Convergência Digital - Home

Empresas gastaram, e bem, com infraestrutura de TI para nuvem pública e privada

Convergência Digital
Convergência Digital* - 14/01/2019

A receita de vendas de produtos de infraestrutura de TI para ambientes de nuvem pública e privada praticamente dobrou em 2018 - aumento de 47,2% - chegou a US$ 16.8 bilhões, revela estudo da IDC sobre o terceiro trimestre de 2018. A nuvem pública teve maior percentual de investimentos nos últimos dois anos, chegandod a US$ 12,1 bilhões no período. Já os gastos com nuvem privada cresceram bem menos e chegaram a US$ 4,7 bilhões.

Ainda de acordo com a IDC, pela primeira vez, a receita trimestral de fornecedores de vendas de produtos de infraestrutura de TI em ambientes de nuvem ultrapassou a receita de vendas em ambientes de TI tradicionais, representando 50,9% do total das receitas de fornecedores de infraestrutura de TI, contra 43,6% um ano atrás.

No entanto, reporta a consultoria, os gastos em infraestrutura de TI na nuvem não vão passar de 50% em 2018, com a projeção de alcançar 47,4%. As plataformas computacionais terão o crescimento mais rápido, com 59,1%, enquanto os gastos com switches Ethernet e plataformas de armazenamento crescerão 18,5% e 20,4%, respectivamente.

A IDC também reporta que a taxa de crescimento do segmento de infraestrutura de TI tradicional (sem nuvem) desacelerou a partir do primeiro semestre do ano, para 14,8%, o que ainda é excepcional para esse segmento de mercado. Até 2022, espera-se que a infraestrutura de TI tradicional não em nuvem representará apenas 42,4% do total mundial de gastos com infraestrutura de TI (queda em relação aos 52,6% em 2018). Essa perda de compartilhamento e a crescente participação de ambientes de nuvem nos gastos gerais com infraestrutura de TI são comuns em todas as regiões.

“Os três primeiros trimestres de 2018 foram excepcionais para o mercado de infraestrutura de TI em todos os ambientes de implantação e o aumento nos investimentos em infraestrutura de TI por data centers de nuvem pública foi especialmente impulsionado pela abertura de novos data centers e atualização de infraestrutura em data centers existentes”, afirma Natalya Yezhkova, diretora de pesquisa, infraestrutura e plataformas de TI da IDC.

“Depois de um ano tão forte, esperamos alguma desaceleração em 2019 à medida que o mercado geral esfria e alguns provedores de nuvem trabalham com ajustes em sua cadeia de fornecimento. No entanto, a IDC espera que a mudança nos gastos em infraestrutura de TI para os ambientes de nuvem continue”, projeta a analista.

Todas as regiões aumentaram suas receitas de infraestrutura de TI na nuvem em dois dígitos no 3T18. O crescimento da receita foi o mais rápido na Ásia / Pacífico (excluindo o Japão) (APeJ), com 62,6% ano a ano, com a China crescendo a um ritmo ainda mais alto, de 88,7%. Outras regiões que mais cresceram no 3T18 foram o Japão (48,2%), EUA (44,2%) e Canadá (43,4%).


Destaques
Destaques

CNJ não libera contrato de R$ 1,3 bilhão do TJ/SP com a Microsoft

Mas autoriza o prosseguimento das negociações entre as partes. Decisão final sairá em plenária, ainda não agendada.

Big data e Analytics têm receita projetada em R$ 16,8 bilhões

A cloud pública também mostra crescimento e deve chegar a R$ 10 bilhões de receita no final do ano, de acordo com estudo da IDC, encomendado pela ABES. Com relação à Inteligência Artificial, o levantamento indica que, no Brasil,15,3% das médias e grandes empresas têm essa tecnologia entre as principais iniciativas e espera-se que isso dobre nos próximos quatro anos.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Edge Computing para acelerar os negócios das empresas brasileiras

Por Henrique Cecci*

O que é, afinal, Edge Computing? Trata-se da aplicação de soluções que facilitam o processamento de dados diretamente na fonte de geração de dados. No contexto da Internet das Coisas (IoT), por exemplo, as fontes de geração de dados geralmente são "coisas" com sensores ou dispositivos incorporados.

Intuição versus análise de dados na gestão

Por Douglas Scheibler*

O poder decisório significa alta responsabilidade e inúmeros riscos. Neste cenário caótico, analisar dados é indispensável e é o que justifica uma determinada medida ser considerada como correta, em um cenário específico, em detrimento de outras.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site