Home - Convergência Digital

Mercado de IoT projeta movimentar US$ 8 bilhões no Brasil em 2018

Convergência Digital - Carreira
Fernanda Ângelo - 17/10/2018

A Internet das Coisas (IoT) – ou Indústria 4.0 – no Brasil caminha a passos rápidos, com bons casos de uso em diferentes segmentos. Em 2018, o mercado total de IoT no País deve chegar a US$ 8 bilhões, segundo Jamile Sabatini Marques, diretora de inovação e fomento da Associação Brasileira das Empresas de Software (Abes). Mas ainda há muito espaço para crescer – e muito trabalho a ser feito.

Em painel realizado nesta quarta-feira, durante a Futurecom 2018, a diretora conversou com executivos de telecom e TI sobre os desafios e esforços do governo brasileiro para incentivar o crescimento de IoT no País. Entre eles, ela reforçou o lançamento, em julho deste ano, de uma linha de financiamento específica para projetos de Internet das Coisas, o Finep IoT – que destinará R$ 1,5 bilhão a iniciativas desta natureza. O plano prevê o financiamento de até 80% de projetos com valor mínimo de R$ 5 milhões, a juros de aproximadamente 3% ao ano.

“Mas estamos em ano eleitoral, então a nova linha de financiamento não pode ser amplamente divulgada pelo governo. E ela só estará disponível até dezembro”, lamenta Thiago Camargo Lopes, secretário de políticas digitais do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). “Para que seja prorrogado, é preciso que seja utilizado”, advertiu.

De acordo com Jamile, o plano de ação de Internet das Coisas para o Brasil tem impacto potencial de US$ 50 a US$ 200 bilhões por ano até 2025, valor que representa cerca de 25% do PIB brasileiro. A diretora da Abes explica que o impacto envolve tudo aquilo que pode ser melhorado com IoT – desde economias financeiras até aumento de expectativa e qualidade de vida, por exemplo.

Empresas e governo, de fato, tem trabalhado no sentido de viabilizar a inovação. Das questões burocráticas à mão de obra, no entanto, falta muito para fechar o ecossistema localmente e tornar o Brasil referência na indústria global. “É preciso beneficiar o empreendedor brasileiro. Não da para o investidor esperar 10 anos para ter uma patente. É evidente que ele vá leva-la para fora”, diz Lopes.

“Normalmente, a tecnologia não está no Brasil”, diz Elisabete Couto, diretora de IoT da Embratel. “Nós entendemos como o cliente quer usar a inovação, trazemos a tecnologia de fora, buscamos um parceiro localmente, financiamos um protótipo e trabalhamos até chegar à solução ideal para o cliente”, explica a executiva. O processo poderia ser mais eficiente e menos custoso se houvesse recursos no País.

Rodrigo Parreira, CEO da Logicalis, observa que, enquanto as questões técnicas podem ser solucionadas com o suporte de cadeias de produção mais desenvolvidas, mesmo que estejam no exterior, é importante que a indústria local defina as suas prioridades. “Qual o valor que queremos capturar? Capacidade de formular a solução, de produzir, manufaturar? É necessário fazer essa discussão mais rapidamente”, sugere. Parreira não deixa de lado a questão da formação: “Essa revolução tecnológica vai demandar novas capacidades e modelos de formação. A questão de gente é um dos grandes gargalos que o País enfrentará para capturar todos os benefícios que a Indústria 4.0 pode trazer”.

Para a CIO da Klabin, Tatiana Medina, além da questão de formação, a falta de colaboração entre players – fornecedores e tomadores das tecnologias de IoT no Brasil – é outro aspecto que merece atenção. “Colaboração é um ponto fundamental para escalar essa tecnologia dentro do Brasil e depois levar isso para fora”, aconselha.

Referência global

Os desafios são muitos, mas para os executivos do painel, se o Brasil começar logo, ainda pode ser ator importante no avanço global de IoT. “A prioridade maior é começar”, resume Eduardo Iha, diretor de Negócios da WND. “Já se entendeu o caminho que deve ser seguido, já há condições de começar a realizar testes. Só assim vamos descobrir problemas, solucioná-los e evoluir”, diz o executivo, destacando que, há um ano, a WND tinha apenas dois sensores de IoT homologados. Hoje são 30, e o número deve chegar a 50 até o final do ano.

Leonardo Finizola, diretor de desenvolvimento de novos negócios da Nokia, falou sobre a necessidade de políticas específicas de ecossistemas em temas nos quais o Brasil possa ser líder no exterior. “Estamos trabalhando muito em setores fundamentais para a economia. Se os setores tiverem políticas de ecossistema em temas específicos para que possamos ser líderes lá fora será muito importante.”

A continuidade de políticas públicas que promovam a inovação e o cuidado com as pessoas também deve estar, na opinião de Edvaldo Santos, diretor de Pesquisa e Desenvolvimento e Inovação da Ericsson, entre as prioridades do plano de ação brasileiro de Internet das Coisas. “O Brasil tem capacidade de participar dessas cadeias globais se cuidarmos bem de nossa gente. Devemos educar pessoas com vistas às capacidades do futuro próximo e distante”, avalia. “O talento brasileiro é muito criativo e orientado a resultado. Isso faz bem para a empresa, para a universidade e para o País”, conclui.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

15/04/2020
Internet das Coisas: Quase 30% das empresas sofreram incidentes de segurança

25/03/2020
Brasil contabiliza 19% dos projetos de IoT em produção na América Latina

18/02/2020
Conexão das coisas será quase a metade dos acessos à Internet no Brasil em 2023

14/02/2020
É urgente fazer software inteligentes para avançar Internet das Coisas no Brasil

10/02/2020
Bosch usa o Tinbot, robô brasileiro, para ampliar negócios em IoT

31/01/2020
Financiamento para IoT no BNDES recebe propostas até o dia 07

22/01/2020
Vivo chega a 10 milhões de dispositivos conectados à IoT

16/01/2020
Rede de IoT da American Tower atinge 220 cidades

07/01/2020
O carro será uma Internet das Coisas

18/12/2019
Fazendas da Atto Sementes contratam 4G e IoT da Vivo

Destaques
Destaques

Leilão 5G: TIM e Claro defendem adiamento. Vivo adverte para momento incerto

TIM e Claro se posicionam claramente contra a realização do leilão ainda em 2020. A Vivo se mostra mais cautelosa, mas admite que está tudo muito nebuloso por conta da economia e da pandemia de Covid-19. Todas asseguram que o momento ainda é de muito investimento no 4G e no 4,5G.

Operadoras pedem que edital do 5G traga compromissos na nova tecnologia

Mas Anatel lembra que reduzir preço das frequências para exigir investimentos que o mercado já faria naturalmente não faz sentido na licitação. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Para além da guerra da saúde pública, não adiem o leilão do 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

O setor de telecomunicações tem suportado a sobrecarga derivada da pandemia de Covid-19. Mas, reforcem essas redes com tecnologia mais avançada para prover serviços de baixa latência. Dessa forma, não se postergue o leilão das redes ditas de quinta geração (5G) e atenção à segurança cibernética.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site