GESTÃO

Serasa Experian: empresas vão investir mais em tecnologia por dados pessoais

Por Fernanda Ângelo e Ana Paula Lobo ... 12/06/2019 ... Convergência Digital

As instituições financeiras são as que mais inspiram confiança nos consumidores digitais no Brasil. Este é um dos resultados apontados pela pesquisa Global Identity and Fraud Report, divulgada nesta quarta-feira (12/06) pela Serasa Experian, durante o CIAB Febraban 2019.

De acordo com o levantamento, o segmento de bancos e seguradoras foi citado como o mais confiável para o compartilhamento de dados pessoais por 46% dos entrevistados.  Em segundo lugar, surgem os provedores de meios de pagamento (25%), seguidos pelos provedores de tecnologia (10%).  A pesquisa ouviu 10 mil consumidores e mil empresas em 21 países para identificar o cenário de prevenção a fraude em relação a transações digitais.

A liderança das instituições financeiras se repete no comportamento global, sendo que nos Estados Unidos esse índice foi de 42%, e atingiu o maior percentual (54%) na Colômbia. “O investimento em inovação, redução de riscos e fraudes e o uso transparente e inteligente de informações são referenciais valiosos para alavancar o poder dos dados, o que gera confiança e entrega de experiências cada vez mais relevantes”, disse o diretor de Prevenção a Fraude da Serasa Experian, Eduardo Castro.

E as empresas planejam aumentar os investimentos em tecnologias para garantir o conforto do consumidor durante o uso de seus serviços. Castro afirma que 50% das companhias ouvidas planejam ampliar os investimentos destinados a transparência e prevenção a fraudes.

"As empresas sempre trabalharam com as fraudes mais clássicas, como roubo de documentos, de cartões de crédito, boletos falsos. Agora elas precisam lidar com fraudes mais complexas, e isso exige novos investimentos", afirmou Castro.

O termômetro da confiança

O levantamento também avaliou como o consumidor lida em relação à coleta, uso e armazenamento de seus dados pessoais por parte das empresas. Nesse contexto, o setor financeiro novamente ficou em evidência, com 32% dos brasileiros afirmando que “confiam totalmente” nas instituições financeiras. O mesmo percentual se repete para meios de pagamento, posicionando esses segmentos no Brasil à frente dos demais países.

No cenário global, o nível de confiança nas instituições financeiras chega a ser três vezes maior do que em lojas de varejo online (sites e aplicativos). No Brasil, a diferença chega a 19 pontos percentuais (2,5 vezes maior).“Isso mostra que o investimento robusto em TI e em recursos visíveis de segurança destinados pelo setor financeiro nos últimos anos, a fim de ampliar a proteção de operações e informações pessoais contra fraudes, tiveram reflexo direto e positivo na visão dos consumidores”, destacou Eduardo Castro, exemplificando com a declaração do Imposto de Renda, em que o usuário precisa colocar senha e recebe mensagem de que o arquivo transferido é criptografado.

Segundo o levantamento, os maiores aumentos no nível de confiança, nos últimos 12 meses, também foram nesses segmentos: 33% para bancos e seguradoras e 30% para provedores de meios de pagamento.  À CDTV, do Convergência Digital, Eduardo Castro falou sobre o resultado da pesquisa e do impacto da privacidade dos dados. Assistam.


Carreira
Apps proibidos acirram confronto entre patrões e empregados no home office

Pesquisa mostra que mais de  50% da chamada geração Millenium e da geração Z ignoram as políticas de segurança dos empregadores. Levantamento da PWC, porém, também aponta que pouco mais de 20% das empresas, de fato, estabeleceram regras para o trabalho remoto.

Órgãos públicos estão obrigados a fazer relatórios trimestrais de transformação digital

Monitoramento será acompanhado pela Secretaria Especial de Modernização do Estado da Secretaria Geral da Presidência da República. Norma também aprova 23 planos de transformação digital dos órgãos do governo federal que estão em execução.

Teletrabalho: Brasil somou 8,7 milhões de trabalhadores em home office em junho

Estudo do IPEA mostra que o índice da adesão ao home office no serviço público é mais de três vezes a proporção do setor privado. Em junho, 24,7% dos trabalhadores do setor público exerciam atividade remota, mas, no setor privado, eram apenas 8%.

TCU dispensa papel e adota protocolo 100% digital

Documentos a serem protocolados junto ao Tribunal de Contas da união, para qualquer finaldiade, agora devem ser encaminhados, exclusivamente, por meio dos serviços via internet. 

Trabalho remoto reduziu R$ 466 milhões em despesas de custeio do governo

Levantamento divulgado nesta segunda, 3/8, pelo Ministério da Economia, lista deslocamentos e viagens, além dos serviços de energia elétrica e comunicação como principais cortes com a pandemia de Covid-19.




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G