Home - Convergência Digital

TST enquadra como abusiva greve contra privatização de estatais

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 12/02/2019

A Seção de Dissídios Coletivos do Tribunal Superior do Trabalho decidiu na segunda-feira, 11/2, que greve contra privatização é abusiva. Ou seja, os trabalhadores que cruzarem os braços em protesto contra a venda de empresas estatais podem ter os salários descontados.

Por quatro votos a seis, venceu o voto do ministro Ives Gandra Martins Filho, que abriu a divergência. Segundo ele, greves não podem ter objetivos políticos não relacionados às relações de trabalho. E protestar contra a privatização de estatais não é uma causa trabalhista, avaliou. Foi acompanhado pelos ministros Renato Lacerda Paiva, Aloysio Corrêa da Veiga e Dora Maria da Costa.

O relator, ministro Maurício Godinho, ficou vencido. Para ele, greves do tipo são pela manutenção dos empregos e, por isso, não podem ser consideradas políticas. “Existem normas da OIT que dizem o mesmo, não podendo ser entendido o contrário”, votou. Ele foi acompanhado pela ministra Kátia Arruda.

O caso concreto em análise foi uma greve de funcionários da Eletrobras em junho de 2018, quando anunciado o avanço das negociações para a venda da estatal. De acordo com a empresa, autorizar a greve poderia gerar a paralisação de 24 mil funcionários, o que resultaria em problemas no abastecimento de energia no país inteiro.

Fazem parte da Eletrobras 47 hidrelétricas, 114 termelétricas, 69 usinas eólicas e duas usinas nucleares. A empresa possui 70 mil km de linhas de transmissão e detêm 10% do mercado de distribuição.

A intenção dos grevistas era barrar a tramitação de projetos que tratem da privatização da Eletrobras:  Projeto de Lei 9.463/18, que trata da desestatização da Eletrobras; o Decreto 9.188/2017, sobre desinvestimento das Empresas de Economia Mista e o PL 1917/2015, que abrange a Portabilidade da Conta de Energia.

* Do Conjur

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

17/05/2019
TST diz que curso pela internet vale em contagem de horas extras

13/05/2019
TST amplia uso de sistema próprio de inteligência artificial

28/02/2019
TST para de julgar terceirização à espera de Acórdão do STF

12/02/2019
TST enquadra como abusiva greve contra privatização de estatais

05/11/2018
Reforma Trabalhista reduziu número de processos trabalhistas em 17,4%

26/10/2018
TST condena Telefônica por cobrar metas fora do expediente via WhatsApp

08/02/2018
Ameaça trabalhista pelo Facebook gera indenização de R$ 5 mil

14/06/2017
Telefônica terá que indenizar atendente por uso restrito do banheiro

05/06/2017
Funcionários do Serpro querem R$ 1,1 bilhão em ação trabalhista

04/05/2017
TST nega contrato de músico para conversão em toques de celular

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O futuro do trabalho colocado à prova

Por Luiz Camargo*

Novas profissões exigem também novas habilidades para acompanhar a revolução digital. Os novos empregos certamente irão demandar habilidades analíticas, matemáticas e digitais, com um toque de neurociência.

Destaques
Destaques

TI precisa de 420 mil novos profissionais até 2024

Formação de mão de obra, que já sofre para atender a demanda, vai ficar longe dos 70 mil novos empregos por ano. IoT, Big Data e segurança são áreas de maior demanda.

Salários em TICs são três vezes maiores que a média nacional

Em software e serviços, onde estão 75% das vagas das empresas de tecnologia da informação, remuneração média em 2018 foi de R$ 5 mil, contra R$ 1,8 mil do salário médio nacional.

TICs podem formar 1 milhão a cada quatro anos com recursos já existentes

Segundo o presidente da Contic, Edgar Serrano, atualização do marco legal de telecom e a criação do Sistema S das TICs são medidas de transformação digital sem impacto fiscal.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site