Home - Convergência Digital

Na mobilidade, os dispositivos vestíveis são os que mais vendem no Brasil

Convergência Digital - 08/07/2019

Dispositivos vestíveis representam a categoria que mais cresce atualmente entre os dispositivos móveis, apesar das limitações ainda relevantes pelos altos preços desse mercado de nicho. No Brasil, as vendas de artigos como ‘fit bands’, ‘smartwatches’, fones de ouvido e até óculos inteligentes atingiram a marca de 87.974 unidades no primeiro trimestre deste ano, um crescimento de 51,6% em relação ao mesmo período em 2018. Os dados são da IDC Brasil. 

Segundo a consultoria, essa categoria está ganhando maior projeção no Brasil, com grandes fabricantes investindo no lançamento de produtos no mercado nacional e consumidores mais interessados em saber e ter um ‘wearable’. Em 2018, foram vendidas 241,3 mil unidades de ‘vestíveis’, o que representa um crescimento de 44,2% em comparação a 2017. 

Para o ano de 2019, a projeção é de um crescimento de 91% nas vendas em relação a 2018, com um volume estimado em 461,7 mil unidades, sendo 208,5 mil básicos e 253,2 mil dispositivos smart. Os dispositivos mais simples, basicamente voltados ao uso para fitness e saúde (contagem de passos, monitoramento de sono), estão cada vez mais dividindo o espaço com produtos mais robustos e com especificações melhores, que oferecem funções como capacidade de baixar aplicativos de terceiros, notificação e realização de chamadas, recursos mais aprimorados como controle de glicemia e batimento cardíaco, e GPS mais preciso.

Em 2018, as vendas de dispositivos básicos corresponderam a 110,4 mil unidades, com crescimento de 7,2% em relação a 2017, enquanto os equipamentos mais inteligentes chegaram a 130,9 mil unidades, um aumento de 103,3%. No primeiro trimestre de 2019, esse movimento se confirmou, com crescimento de 19,5% no número de dispositivos básicos, com 39.360 unidades vendidas, e de 93,7% na categoria superior, com 48.614 unidades.

O fator preço tem um peso importante neste mercado, que ainda é limitado a um nicho premium. O ticket médio para os dispositivos básicos foi de R$ 1.069 no primeiro trimestre de 2019, e de R$ 2.156 para os smartwatches mais inteligentes. O alto custo é típico de novas categorias de produto, que usam componentes específicos e ainda não tem uma produção em grande escala. No caso do Brasil, esses dispositivos são importados e impactados pela carga tributária e dólar alto.

A IDC acredita que com a consolidação do mercado e fabricantes investindo em produtos tanto para os segmentos de entrada como premium, a tendência é de uma gradual massificação e redução do ticket médio. Enquanto no primeiro trimestre do ano passado os dispositivos wearables de marcas desconhecidas correspondiam a 44% das vendas, neste ano essa participação caiu para 4%. 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

02/07/2020
Banco Central descarta adiamento do Open Banking e do pagamento instantâneo

01/07/2020
Empresas nacionais reclamam da burocracia e deixam de investir em Inovação

23/06/2020
Finep e MCTI abrem edital de R$ 50 milhões para tecnologias 4.0

22/06/2020
Brasil: é urgente formar profissionais em Inteligência Artificial

18/06/2020
Streaming na TV aberta faz Radiodifusão acelerar Ginga D

11/06/2020
Brasil dá um salto e entra no top 20 em ranking mundial de ecossistemas para startups

09/06/2020
OBr.Global promove bootcamps Live sobre empreendedorismo

03/06/2020
Federal de Goiás desenvolve teste rápido para Covid-19 com microchip descartável

15/05/2020
CVM adota regras simplificadas para startups

06/05/2020
MCTIC cria grupo para avaliar mudanças na Lei do Bem

Destaques
Destaques

Covid-19 fez smartphone virar agência bancária com 41% das transações financeiras

As transações bancárias feitas por pessoas físicas pelos canais digitais foram responsáveis por 74% do total de operações analisadas em abril, revela a Febraban.

Oi Móvel terá um 'único' dono e Oi não se exclui do jogo do 5G

O CEO da Oi, Rodrigo Abreu, descartou a possibilidade de vender a Oi Móvel 'fatiada' para atender aos interessados: Vivo/TIM e Claro. "Sem chance. O ativo será vendido todo", disse. Sobre o 5G, diz que dependendo do modelo de venda, a Oi entra pensando em B2B, IoT e até para ser MVNO.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site