Home - Convergência Digital

Ericsson e Vivo montam rede 3G/4G em Roraima para minimizar estado de calamidade pública

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo* - 15/03/2018

A Ericsson e a Vivo montaram uma rede 3G/4G para atender a cidade de Pacaraima, porta de entrada no Brasil dos imigrantes venezuelanos, que, hoje, já são quase 40 mil no Estado de Roraima. A parceria também prevê a implantação de um laboratório na Universidade Federal de Roraima (UFRR), para inclusão digital através de cursos de capacitação para os imigrantes. O acordo teve a participação do governo brasileiro, que permitiu acesso às torres de energia.

Atualmente, a cidade de Pacaraima conta apenas com cobertura 2G, o que inviabiliza, por exemplo, o registro e integração das informações dos venezuelanos que tentam dar entrada no pedido de asilo junto à Polícia Federal. Além disso, a falta de conectividade limita qualquer outra ação que possa ser desenvolvida no local. "Estamos colocando quatro enlaces de rádio para atender essa região. A Vivo puxou 200 km de fibra óptica para permitir que o 4G funcionasse nessa cidade, que fica na fronteira. É um modelo complexo, se fosse pensar apenas no lado financeiro, não haveria o retorno, a conta não fecha. Mas é uma iniciativa de inclusão. Estamos levando desenvolvimento econômico para essa cidade. Os serviços vão funcionar como não funcionavam. Inclusão digital e social", observa o presidente da Ericsson, Eduardo Ricotta.

Em Boa Vista, para onde os venezuelanos seguem para darem entrada ao pedido de asilo para obterem a condição de permanência legal no país, o problema de conectividade também impacta o dia a dia das atividades da Polícia Federal: a instituição não consegue enviar os dados para Brasília, uma vez que a internet usada pelo órgão tem capacidade muito limitada. Atualmente, estima-se que mais de 10% da população de Boa Vista seja de imigrantes venezuelanos.

Uma iniciativa que entusiasma é a a oferta dos cursos profissionalizantes. Eles serão divididos em módulos com dois meses de duração. Haverá desde cursos mais básicos para inclusão digital até cursos sobre temas mais avançados voltados para pessoas com um nível mínimo de escolaridade. As aulas serão ministradas no laboratório que será instalado na UFRR. "Vamos capacitar que não tem conhecimento da tecnologia móvel e vamos também levar conhecimento para quem já tem um nível mais avançado. Capacitar é a melhor maneira de reduzir diferenças", completa o presidente da Ericsson Brasil.

O projeto inclui também a conexão do novo Centro de Referência ao Refugiado e Migrante, que está em fase de instalação no campus da UFRR em parceria com o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) e a Polícia Federal, com o objetivo de melhorar o atendimento aos venezuelanos e à população local. As instalações atuais não comportam a demanda diária de pedidos de asilo por parte dos venezuelanos, o que tem provocado as cenas desumanas de grande concentração de pessoas dormindo em barracas e abrigos improvisados nos arredores da PF e em espaços públicos da cidade de Roraima. Os valores investidos não foram revelados pelas partes.


Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

06/09/2018
América Latina restringe espectro e fica longe da meta da UIT

22/08/2018
MCTIC, Anatel e operadoras fazem força-tarefa por mais antenas no Brasil

08/08/2018
Claro fica à frente de Vivo, TIM e Oi na velocidade de banda larga móvel

24/07/2018
Banda larga móvel: América Latina cobra até três vezes mais pelo espectro

24/07/2018
Celular passa a ser o principal meio de acesso à Internet no Brasil

18/04/2018
Algar Telecom é a primeira tele a lançar plano com dados ilimitados

15/03/2018
Ericsson e Vivo montam rede 3G/4G em Roraima para minimizar estado de calamidade pública

27/02/2018
Eleições gerais na América Latina acendem sinal amarelo na indústria móvel

12/01/2018
5G Americas: Brasil não liberou 100 Mhz em 2,3GHz às operadoras

04/12/2017
Broadcom retoma oferta hostil pelo controle da Qualcomm

Destaques
Destaques

5G exige pelo menos 100 MHz para cada operadora no Brasil

O tema preocupa a coordenação de espectro do 5G Brasil, uma vez que foram destinados 300 MHz na faixa intermediária e há quatro operadoras nacionais.

Segurança cibernética é crítica para o avanço do 5G

O tema é considerado polêmico - até em função das questões políticas que o envolvem como a briga China x EUA -, mas precisa ser debatido, observa Gustavo Correa Lima, engenheiro do CPqD.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Desvende 10 mitos sobre os cartões biométricos

Por Cassio Batoni*

Como toda nova tecnologia, os questionamentos sobre a sua segurança e e a sua confiabilidade ainda existem e são compreensíveis, mas ela veio para ficar. A impressão digital surge como a confirmação principal de que o usuário é quem diz ser.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site