Home - Convergência Digital

TST enquadra como abusiva greve contra privatização de estatais

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 12/02/2019

A Seção de Dissídios Coletivos do Tribunal Superior do Trabalho decidiu na segunda-feira, 11/2, que greve contra privatização é abusiva. Ou seja, os trabalhadores que cruzarem os braços em protesto contra a venda de empresas estatais podem ter os salários descontados.

Por quatro votos a seis, venceu o voto do ministro Ives Gandra Martins Filho, que abriu a divergência. Segundo ele, greves não podem ter objetivos políticos não relacionados às relações de trabalho. E protestar contra a privatização de estatais não é uma causa trabalhista, avaliou. Foi acompanhado pelos ministros Renato Lacerda Paiva, Aloysio Corrêa da Veiga e Dora Maria da Costa.

O relator, ministro Maurício Godinho, ficou vencido. Para ele, greves do tipo são pela manutenção dos empregos e, por isso, não podem ser consideradas políticas. “Existem normas da OIT que dizem o mesmo, não podendo ser entendido o contrário”, votou. Ele foi acompanhado pela ministra Kátia Arruda.

O caso concreto em análise foi uma greve de funcionários da Eletrobras em junho de 2018, quando anunciado o avanço das negociações para a venda da estatal. De acordo com a empresa, autorizar a greve poderia gerar a paralisação de 24 mil funcionários, o que resultaria em problemas no abastecimento de energia no país inteiro.

Fazem parte da Eletrobras 47 hidrelétricas, 114 termelétricas, 69 usinas eólicas e duas usinas nucleares. A empresa possui 70 mil km de linhas de transmissão e detêm 10% do mercado de distribuição.

A intenção dos grevistas era barrar a tramitação de projetos que tratem da privatização da Eletrobras:  Projeto de Lei 9.463/18, que trata da desestatização da Eletrobras; o Decreto 9.188/2017, sobre desinvestimento das Empresas de Economia Mista e o PL 1917/2015, que abrange a Portabilidade da Conta de Energia.

* Do Conjur

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

28/02/2019
TST para de julgar terceirização à espera de Acórdão do STF

12/02/2019
TST enquadra como abusiva greve contra privatização de estatais

05/11/2018
Reforma Trabalhista reduziu número de processos trabalhistas em 17,4%

26/10/2018
TST condena Telefônica por cobrar metas fora do expediente via WhatsApp

08/02/2018
Ameaça trabalhista pelo Facebook gera indenização de R$ 5 mil

14/06/2017
Telefônica terá que indenizar atendente por uso restrito do banheiro

05/06/2017
Funcionários do Serpro querem R$ 1,1 bilhão em ação trabalhista

04/05/2017
TST nega contrato de músico para conversão em toques de celular

30/11/2016
TST adota julgamentos em ambiente eletrônico

14/11/2016
TST manda Telefônica indenizar empregado que criou software contábil

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O futuro do trabalho colocado à prova

Por Luiz Camargo*

Novas profissões exigem também novas habilidades para acompanhar a revolução digital. Os novos empregos certamente irão demandar habilidades analíticas, matemáticas e digitais, com um toque de neurociência.

Destaques
Destaques

STF anula decisão do TST e reforça valor legal da terceirização

Decisão aconteceu em uma ação de uma atendente contratada pela Contax, prestadora de serviços de call center, para atuar como terceirizada na Telemar Norte Leste.

Mais de 60% dos brasileiros estão infelizes, mas têm medo de mudar de emprego

Estudo da Brands2Life, com o LinkedIn, traz um dado assustador: 80% dos brasileiros não se candidata para a vaga de trabalho que gostaria. Cerca de um terço dos profissionais deixa de se candidatar a uma nova vaga por falta de confiança na sua própria capacidade.

Serviços de TI e de Telecom podem ser 100% terceirizados no Governo Federal

Também foi incluída na lista divulgada pelo governo Federal o serviço de teleatendimento. Decisão está publicada na portaria 443/2018.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site