OPINIÃO

O Brasil na era da Economia Digital

Por Fernando Loureiro*
03/10/2017 ... Convergência Digital

O mundo passa por uma revolução: a de negócios baseados em dados. Países como Alemanha, Reino Unido, Índia e, mais próximo de nós, Chile, Colômbia, México e Peru, já embarcaram nessa realidade por meio de propostas de políticas públicas para uma Agenda Digital, ou seja, a transformação digital de suas economias. 

O alicerce dessa revolução está na adoção de novas formas de tecnologias, as famosas TICs (Tecnologia da Informação e Comunicações). Os resultados são impactantes. Estamos falando em ganhos de produtividade, de competitividade e aumento nos níveis de renda e geração de empregos, além de novos serviços digitais que beneficiam a sociedade e oferecem transparência nos uso e destino dos recursos públicos. 

No início de agosto, o Governo Federal abriu a consulta pública sobre o plano “Estratégia Brasileira para a Transformação Digital”. É um programa que identifica um conjunto de diagnósticos, diretrizes e metas para os próximos cinco anos, visando criar um ambiente que dê condições para uma transformação digital em diferentes áreas. De modo geral, as ações buscam ampliar o uso e o acesso às TICs, como, por exemplo, investimentos para que a cobertura de internet que chegue a todos os municípios do Brasil, expansão da rede de transporte de dados em fibra ótica, digitalização de processos produtivos e valorização de profissionais especializados em engenharia elétrica e de telecomunicações.

Até hoje, as políticas públicas voltadas de alguma forma ao desenvolvimento digital sempre priorizaram a fabricação local de equipamentos, com padrões específicos para o Brasil, de uma forma que estimulasse a oferta de produtos de tecnologia – o que teve méritos dentro de uma realidade existente na época. Mas o mundo hoje é outro. Não se trata de uma demanda apenas de indústrias e setores específicos; é necessário estimular a demanda e a adoção de tecnologia em todas as esferas da economia e por toda a sociedade, incluindo o próprio setor público. 

Uma política digital deve focar em promover e estimular a adoção de tecnologia e não controlar ou prevenir a inovação. Há que se entender que a internet não é um atalho para o desenvolvimento, mas um acelerador e facilitador que permite esta revolução. E, como em qualquer construção, é fundamental iniciar pela base, com investimento em uma infraestrutura tecnológica de última geração: data centers, dispositivos de acesso à informação e conectividade – já trabalhando com o futuro dos dados na tecnologia 5G. 

Destaco, por exemplo, o volume de dados em grande escala. Estima-se que até 2020 haverá mais de 16 zetabytes – o que corresponde a 16 trilhões de gigabytes – de dados úteis circulando diariamente pelo mundo, um crescimento estimado de 236% por ano a partir de 2013. Considerando que dados são o novo petróleo, e que o uso de data analytics é um dos motores da inovação empresarial, precisamos pensar políticas públicas que incentivem o aumento da capacidade de processamento de dados no país.

Novas formas de alavancar a competitividade nacional também estão no incentivo ao desenvolvimento de algoritmos de inteligência artificial, em aplicações de condução autônoma e na Internet das Coisas (IoT). Dados levantados pela União Europeia mostram que o mundo alcançará a marca de mais de 30 bilhões de dispositivos conectados à Internet em 2020 e que o IoT, nos diversos setores econômicos, pode chegar a US$ 11,1 trilhões em 2025, o que corresponderia a 11% da economia global, de acordo com a consultoria McKinsey.

A Estratégia Brasileira para a Transformação Digital deve estipular claramente um modelo de governança que dê sustentabilidade, credibilidade e longevidade para esta Agenda. Também precisa deixar muito claro qual o objetivo central e o propósito destas ações, além, é claro, de estabelecer os indicadores de sucesso para cada ação específica de forma que a sociedade possa reconhecer e entender os impactos e benefícios de cada uma delas.

Recolocar o Brasil como um protagonista na economia mundial passa por estratégias claras e efetivas. O País não pode perder esse bonde. Quem não entender esta nova dinâmica e não planejar essa conversão para a economia baseada em dados, de forma objetiva e célere, certamente entrará numa defasagem digital, que pode, inclusive, trazer um impacto negativo para a vida de seus cidadãos.  Não temos muito tempo. Devemos enviar uma mensagem clara para a comunidade internacional: O Brasil é um País Digital. E estamos abertos ao mundo.

Fernando Loureiro é Diretor de Políticas Públicas da Intel para a América Latina


Carreira
Dissídio dos trabalhadores de TI de São Paulo segue sem definição no TRT

Audiência de conciliação aconteceu em maio e, de lá para cá, as partes estão aguardando os trâmites do Tribunal. Até que saia uma decisão, a Convenção Coletiva de 2017 é válida para a categoria.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

Governo precisa atuar como coordenador na remoção às barreiras inúteis em Telecom

Se não é possível ao governo fazer investimentos, que ele funcione como um coordenador e incentive o diálogo com os órgãos que, hoje, dificultam os investimentos em redes, diz o presidente-executivo da TelComp, João Moura. Novo ciclo do PGMC é a última oportunidade para fomentar a inclusão.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G