TELECOM

Provedores internet vão à Casa Civil pedir veto ao novo marco legal de telecom

Luís Osvaldo Grossmann ... 24/09/2019 ... Convergência Digital

Representantes de 10 associações de provedores regionais de internet foram nesta terça, 24/9, ao ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, para pedir vetos ao novo marco legal das telecomunicações, aprovado pelo Senado em 11/9 e à espera da sanção presidencial. Para as entidades, o novo marco legal não resolve a demanda por internet, afeta a competição e prejudica os consumidores. 

“Não acreditamos que o PLC 79/2016 seja a solução para a massificação da banda larga. Ao contrário, se sancionado tal qual aprovado pelo Legislativo poderá comprometer a competitividade no setor e, em última análise, trazer mais prejuízos do que benefícios aos consumidores brasileiros”, diz o documento subscrito por Abramulti, Abrint, Apims, Apronet, Internetsul, Probahia, Redetelesul, Seinesba e Seinesp em nome de 12 mil empresas. 

Emendam que “os vetos, se acolhidos, poderão evitar a possível judicialização dos temas e um desgaste desnecessário para o Governo, uma vez que temas polêmicos seriam excluídos do texto a ser sancionado”. Entre os pleitos, as associações e sindicatos querem que Jair Bolsonaro vete o pilar do projeto, o acerto de contas que vai definir quanto as concessionárias devem assumir em compromissos de investimento para transformarem os atuais contratos em autorizações de serviço. 

Essa conta envolve os ganhos com o fim de obrigações de universalização, como os orelhões ou os prazos de instalação, mas também o valor do patrimônio que será definitivamente transferido às empresas privadas, justamente onde reside parte da controvérsia apontada pelos provedores internet. 

“Nossa maior preocupação é que passe a existir uma competição patrocinada por recursos públicos destinados para investimentos em banda larga em municípios ou áreas em que os provedores já atuam", explica o presidente do Conselho de Administração da Abrint, André Felipe Rodrigues.

A lista de vetos pedidos inclui o “§ 1o. do Art. 144–B, introduzido pelo Art. 2o. do PLC 079”, que trata do valor econômico da adaptação; o “Art. 144-C e seu parágrafo único, também introduzido pelo Art. 2o. do PLC 079”, que menciona expressamente os bens reversíveis; bem como as “alterações nos Artigos 167 e 172, que visam à permissão para renovações indefinidas de licenças de radiofrequência e do direito de exploração de satélite, introduzidas também pelo Art. 2º do PLC 79”.

No conjunto, alegam que a indicação dos cálculos do valor da migração “a partir da adaptação”, como diz o novo texto, e não desde o primeiro dia da concessão, permite enriquecimento sem causa das concessionárias. Além disso, a restrição ao que chama de visão funcionalista dos bens reversíveis também permite enriquecimento imotivado, como no caso da venda de imóveis que já foram considerados reversíveis e deixariam de ser. Já veto à prorrogação sucessiva de outorgas de frequências e satélites impediria a perpetuação de um mesmo concorrente, sem condicionantes ou obrigações. 


Internet Móvel 3G 4G
Claro monta show com holograma para demonstrar uso do 5G

Concerto que celebrou 50 anos do Led Zeppelin no Allianz Parque, em São Paulo, usou realidade virtual na apresentação da Nova Orquestra com participação à distância do músico Lucas Lima. 

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Anatel simplifica e zera custo para homologar produtos de Telecom

"A isenção da taxa é imediata e vale para todos os produtos homologados pela Anatel – inclusive radioamadores, drones e produtos importados para uso do próprio usuário”, disse o presidente da Agência Reguladora, Leonardo Morais.

Anatel: Tirando Oi, Telefônica, Claro, TIM e Sky todas as demais são pequenas prestadoras

Critério mudou de 50 mil acessos para 5% de cada mercado relevante, telefonia fixa e móvel, internet e TV paga.  Definição permite a isenção de uma série de obrigações regulatórias.

Acordo entre Enel e teles tenta novo mutirão de ‘limpeza’ dos postes em SP

Meta de limpar 1,8 mil postes até dezembro foi acertada com Vivo, Claro, TIM, Oi e Telcomp e o Procon-SP. 

Teles fazem campanha por conta digital sem papel

Segundo Sinditelebrasil, 76 milhões de clientes ainda recebem faturas impressas todos os meses – em média, 152 milhões de folhas. 




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G