TELECOM

Para Enel, clandestinidade é maior entrave ao uso de postes por telecom

Luís Osvaldo Grossmann ... 25/06/2019 ... Convergência Digital

Um dos principais problemas para a expansão das redes de telecomunicações nas grandes cidades é como resolver o uso dos postes do setor elétrico como estruturas de suporte aos cabos, cada vez mais de fibras ópticas. E para quem detém os postes, a experiência já indicou que nem cortar os cabos resolve. O caminho seria o compartilhamento dos cabos. 

“As operadoras têm que ocupar apenas um ponto, manter identificados os fios, seguir plano de ocupação, solicitar compartilhamento, além de regularizar pelo menos 2,1 mil postes ao ano. Hoje, a clandestinidade é conveniente. Não há responsabilização. Cada um coloca sua rede no poste e esquece do resto”, afirma o diretor de regulação mercado Enel, antiga Eletropaulo, Sidney Simonaggio. 

Segundo ele, no caso específico da empresa paulista há pelo menos 300 operadoras competindo por espaço nos postes, mas somente cerca de 100 delas com relação contratual efetiva com a distribuidora de energia. “Para mudar e reordenar o caos, só com uma mudança radical no modelo de negócios. Se temos 8 mil operadores no país e só na nossa área cerca de 300, é preciso uma rede compartilhada única. Se cada um tiver o seu, não vai dar”, afirma. 

Mas o debate sobre o tema, promovido pelo portal Telesíntese nesta terça, 25/6, sugere que teles e empresas de energia não estão em sintonia. A Vivo sugeriu a adoção de um paliativo: estruturas que multipliquem os atuais seis pontos de fixação em cada poste para mais, até 10. Mas a proposta foi descartada pela Enel. Compartilhar mais pontos só fará que o excesso vertical vire excesso horizontal. Não vai rolar. Se o ambiente é de saturação, tem que mudar a solução. Não há regra que divida harmonicamente 6 pontos para 300 interessados”. 


Faixa de 1,5 GHz também pode ser destinada ao 5G para uso privado

Proposta foi apresentada em reunião do Conselho Diretor da Anatel.  Mas a faixa é usada pela Força Aérea Brasileira para aplicações de telemetria. Agência sugere destinar 30 MHz para satélites, como forma de evitar interferência.

Telefone ainda é o canal preferido para reclamações sobre serviços

Desde o início da pandemia da Covid-19, mais de um terço das solicitações (36%) foi encaminhada por telefone, bem à frente chat (21%) e email (20%).

Anatel publica novo regulamento de arrecadação de tributos

Norma disciplina recolhimento do FUST, Fistel, e da Contribuição para o Fomento da Radiodifusão Pública.

Oi: Atraso do novo marco de Telecom jogou ao menos R$ 3 bilhões no 'ralo'

A migração de concessão para autorização só vai acontecer se o processo for sustentável. "Ou resolvemos antes ou esse problema termina em 2025", afirmou o CEO da Oi, Rodrigo Abreu. Sobre a Anatel, principal credora da Oi, o executivo disse que vai busca nova negociação. A volta do Minicom é positiva. "Teremos um interlocutor mais próximo".

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G