabiliza que esse desempenho continue. “A questão não é simplesmente de aumento da carga, mas sim porque na prática, a partir de certo nível, a empresa não vive mais. Os provedores estão crescendo, querem sair do Simples, mas não conseguem”, resume o presidente do conselho consultivo da associação, Basilio Perez.


2018: o ano para o Facebook apagar da sua história

Rede social admitiu que houve roubo de dados de 29 milhões de usuários na brecha de segurança descoberta no mês passado. De 15 milhões de usuários violados, foram roubados dois conjuntos de informações: nome e detalhes de contato, incluindo número de telefone, e-mail ou ambos, dependendo do que os indivíduos tinham em seus perfis.

Brasil é o segundo país do mundo a ter portal do Cidadão do Facebook

Ferramenta, criada por conta das eleições nos EUA em 2016, permite a conexão entre eleitores e autoridades eleitas.

Teles seguem governo dos EUA e processam Califórnia contra neutralidade

Quatro associações de empresas do setor de telecom dos Estados Unidos ingressaram na Justiça para tentar bloquear a legislação estadual que retomou regras para a oferta de internet.

Brasil chega aos 4 milhões de endereços ‘.br’

Marca atingida neste 1º/10 inclui as mais de 120 categorias de domínios, sendo que o ‘com.br’ é o mais popular, com 3,6 milhões, ou 91% dos registros. Desse total, 1 milhão já são de registros no padrão mais seguro conhecido como DNSSEC.

Abranet: conceito de ‘pequeno’ da Anatel desconsidera realidade da Internet

Associação Brasileira de Internet adverte à agência que 68% do segmento tem no máximo 500 clientes. Só 158 empresas chegam a 5 mil acessos. "É um risco classificar todos da mesma maneira", sinaliza o representante da entidade, Edmundo Matarazzo.

Revista Abranet 25 . ago-set-out 2018
Veja a Revista Abranet nº 25 Ordenar o uso e organizar o compartilhamento das infraestruturas aérea e terrestre são medidas imperativas para as empresas de energia, telecomunicações e de internet. E muito mais...
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G