Home - Convergência Digital

Por transformação digital, empresas 'caçam' especialistas UX/UI Designer

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 16/01/2019

No Brasil, a demanda pelo Designer de Experiências,  profissional especializado em design UX e UI ou User Experience e User Interface, vem aumentando principalmente com o surgimento de diversas startups e a transformação digital promovida pelas grandes empresas. De acordo com a plataforma Love Mondays, o salário médio do UX/UI Designer é de R$ 4.205,00, mas a remuneração pode chegar até aproximadamente R$ 12 mil aos profissionais mais experientes.

Com os talentos de design gráfico sendo potencializados pelo conhecimento em programação, e vice-versa, a função cuida de duas partes de um mesmo produto. Enquanto o UX deve se preocupar com toda a experiência e verificar como o usuário se sente utilizando o sistema, app, site ou software, realizando entrevistas com stakeholders, usuários e análise heurística para encontrar dificuldades de uso e substituí-las com soluções mais simples, o profissional que trabalha com UI é responsável por projetar a disposição dos elementos, cores e demais itens nas telas dos dispositivos após o diagnóstico do UX Designer.

“Em uma analogia mais literal, podemos afirmar que o profissional de UX propõe a letra e o sentimento que deseja transmitir em uma canção, enquanto o UI Designer cria o arranjo musical para que ela seja apreciada pelas pessoas. Em muitos casos, esses dois lados do trabalho são feitos pela mesma pessoa”, elucida Nathália Sacks, Admissions Manager da Ironhack no Brasil.

Além disso, um estudo da PageGroup, empresa especializada em recrutamento, aponta que a área de user experience deve registrar alta de 10% na remuneração dos profissionais em 2019 comparado com o ano passado. “A tendência é que a profissão se valorize bastante nos próximos anos. Muitas empresas mantém apenas um profissional para atuar em ambas as áreas, mas algumas companhias cientes da importância do setor para o desenvolvimento de negócios, já possuem equipes e departamentos completos de UI/UX Designer ou possuem a intenção de ampliar os seus times”, acrescenta a executiva.

A Ironhack, escola global de tecnologia, que chegou em 2018 em São Paulo, possui dois bootcamps voltado para formação de UX/UI Designer neste ano. O primeiro dura nove semanas e ocorre em tempo integral, de segunda a sexta-feira. As aulas começam no dia 18 de fevereiro. Já o curso part time (24 semanas) tem início previsto para 11 de março, com aulas noturnas às terças e quintas, além dos sábados.  

Os cursos podem ser realizados tanto por pessoas que pretendem mudar de profissão como aqueles em busca de ascensão na carreira. Nesse segundo grupo, estão inclusos profissionais que desempenham atividades comuns à área como designers gráficos, fotógrafos, artistas, diretores de criação e profissionais de publicidade. Empreendedores, que desejam desenvolver seu próprio aplicativo web ou móvel, e programadores, com interesse em aprender em detalhes as questões relativas à experiência de usuário, também tem motivos para se inscrever nos cursos.


Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

13/06/2019
Senai faz acordo com AWS para ensinar tecnologia a 2,5 milhões de alunos

10/06/2019
Plataforma gratuita CODE-IoT da Samsung qualifica mais de 50 mil pessoas no Brasil

16/05/2019
Assespro é contra a regulamentação da profissão de TICs

10/05/2019
Startup de Curitiba cria plataforma gratuita com mais de 77 cursos diferentes

06/05/2019
Quem são os novos CIOs, CDOs e CTOs na TI brasileira?

02/05/2019
São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul lideram a busca por profissionais de TI

18/04/2019
Ciência na Escola terá R$ 100 milhões para formar cientistas

12/04/2019
O profissional do futuro de TI é alguém que ninguém conhece

09/04/2019
TICs podem formar 1 milhão a cada quatro anos com recursos já existentes

01/04/2019
Inteligência emocional faz a diferença na escolha do profissional de TIC

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O futuro do trabalho colocado à prova

Por Luiz Camargo*

Novas profissões exigem também novas habilidades para acompanhar a revolução digital. Os novos empregos certamente irão demandar habilidades analíticas, matemáticas e digitais, com um toque de neurociência.

Destaques
Destaques

Falta de mão de obra qualificada espanta investidores no Brasil

Mais de 50% dos jovens brasileiros podem ficar fora do mercado de trabalho por falta de qualificação e de habilidades digitais. A advertência foi feita por especialistas que debateram sobre educação e capacitação digital no Painel Telebrasil 2019.

Assespro é contra a regulamentação da profissão de TICs

Entidade das empresas de TI se posiciona contrária ao PLS 317/17. que passa a exigir diploma de profissões como Analista de Sistemas, desenvolvedor, engenheiro de sistemas, analistas de redes, administrador de banco de ados, suporte e profissões correlatas.

Mais de meio milhão de brasileiros trabalham com TICs

Raio-X do mercado de trabalho nos últimos 10 anos, feito pela Softex, mostra que o salário médio de R$ 6 mil.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site