Home - Convergência Digital

Mais de 60% dos brasileiros estão infelizes, mas têm medo de mudar de emprego

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 14/02/2019

Um levantamento realizado pela empresa Brands2Life, em parceria com o LinkedIn, mostra que cerca de 79% dos trabalhadores brasileiros não se candidatam à vaga de emprego que têm interesse. O principal motivo, 18% dos casos, é por medo de que o novo trabalho seja pior que o atual. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2014, 1,27 milhão de pessoas bem qualificadas e em plena idade produtiva entraram em desalento. Isto é, quando o trabalhador desiste de procurar emprego porque acha que não vai mais conseguir encontrar uma vaga.

Permanecer em uma empresa, mesmo que infeliz e sem inspiração, já foi realidade para 63% dos profissionais. Vinte e três por cento das pessoas se dizem se encontrar nesta situação atualmente, em sua maioria mulheres (68%). A apreensão por aceitar um novo cargo é a segunda maior razão (16%) que impede os brasileiros de se candidatarem a outras vagas. Em seguida, está o medo de desapontar o atual empregador (15%), o medo de rejeição e de não ser bem-sucedido (14%) e o de não ter experiência o suficiente (13%). O receio de não poder alterar a rotina para participar de processos seletivos também está no ranking, presente em 10% dos casos. É comum que os processos de seleção envolvam atividades à tarde e, muitas vezes, o profissional não quer informar ao empregador que está buscando outro trabalho.

Os dados também revelam que quanto maior a idade da pessoa, maior é a relutância para se candidatar a uma vaga. Profissionais entre 18 e 34 anos que estão infelizes no emprego atual tendem a demorar 8 meses para começar a pensar em sair. Já aqueles que têm entre 45 e 54 anos demoram, em média, 20 meses.
Em contraponto, as pessoas mais velhas tendem a ter mais confiança em suas capacidades. Cerca de um terço dos profissionais deixaram de candidatar-se a um novo emprego por falta de confiança, em sua maioria aqueles entre 18 e 34 anos (42%). Segundo a pesquisa, essa falta de confiança pode vir por apreensão de se afastar de sua zona de conforto (38%) ou até por acharem que há outros candidatos mais qualificados para o cargo (28%).

O estudo também pontua quais os maiores motivos que levam as pessoas a mudar de emprego. Como esperado, o principal é aumento de salário (43%), seguido por melhores chances de progressão de carreira na empresa (35%) e busca por novos desafios (33%).

Melhores benefícios, melhor equilíbrio entre vida pessoal e profissional e oportunidade de viajar também aparecem entre as maiores razões. O levantamento “Jobstacles” foi realizado a partir de um questionário online, com 501 brasileiras e brasileiros de todas as regiões do país, entre 25 de setembro de 2018 a 1º de outubro de 2018.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

14/08/2019
A urgência de cultivar talentos para TIC no Brasil e no mundo

13/08/2019
RH da OLX define planos de cargos e salários como ultrapassados

12/08/2019
Programa Fábrica de Talentos capacita mais de 300 alunos

05/08/2019
Dizer não é saudável para o ambiente de trabalho

05/08/2019
Polo Industrial do Software abre inscrições para programa de trainees

02/08/2019
TI Rio debate plano de cargos e salários para TICs

01/08/2019
Curso de gestão pública é top 1 de ranking nacional dos cursos a distância

29/07/2019
Dell oferece 1000 vagas em cursos de tecnologia por ensino à distância no Brasil

18/07/2019
Empresas oferecem 63 bolsas de estudo em Tecnologia

12/07/2019
Profissional do futuro é atento e despreza a zona de conforto

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A urgência de cultivar talentos para TIC no Brasil e no mundo

Por Breno Santos*

A transformação digital ainda é um desafio para muitas empresas no Brasil e a aplicação estratégica das novas soluções deve acontecer por meio de equipamentos e mão de obra qualificada.

Destaques
Destaques

TICs vão demandar 700 mil novos profissionais na Indústria em cinco anos

Dados são do Mapa do Trabalho Industrial, feito pelo SENAI, que indicam ainda a urgência na qualificação de 10,5 milhões de trabalhadores em ocupações industriais por conta da indústria 4.0. Um dos especialistas em alta é o condutor de processos robotizados, com um incremento de 22% no número de vagas.

Técnicos são os que mais procuram especialização em Big Data

Cursos voltados para desenvolvimento Full Stack e Segurança Cibernética também são bastante demandados. No caso do big data, dos alunos formados nesta área, 45% possuem mais de 10 anos de experiência (sênior); 36% até nove anos (pleno) e 19% até três anos (recém-formados).

Agile reescreve a carreira do desenvolvedor de software

Ao mudar a entrega dos serviços – quebrando a prática dos longos projetos –, a metodologia também exige novos profissionais.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site