Home - Convergência Digital

Celulares mais simples vendem como nunca no 2º trimestre

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 25/09/2019

Os meses de abril, maio e junho foram atípicos para o mercado brasileiro de celulares, revela estudo da IDC Brasil. No período, foram vendidos 852 mil unidades de feature phones, os celulares mais simples do mercado, crescimento de 34% em relação ao segundo trimestre de 2018, movimento que não acontecia desde o terceiro trimestre de 2016, quando o cenário econômico fez o consumidor buscar celulares mais baratos e registrou aumento de 48%. Quanto ao mercado de smartphones também registrou alta de 6,2%, com 12,1 milhões de unidades vendidas, superando as previsões que indicavam queda de 6%.

Segundo Renato Meireles, analista de Mobile Phones & Devices da IDC Brasil, o surpreendente resultado das vendas de feature phones foi impulsionado pela entrada de um novo sistema operacional para a categoria, o KaiOS. O KaiOS deixou os feature phones inteligentes e passou a atender o consumidor que prefere modelos mais simples e fáceis de usar, mas que também quer usar os aplicativos que já fazem parte da rotina do brasileiro. Com as inovações, o preço do celular aumentou 4% e passou a custar, em média, R$ 132. A receita também cresceu e no segundo trimestre de 2019 foi de R$ 112, 7 milhões, 39,3% maior que no mesmo período do ano passado.

Já o aumento no segmento de smartphones aconteceu pela renovação do portfólio de algumas fabricantes. “O consumidor encontrou aparelhos com recursos novos, especificações bem diferenciadas e atributos muito esperados nos últimos meses”, informa o analista da IDC Brasil. Ele lembra que a entrada de novas fabricantes no País também marcou o período. O preço médio ficou em torno de R$ 1.252, o que resultou em um faturamento de R$ 15,1 bilhão, 15,6% a mais do que o segundo trimestre de 2018.

Para o terceiro trimestre, a previsão da IDC Brasil para o mercado de feature phones é de alta de 31,4%. Os smartphones, pelo contrário, deverão ter queda de 1%, devido ao alto estoque nos canais.  Segundo Meireles   as fabricantes deverão ofertar smartphones com preços mais baixos – no segundo trimestre o preço médio subiu 8,9% - e o varejo deve fazer promoções para estimular o consumo e baixar os estoques.

Com os resultados do estudo Mobile Phone Tracker Q2/2019, a IDC Brasil reviu suas expectativas para 2019, e a previsão para o mercado de feature phones passou de um crescimento de apenas 0,4% para 26,1%, com 3,2 milhões de celulares vendidos. Já o mercado de smartphones deve fechar o ano com vendas de 45 milhões de aparelhos, queda de 1,3%, pouco melhor do que o saldo negativo de 2,4% inicialmente projetado.

 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

22/10/2019
Chinesa Xiaomi promete lançar 10 celulares 5G em 2020

25/09/2019
Celulares mais simples vendem como nunca no 2º trimestre

28/08/2019
Smartphones receberam seis tentativas de ataques por minuto na América Latina

01/08/2019
Brasileiro elege o smartphone como meio digital para fazer transação bancária

24/07/2019
Metade dos brasileiros não bloqueia aparelho e linha em caso de roubo

17/06/2019
Compra de smartphone mais caro cresce 247% no 1º tri no Brasil

28/05/2019
Celulares Top vendem menos e modelos básicos turbinam fabricantes chinesas

03/05/2019
Apple despenca e Huawei assume segundo lugar no ranking de celulares

25/04/2019
Brasil precisa decifrar a transformação digital pelos smartphones

22/04/2019
Crise econômica e alta nos preços travam a venda de smartphones no Brasil

Destaques
Destaques

5G exige políticas públicas e apoio do Governo

Como ressalta o diretor de relações governamentais da Huawei, Carlos Lauria, investimentos pesados em infraestrutura de redes envolvem políticas públicas em qualquer país. 

5G já trouxe aumento de receitas para as operadoras

“Na Coreia, são 3,5 milhões de clientes em seis meses, 1 milhão com serviços de valor adicionado. Em apenas um trimestre as operadoras aumentaram as receitas em 2%”, afirma o diretor de soluções da Huawei, Carlos Roseiro. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site