Home - Convergência Digital

Mercado de trabalho: Lacunas de habilidades distanciam patrões e profissionais

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 22/02/2019

Um estudo feito pela Udemy, marketplace global de ensino online, mostra a relação entre as habilidades das pessoas que estão buscando trabalho e as qualificações exigidas pelos empregadores. Essa relação foi chamada de lacuna de habilidades. Dos mil entrevistados, 72% sentem que são afetados por ela e 95% dos brasileiros reconhecem que ela existe no país.

“Não é um problema só do Brasil, é global. No entanto, por aqui essa lacuna é mais profunda. Um dos principais motivos que resultam nesse sentimento do brasileiro é a educação básica deficitária”, afirma Sérgio Agudo, diretor da Udemy Brasil. Apesar de o país apresentar essa disparidade, o profissional daqui identifica esse problema e sabe que está defasado em relação ao que o empregador espera dele - e pode tomar medidas para se capacitar cada vez mais.

“O Brasil está saindo de recessão, que é um fator considerável, e o empregado tem uma sensibilidade maior sobre os riscos, como perder emprego para um profissional mais jovem, ganhando menos e fazendo mais do que ele. Então, em um período pós-recessão, principalmente, é positivo ter essa noção de que precisa correr atrás. Em alguns países essa lacuna não é percebida e isso é um problema e aí o empregado fica estagnado, fica na sua zona de conforto e perde oportunidades”, afirma Agudo.

A chegada da tecnologia transformou o mercado de trabalho em vários aspectos: novas funções, novas ideias e novos empregadores. “A tecnologia vai ditar as normas e vai transformar ainda mais as indústrias no Brasil e fora do país. E nesse novo contexto cada vez mais as soft skills [as habilidades comportamentais] vão se destacar. Qualquer indústria nessa nova fase vai precisar de profissionais com essas habilidades. A carência é alta e as soft skills têm peso muito grande para o empregador. É uma tendência forte no país”, diz. É claro que a necessidade por profissionais com as chamadas hard skills, que são as habilidades técnicas, continuará existindo. Mas a demanda por soft skills vai ser gigantesca, preconiza Agudo. 

O estudo mostra, ainda, que 76% dos entrevistados consideram o mercado de trabalho brasileiro competitivo ou altamente competitivo. Mas Agudo pondera e explica que antes do país ser competitivo tem outros problemas que são prioritários como o acesso à educação básica e de qualidade. “A verdade é que está todo mundo nivelado por baixo. No Brasil o profissional lida com o básico de aprendizado. É uma competição de outro nível em relação a países como França e Alemanha, por exemplo. O Brasil é pequeno no resultado do mercado global”, diz.

No entanto, o diretor da Udemy Brasil acredita que em 2019 o mercado brasileiro voltará a se aquecer. “Temos uma  capacidade de investimentos reprimida, esperando a atuação do novo governo. Mas acredito em uma melhora. É difícil prever qualquer coisa no Brasil, mas os sinais são otimistas. O profissional brasileiro está mais atento às possibilidades e oportunidades seja para mudar de carreira, mudar de emprego ou aproveitar uma promoção”, afirma.

*Com reportagem do portal Info Money

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

13/06/2019
Senai faz acordo com AWS para ensinar tecnologia a 2,5 milhões de alunos

10/06/2019
Plataforma gratuita CODE-IoT da Samsung qualifica mais de 50 mil pessoas no Brasil

16/05/2019
Assespro é contra a regulamentação da profissão de TICs

10/05/2019
Startup de Curitiba cria plataforma gratuita com mais de 77 cursos diferentes

06/05/2019
Quem são os novos CIOs, CDOs e CTOs na TI brasileira?

02/05/2019
São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul lideram a busca por profissionais de TI

18/04/2019
Ciência na Escola terá R$ 100 milhões para formar cientistas

12/04/2019
O profissional do futuro de TI é alguém que ninguém conhece

09/04/2019
TICs podem formar 1 milhão a cada quatro anos com recursos já existentes

01/04/2019
Inteligência emocional faz a diferença na escolha do profissional de TIC

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O futuro do trabalho colocado à prova

Por Luiz Camargo*

Novas profissões exigem também novas habilidades para acompanhar a revolução digital. Os novos empregos certamente irão demandar habilidades analíticas, matemáticas e digitais, com um toque de neurociência.

Destaques
Destaques

Falta de mão de obra qualificada espanta investidores no Brasil

Mais de 50% dos jovens brasileiros podem ficar fora do mercado de trabalho por falta de qualificação e de habilidades digitais. A advertência foi feita por especialistas que debateram sobre educação e capacitação digital no Painel Telebrasil 2019.

Assespro é contra a regulamentação da profissão de TICs

Entidade das empresas de TI se posiciona contrária ao PLS 317/17. que passa a exigir diploma de profissões como Analista de Sistemas, desenvolvedor, engenheiro de sistemas, analistas de redes, administrador de banco de ados, suporte e profissões correlatas.

Mais de meio milhão de brasileiros trabalham com TICs

Raio-X do mercado de trabalho nos últimos 10 anos, feito pela Softex, mostra que o salário médio de R$ 6 mil.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site