Convergência Digital - Home

Data centers tradicionais perdem vez no mercado brasileiro

Convergência Digital
Da redação - 28/11/2018

Pesquisa global mostra que as empresas brasileiras pretendem diminuir em cerca de 2,5 vezes o seu uso de data centers tradicionais, além de diminuir a utilização de nuvem privada em cerca de 1,5 vezes nos próximos dois anos. O estudo foi produzido pela Nutanix, especializada em computação em nuvem corporativa. Ao mesmo tempo, o planejamento mostra aumento no uso de nuvens híbridas, com execução de mais workloads locais do que em qualquer outra localização. Organizações locais aumentarão ligeiramente o uso de nuvens públicas únicas e o uso de multicloud durante o mesmo período, passando de 18% em 2018 a 27% até o final de 2020.

Em relação aos data centers tradicionais, o Brasil tem mostrado padrão moderado de execução. Hoje as empresas concentram mais workloads em data centers tradicionais e nuvens privadas, com 46% da distribuição, em relação às médias das empresas globais e das Américas, ambas com 41%. Mas, ainda existe um caminho a percorrer em relação à adoção de nuvem híbrida, com 18% do total (contra 22% nas Americas) e ao uso de serviços de nuvem pública (11% no Brasil, contra 14% das empresas globais).

Sobre a transferência de workloads para ambientes em nuvem nos próximos 12 a 24 meses, o Brasil deve seguir a tendência mundial de expansão e crescimento, apesar de ainda ficar atrás do restante do mundo na adoção da nuvem híbrida. O percentual brasileiro será de 27%, enquanto os dados nas Américas e global chegarão a 39% e 41%, respectivamente.

"À medida que as empresas exigem maior mobilidade e operacionalidade de aplicações, elas estão escolhendo cada vez mais a infraestrutura de nuvem híbrida No entanto, os resultados deste estudo revelam uma lacuna importante no mercado: as organizações precisam de talentos de TI para gerenciar seus modelos de nuvem híbrida, especialmente nos próximos 12 a 24 meses," disse Ben Gibson, diretor de marketing da Nutanix.

Embora empresas por todo o mundo tenham relatado que extrapolaram seus orçamentos com gastos de serviços em nuvem pública, o Brasil não segue o mesmo ritmo. As implantações de serviços de nuvem pública excederam 36% dos orçamentos de TI em nível global e 30% na região das Américas. No entanto, apenas 22% das empresas brasileiras informaram ultrapassar seus orçamentos de nuvem pública.

Em termos de quão bem as nuvens públicas atenderam às expectativas das empresas, no Brasil, 57% dos entrevistados disseram que todas as suas necessidades estavam sendo atendidas pelos serviços de nuvem pública, índice bem acima da média global de 42% e Américas com 53,5%. Apenas os EUA, com 60%, tem níveis de satisfação superiores aos do Brasil. A segurança e a conformidade de dados é o item com maior benefício dentro da nuvem pública para empresas globais e nas Américas, mas não para o Brasil. Este item obteve apenas 25% na pesquisa brasileira, ficando no lugar atrás do menor TCO, o maior benefício listado pelos brasileiros com 27%.


Destaques
Destaques

Mais que frequência, 5G exige muita fibra e muita nuvem

Operadoras terão, com infraestrutura, capacidade de ter serviços tão rápidos quanto os ofertados pela TI, preconizou o diretor-executivo de Business Network Consulting da Huawei América Latina,  Guillermo Solomon.

CNJ alega risco à segurança nacional e suspende contrato do TJ/SP com a Microsoft

Para o conselheiro Márcio Schiefler Fontes, o TJ/SP entregou à Microsoft o controle total sobre a tramitação processual do maior tribunal do país.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Intuição versus análise de dados na gestão

Por Douglas Scheibler*

O poder decisório significa alta responsabilidade e inúmeros riscos. Neste cenário caótico, analisar dados é indispensável e é o que justifica uma determinada medida ser considerada como correta, em um cenário específico, em detrimento de outras.

Data Centers: agora é hora de ver acontecer

Por Gilberto Gonzaga*

O que recentemente era apenas uma tendência já pode ser observado na prática. A expectativa, agora, é que esses movimentos se consolidem cada vez mais e nos levem a uma nova era de conectividade, da qual a América Latina não ficará de fora.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site