TELECOM

Sociedade civil: é a privatização da privatizaçao das Telecomunicações

Luís Osvaldo Grossmann ... 04/10/2019 ... Convergência Digital

Entidades da sociedade civil lamentaram nesta sexta, 4/10, a sanção sem vetos do novo marco legal das telecomunicações, com a Lei 13.879/19. O fim do regime público na prática, a concentração econômica com outorgas sucessivas e especialmente o tamanho dos compromissos a serem assumidos pelas empresas são pontos de preocupação apontados pela Coalizão Direitos na Rede, Invervozes e pelo Clube de Engenharia. O tema foi alvo de debate durante o 9º FórumBR, em Manaus (AM). 

“Lamentavelmente foi sancionada essa lei, que é a privatização da privatização. A sociedade civil se opôs e apresentou alternativa, até porque com o fim do regime público o Estado deixa de ser responsável pelo serviço mesmo quando essencial. Além do prejuízo com a previsão que o cálculo só considere os ganhos a partir da adaptação, e não todo o período desde a privatização, temos que acompanhar muito de perto a valoração dos compromissos, porque existe uma controvérsia enorme de valores entre o que a sociedade civil e órgãos de controle apontam e o que o governo tem indicado”, afirma a advogada Flávia Lefèvre, do Intervozes, representante da sociedade civil no Comitê Gestor da Internet. 

A maior controvérsia é de longe o tratamento a ser dado aos bens reversíveis. Como aponta a advogada, circulam no governo contas do Ministério da Economia para algo próximo a R$ 18 bilhões nesse patrimônio. “Mas em 2013, a própria Anatel estimou redes de acesso e transporte em R$ 71 bilhões”, afirma. Além disso, o movimento toma como base um Acórdão do TCU (3.311/15), que aponta para R$ 105 bilhões. 

O diretor do Clube de Engenharia, Márcio Patusco, lembra que não é trivial a separação entre o que é infraestrutura dos regimes público e privado. “Recursos da telefonia fixa e da internet se confundem, tanto no backhaul como na última milha. O aproveitamento da infraestrutura da telefonia fixa é feito pela banda larga”, avalia. Afinal, as entidades ressaltam que mesmo com avanços das fibras ópticas, são as redes de cobre que ainda garantem um terço de toda a cobertura de banda larga fixa no Brasil. 

Outros pontos do projeto de lei vistos com restrição pelo movimento são as prorrogações sucessivas de outorgas para uso de radiofrequências e de posições orbitais para satélites. “Fomenta concentração das maiores operadoras”, emenda Patusco, do Clube de Engenharia. Ou, como resume a Coalizão Direitos na Rede, que reúne 33 entidades de direito à comunicação, em manifesto nesta mesma sexta, “sancionado sem vetos, o PL das Teles vai concentrar mercado, quebrar pequenas empresas e desresponsabilizar o Estado pela ampliação da banda larga, essencial para o exercício da cidadania”. 


Internet Móvel 3G 4G
Claro monta show com holograma para demonstrar uso do 5G

Concerto que celebrou 50 anos do Led Zeppelin no Allianz Parque, em São Paulo, usou realidade virtual na apresentação da Nova Orquestra com participação à distância do músico Lucas Lima. 

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Anatel simplifica e zera custo para homologar produtos de Telecom

"A isenção da taxa é imediata e vale para todos os produtos homologados pela Anatel – inclusive radioamadores, drones e produtos importados para uso do próprio usuário”, disse o presidente da Agência Reguladora, Leonardo Morais.

Anatel: Tirando Oi, Telefônica, Claro, TIM e Sky todas as demais são pequenas prestadoras

Critério mudou de 50 mil acessos para 5% de cada mercado relevante, telefonia fixa e móvel, internet e TV paga.  Definição permite a isenção de uma série de obrigações regulatórias.

Acordo entre Enel e teles tenta novo mutirão de ‘limpeza’ dos postes em SP

Meta de limpar 1,8 mil postes até dezembro foi acertada com Vivo, Claro, TIM, Oi e Telcomp e o Procon-SP. 

Teles fazem campanha por conta digital sem papel

Segundo Sinditelebrasil, 76 milhões de clientes ainda recebem faturas impressas todos os meses – em média, 152 milhões de folhas. 




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G