Home - Convergência Digital

Claro vai fornecer WiFi nativo em todos os carros da GM na América Latina

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann* - 13/09/2019

Depois de anunciar o sistema de WiFi nativo para o sedã médio Cruze, a GM apresentou nesta sexta-feira, 13/9, em Porto Alegre, a conectividade 4G em seu carro de entrada, o Onix, e avisou que o acordo firmado com a operadora Claro passa a valer para todos os automóveis novos que saírem de fábrica no Brasil e demais países da América Latina. Esses dois primeiros modelos começam a ser vendidos neste mês de setembro. 

Segundo a Claro, o acordo com a montadora favorece a qualidade do sinal porque os carros têm antenas específicas para essa conexão. Além disso, o sistema se vale da combinação de uso das faixas de 700 MHz, 1,8 GHz e 2,5 GHz para melhor performance, a exemplo do que o mercado apelidou de ‘4,5G’. Na experiência em Porto Alegre, foi possível atingir mais de 50 Mbps de download. 

“A conectividade nativa, comparada com o que se tem no mercado hoje, traz um diferencial muito grande que é a instalação de antenas externas que garantem uma experiência melhor. Com isso garante um 4G muito mais estável, maior velocidade e a captação do sinal mais longe das estações radiobase”, afirma o diretor de IoT da Claro, Eduardo Polidoro. O sistema se vale de chips eSIM pré-instalados nos automóveis. 

Com o lançamento, quem comprar um Cruze (a partir de R$ 96 mil) ou um Onix (a partir de R$ 54 mil), terá três meses, ou 3GB, de degustação do WiFi. Depois disso, será preciso contratar um plano junto à Claro, de 2, 5, 10 ou 20 GB de franquia mensal de dados. Por enquanto, apenas o plano de 2 GB tem preço definido, R$ 29,90. Os demais ainda estão sendo negociados entre as empresas.

A contratação é independente da montadora e 100% da receita pela conectividade fica com a Claro. E embora não seja preciso já ser cliente da operadora, as duas empresas também estão em tratativas para a oferta planos especiais. A ideia é que para os clientes haja oferta de conteúdo do Now, Claro Vídeo e aplicativos como Netflix sem o consumo da franquia de dados. 

Segundo as empresas, os carros com esse sitema de WiFi nativo também fazem as vezes de ‘hotspot’, uma vez que o sinal tem alcance superior a 15 metros. E a indicação é de que será possível conectar até sete dispositivos simultaneamente.  Assista  a entrevista feita com o diretor de IoT da Claro, Eduardo Polidoro.

* O repórter viajou à Porto Alegre a convite da Claro

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

15/10/2019
Claro premia soluções móveis de estudantes e recém formados

09/10/2019
Claro e TIM perdem. Oi fica sem poder de mercado em São Paulo, Centro-Oeste e Sul

09/10/2019
Por R$ 1,2 milhão, Claro fica com contrato de telefonia móvel para atender Anatel

30/09/2019
Anatel dá dois meses para Claro devolver faixa de 850 MHz da Nextel

23/09/2019
TIM: Sem antena e capacitação de mão de obra, agricultura 4.0 não sai do papel

17/09/2019
Campo conectado exige a instalação de muita antena

16/09/2019
Wi-Fi Alliance disponibiliza certificação para o Wi-Fi 6

13/09/2019
Claro vai fornecer WiFi nativo em todos os carros da GM na América Latina

09/09/2019
CADE aprova compra da Nextel pela Claro sem restrições

23/08/2019
Anatel aprova consulta para aumentar potência do Wi-Fi

Destaques
Destaques

5G chegará a 75 milhões de conexões na América Latina até 2023

Até lá, a tecnologia LTE segue com um crescimento considerável. Em junho foram 4,7 bilhões de conexões, ou 53% de todas as conexões celulares no mundo, revela a 5G Americas.

TVs defendem migração da banda C para Ku e calculam custo em R$ 2,9 bilhões

Abratel, que representa Record e Rede TV!, apresentou formalmente à Anatel uma proposta de migração das transmissões como forma de evitar a interferência do uso da faixa de 2,5 GHz nas antenas parabólicas.  

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site